Artigos


ABDO, Sandra Neves

(1) Beleza e contemplação pura - sua ressonância histórica para além da definição de uma esfera estética autônoma: a correspondência de contemplante e contemplado, (c.12), 1998, pp. 163-172.

ABRANCHES, Alexandra Maria Lafaia Machado

(1) Kant, Pierce e a hipótese, Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, t. LIII/ 4, 1997, pp. 529.

ALMEIDA, Alexandra

(1) A noção de sublime em Kant e a questão da comoção na arte. Analógos (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. VIII, 2007.

ALMEIDA, Guido Antônio de

(1) Resenha crítica de Kants Erfahrungsbegriff, de Helmth Holzhey (Basiléia, Schwabe & Co., 1970), Revue Philosophique de Louvain, Lovania, 1972.

(2) Algumas considerações sobre a concepção moral cristã e a modernidade filosófica, Síntese, Belo Horizonte, v. 18, n. 55, 1991, pp. 491-498.

(3) Racionalidade e moralidade da ação, in: Ação e Racionalidade, Rohden, Valério (org.), EDUFRGS, Porto Alegre, 1992.

(4) Consciência de si e conhecimento objetivo na dedução transcendental de I. Kant, Analytica, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1994, pp. 187-219.

(5) Consciência e consciência de si, Síntese, Belo Horizonte, v. 20, n. 65, 1994.

(6) Kant e o escândalo da filosofia, Kriterion, Belo Horizonte, v. XXXVIII, n. 95, 1997, pp. 49-72.

(7) Liberdade e moralidade segundo Kant, Analytica, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1. 1997, pp. 175-202.

(8) A dedução transcendental e o cartesianismo posto em questão, Analytica, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, 1998, pp. 1135-156.

(9) Kant e o ‘facto da razão': ‘cognitivismo' ou‘decisionismo' moral? Studia Kantiana, v. 1, n. 1, 1998, pp. 53-81.

(10) Crítica, dedução e facto da razão, Analytica, Rio de Janeiro, v. 4, n.1, 1999, pp. 57-84.

(11) O Ceticismo estético e a e a ‘dedução' kantiana dos juízos de gosto, in: O Filósofo e Sua História: Uma Homenagem a Oswaldo Porchat, MichelB. Wrigley e Plínio J. Smith (org.), Coleção CLE, Campinas, v. 36, 2003, pp. 457-476.

(12)  Kant e as Fórmulas do Imperativo Categórico. In: Fátima Évora, Paulo Faria, Andrea Loparic, Luiz Henrique Lopes dos Santos e Marco Zingano. (Org.). Lógica e Ontologia: ensaios em homenagem a Balthazar Barbosa Filho. São Paulo: Discurso Editorial, 2004, v. , p. 9-26.

(13) Sobre o princípio e a lei universal do Direito em Kant. Kriterion, v. 114, p. 209-222, 2006.

(14) O Conceito Kantiano de Filosofia e a Fundamentação da Metafísica dos Costumes. In: D.T. Peres, F.C. Mattos, L. Repa, M. Nobre, M. Lopes, M.C. Keinert, R.S. Melo. (Org.). Tensões e Passsagens: Filosofia crítica e modernidade. 1a ed. São Paulo: Singular/Esfera Pública, 2008, v. , p. 43-58.

(15) Kant e o Direito. In: Alexandre Travessoni. (Org.). Kant e o princípio do direito. Belo Horizonte: Editora Mandamentos, 2009, v. 1, p. 359-374.

(16) Introdução. Fundamentação da Metafísica dos Costumes, de I. Kant (no prelo). São Paulo: Discurso Editorial, 2009, v. , p. 11-57.

(17) “Kant e o princípio do Direito: sensualismo versus intelectualismo na interpretação kantiana do Direito”. In: Um Filósofo e a Multiplicidade de Dizeres: Homenagem aos 70 anos de vida e 40 anos de Brasil de Zeljko Loparic. Orgs. Andréa Faggion e Robson dos Reis. Campinas: Coleção CLE, 2010. p. 211- 227.

ALMEIDA, Juliana Fischer de.

(1) Resenha - KERSTING, Wolfang. Universalismo e Direitos Humanos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003, p. 201-205. Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 201-205, 2009.

ALTMANN, Sílvia

(1) A Categoria da existência na refutação kantiana do argumento ontológico, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 5, n 1, 2004, pp. 47-59.

(2) Algumas observações sobre forma lógica e constituição do conteúdo de juízo em Kant. In: Fátima Évora; Paulo Faria; Andréa Loparic; Luiz Henrique L. dos Santos; Marco Zingano. (Org.). Lógica e ontologia - ensaios em homenagem a Balthazar Barbosa Filho. São Paulo: Discurso Editorial, 2004, v. , p. 27-50.

(3) Predicação, verdade e existência em Kant. Acta Analytica, v. 9, p. 137-159, 2005.

(4) Kant e a quantidade como categoria do entendimento puro. Cadernos de História e Filosofia da Ciência (UNICAMP), v. 17, p. 41-55, 2007.

(5) A existência como categoria modal. Analytica (UFRJ), v. 11, p. 11-30, 2007.

(6) Juízos infinitos e determinação em Kant. Analytica (UFRJ), v. 12, p. 30-40, 2008.

(7) A liberdade como pressuposto da objetividade da moralidade em Kant. In: Altmann, Sílvia; Wolf, Eduardo. (Org.). Lições de história da filosofia. v. , p. 128-142, 2010.

(8) Juízo categórico e categoria da substância. In: Marques, U. R. de A. (Org.). Kant e a Biologia. São Paulo: Barcarolla, 2011.

(9) Representação, consciência da representação e Dedução Transcendental. In: Levy, L. et al. (Org.). Ensaios de filosofia moderna. Porto Alegre: Linus Editores, 2011.

ALVES, Alexandre

(1) A crítica de ponta-cabeça: sobre a significação de Kant no pensamento de Foucault. Trans/Form/Ação, v. 30, p. 25-40, 2007.

ALVES, Pedro M. S.

(1) Kant e Beck face ao problema da coisa-em-si, Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa, 1993, pp. 53-82.

(2) Do primado do prático à filosofia da história, (c.9), 1994, pp. 147-172.

(3) Sociedade, direito e comunidade política em Kant, (c.11), 1997, pp. 49-66.

(4) Kant e Beck: a ‘doutrina do ponto de vista' como auto-correção da filosofia transcendental, (c. 14), pp. 111-128.

AMOEDO, Margarida

(1) O valor da fenomenologia na superação do neo-kantismo, Phainomenon, Revista de Fenomenologia/CFUL, Lisboa, 5-6, 2002/ 2003, pp. 251-270.

ANDIA, Rodrigo. 

(1) Hegel versus Kant: imagem, conceito e tempo na ideia de uma história filosófica da filosofia. Kinesis, v. II, p. 175-194, 2010. 

ANDRADE, Abrahão Costa 

(1) A relação entre moral e direito em Kant, Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, n. 4, 1998, pp. 65-79.

(2) Kant: crítica e história. Princípios ((UFRN), Natal-RN, v. 9, n. 11-12, p. 126-144, 2004.

(3) Kant: moral e história. In: Markus Figueira. (Org.). Café filosófico. 1 ed. Natal: , 2005, v. 3, p. 15-32.

ANDRADE, S. M. Viegas de

(1) Sobre um opúsculo de Kant, Síntese Política, Econômica, Social, Rio de Janeiro, II, 1975, pp. 103-110.

APEL, Karl-Otto

(1) Constituição do sentido e justificação da validade. M. Heidegger e o problema da filosofia transcendental, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLV/ 3, 1989, pp. 413-461.

ARANTES, Urias

(1) Em busca da modernidade política: história e política em Kant, Síntese-Nova Fase, Belo Horizonte, v. XX, n. 61, 1993, pp. 267-276.

ARAUJO, Alexandre Medeiros

(1) Notas sobre a experiência estética em Kant. Alter (Rio de Janeiro), v. 17, p. 14 - 16,  2011.

(2) O Sublime e sentimento de respeito em Kant. Alter (Rio de Janeiro), v. 14, p. 6, 2010.

(3). O Sublime e a vocação moral do homem em Kant. Analógos (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. XI, 2010. 

ARAÚJO NETO, José Aldo Camurça

(1) A Lei Kantiana sob o Olhar Crítico de Hegel. KÍNESIS, v. 2, p. 105-121, 2010.

ARENAS, Luis

(1) Metacrítica de la razón pura. El Kant de Adorno, Revista Filosófica de Coimbra, Instituto de Estudos Filosóficos/FL, Coimbra, v. XII, n. 24, 2003, 371-398.

ARRAIS, Leonardo Antônio Cisneiros

(1) Um aspecto da crítica kantiana à semântica dogmática: o problema da determinação na construção do conceito de ser infinito, Studia Kantiana, São Paulo, v. 5, n. 1, 2004, pp. 61-78.

(2) Identidade pessoal e predicação da existência na crítica kantiana à metafísica clássica, Perspectiva Filosófica, Recife, v. 7, n. 13, 2000, pp. 19-54.

ARRUDA, Francimar Duarte

(1) Seria o "Imperativo Categórico" um instrumento para a Paz. Filosofia Unisinos, v. 6, p. 194-202, 2005.

BAMBERG, Neison Scholl

(1) Dever e Liberdade em Kant. Revista Filosofazer, v.29, p. , 2006.

BARATA, André

(1) A Revolução de Kant, Mil Folhas, suplemento do Público, Lisboa, 14/2/2004, p. 17.

BARATA-MOURA, José

(1) A Práxis em Kant, (c.1), 1982, pp. 133-177.

(2) Heidegger e a tese de Kant sobre o ser, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, v. I, n. 1, 1985, pp. 16-44.

(3) Posição (Setzung) e materialidade. Heidegger e a tese de Kant sobre o ser, in: José Barata-Moura, Da Representação à Práxis: Itinerários do Idealismo Contemporâneo, Caminho, Lisboa, 1986, pp. 21-66.

(4) O problema da objetividade em Kant, Revista da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 10, 1988, pp. 25-39.

(5) O tratado teológico-político de Kant. No segundo centenário de Die Religion innerhalb der Grenzen der blossen Vernunft, (c.9), 1994, pp. 65-96.

(6) Filosofia e filosofar: Hegel versus Kant?, Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa n. 6, 1995, pp. 51-70.

(7) Do eterno descanso à paz perpétua: contorno de uma problemática kantiana, (c.10), 1996, pp. 11-48.

(8) Kant, filósofo da vida? Metafísica dos costumes e costumes da metafísica, (c.14), 2000, pp. 33-60.

BARBOSA FILHO, Balthazar

(1) Sur une Critique Kantienne de la Raison Juridique, Cahiers de l'Ecole Normale Superieure de Fontenay-Saint-Coud, v. 2, 1992, pp. 125-140.

(2) Kant e Aristóteles: razão prática e escolha deliberada, Analytica, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 1997, pp. 7-22.

BARRA, Eduardo Salles de Oliveira

(1) A via media kantiana no debate entre realismo e anti-realismo científico, Crítica, Paraná, n. 11, 1998.

(2) As Duas Respostas de Kant ao Problema de Hume. Princípios ((UFRN), Natal - RN, v. 9, n. 11-12, p. 145-178, 2002.

(3) Arquitetônica Kantiana e Gravitação Newtoniana. Scientiae Studia (USP), São Paulo - SP, v. 2, n. 3, p. 327-353, 2004.

BARREIRA, Isaque de Jesus

(1) O pensamento educacional de Kant, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIX/1-2, 1993, pp. 205-218.

BARRETO, Marco Heleno

(1) A imaginação e o sublime - herança de um pavor: de Kant a Bachelard, (c.12), 1998, pp. 173-181.

BARROS, R. S.Maciel de

(1) O pensamento político de Kant, Revista Brasileira de Filosofia, Rio de Janeiro, v. 32, 1982, pp. 190-213.

BARROS II, João Roberto

(1) O dever e os postulados da razão prática em Kant. Controvérsia (UNISINOS), São Leopoldo - RS, v. 1, p. 1-23, 2005.

(2) A consumação do progresso - sobre a Ética e a Filosofia da História kantianas. Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP), v. 9, p. 41-58, 2006.

(3) Ética e história em Kant - um estudo sobre Idéia. Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP), v. 15, p. 49-61, 2010.

(4) Sobre a Quinta e Sexta proposições da Idéia de Kant. Prometeus, v. 03, p. 37-49, 2010.

BASSOLI, Selma Aparecida. 

(1) O mal como privação. Trans/Form/Ação, v. 28, p. 95-104, 2005.

BECKENKAMP, Joãosinho

(1) Kant e o conceito de verdade, Estudos Leopoldinense, São Leopoldo, v. 30, n. 139, 1994, pp. 59-73.

(2) Ch. Wolff e I. Kant sobre verdade transcendental, Veritas, Porto Alegre, v. 41, n. 161, 1996, pp. 57-64.

(3) Primeiros passos da ética kantiana, Estudos Leopoldinense, São Leopoldo, V. 32, pp. 69-88, 1996.

(4) Kant e o problema do mal na filosofia moral, Dissertatio, Pelotas, v. 4, 1996, pp. 111-134.

(5) Imperativos ou razão e felicidade em Kant, Dissertatio, Pelotas, v. 7, 1998, pp. 23-55.

(6) O Legado do Duisburg Nachlass de Imm. Kant, Analytica, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, 1999, pp. 65-119.

(7) Sobre conceitos práticos em Kant, Dissertatio, Pelotas, v. 10, 1999, pp. 127-141.

(8) O paradoxo do mal moral em Kant, Dissertatio, Pelotas, v. 9, 1999, pp. 53-70.

(9) Crítica e conceito. Modernos e contemporâneos, Campinas, v. 1, 2000, pp. 7-60.

(10) Urteil und Sein de Friedrich Hölderlin, Dissertatio, Pelotas, v. 13-14, 2001, pp. 27-54.

(11) Simbolização na filosofia crítica kantiana. Kant e-Prints, Campinas, v. 1, n. 1, 2002.

(12) O mais antigo programa de sistema do idealismo alemão, Veritas, Porto Alegre, v. 48, 2003, pp. 211-237.

(13) O jovem Kant e a ciência moderna. Dissertatio (UFPel), Pelotas, v. 21, p. 89-118, 2005.

(14) Liberdade e Natureza em Kant e Schiller. In: Maria Borges; José Heck. (Org.). Kant: Liberdade e Natureza. Florianópolis: Editora da UFSC, v. , p. -. 2005.

(15) O lugar sistemático do conceito de liberdade na filosofia crítica kantiana. Kant e-Prints (Online), Campinas, v. 1, n. 1, p. 31-56, 2006.

(16) A moral como problema em Kant. Dissertatio (UFPel), v. 26, p. 129-136, 2007.

(17) A interpretação de narrativas religiosas e sua relação com a semântica de conceitos da razão prática pura. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 17-26, 2007.

(18) O pensamento analógico na filosofia transcendental de Kant. Kant e-Prints (Online), v. 3, p. 1-13, 2008.

(19) Sobre a moralidade do direito em Kant. Ethic@ (UFSC), v. 8, p. 63-83, 2009.

(20) Kant e a hermenêutica moderna. Kriterion (UFMG. Impresso), v. 52, p. 275-292, 2010.

(21) Conceito e significado: Sobre a leitura semântica da filosofia transcendental de Kant. In: REIS, Robson; FAGGION, Andréa. (Org.). Um filósofo e a multiplicidade de dizeres: homenagem aos 70 anos de vida e 40 de Brasil de Zeljko Loparic. Campinas: CLE/UNICAMP, 2010, v. 57, p. 179-190.

BECKERT, Cristina

(1) Mal radical e má fé, (c.9), 1994, pp. 35-48.

(2) A interpretação schilleriana de Kant, (c.10), 1996, pp. 125-136.

(3) A dinâmica do interesse em Kant e Fichte, (c.14), 2000, pp. 177-190.

BELFORT, Claudia

(1) O estudo da natureza do homem em Kant a partir do caso do estrangeiro e o conceito de hospitalidade. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 127-142, 2007.

BELO, Fernando

(1) Kant e Aristóteles: filosofias vizinhas em civilizações contrastadas (c.14), 2000, pp. 99-110.

BENTES, André Luiz

(1) A tragédia grega e seus impulsos constituintes. Alter (Rio de Janeiro), v. 9, p. 4, 2008.

(2) Considerações sobre a Estética Transcendental: Sensibilidade, intuição, entendimento e conceito. Alter (Rio de Janeiro), v. 10, p. 14, 2008.

BERNARDO, Fernando

(1) Derrida e Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v. 61, n. 3 e 4, p. 951-1005, 2005.

BICCA, Luiz E. de O.

(1) A unidade entre ética, política e história na filosofia prática de Kant (1ª parte), Filosofia e Política, Porto Alegre, n. 4, 1987.

BLANC, Mafalda

(1) Kant e Heidegger: análise da retomação de um problema em filosofia, (c.1), 1982, pp. 41-62.

BOCCA, Francisco Verardi

(1) Civilização, Finalidade com Exaustão. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 89-117, 2010.

(2) Kant e Freud como subsídio para pensar as possibilidades de construção social. Reflexão (Campinas), PUC-CAMPINAS, v. 30, n. 88, p. 87-94, 2005.

BONACCINI, Juan Adolfo

(1) Observações preliminares sobre o conceito de dialética em Kant e Hegel, Anais da VII Semana Internacional de Filosofia, Rio de Janeiro, v. 1, 1993, pp. 97-1001.

(2) Del motivo último y rector de la Crítica de la razón pura, Anais da VII Semana Internacional de Filosofia, Rio de Janeiro, v. 1, 1993, pp. 148-155. 

(3) Peculiaridade e dificuldade do conceito de idealismo transcendental em Kant, Princípios, v. 2, nº. 3, 1995, pp. 92-105.

(4) Breve ensaio acerca do princípio do filosofar, Trama, Rio de Janeiro, n. 4, 1995, pp. 71-80.

(5) Acerca da segunda versão dos paralogismos da razão pura,Vivência, Natal, v. 9, n. 2, 1995, pp. 153-62.

(6) Acerca da segunda versão dos paralogismos da razão pura,Anais de filosofia, FUNREI, São João Del Rei, n. 3, 1996, pp. 59-66.

(7) Del motivo último y rector de la Crítica de la razón pura, Estudios de Filosofia (Universidad de Antioquía, Medellín, Colombia), n. 14, 1996, pp. 129-136.

(8) Acerca do paradoxo da filosofia moral, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 23, n. 73, 1996, pp. 253-263.

(9) Acerca do conceito de fenômeno na Crítica da razão pura, Princípios, Natal, v. 4, n. 5, 1997, pp. 159-186.

(10) Sobre o tempo, Princípios, v. 5, n. 6, 1998, pp. 123-138.

(11) Concerning the relationship between non-spatiotemporality and unknowability of things in themselves in Kant's Critique of pure reason. The Paideia Project on Line: Proccedidngs of the XXth World Congress of Philosophy, 1998-9 (http://www.bu.edu/wxp/Papers/Mode/ModeBona.htm).

(12) A short account of the problem of apriority of space and time, Akten des IX. Internationalen Kant-Kongresses, Walter de Gruyter, Berlin, Band II, Sektion II, 2000, pp. 129-135.

(13) Breve consideração sobre a problema da tese da aprioridade do espaço e do tempo, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 2000, pp. 7-17.

(14) Acerca del contexto de la polémica en torno a la cosa em si en los inícios del idealismo alemán, Cuadernos de História de la Filosofia, UNAN, México, n. 4, 2001, pp. 22-31.

(15) Kant e o problema do mundo externo. Manuscrito (UNICAMP), Campinas, S.P., v. XXV, n. 1, p. 07-68, 2002.

(16) Bibliografia kantiana em português. Metacrítica, Lisboa, Portugal, v. 2, n. 3, p. 1-39, 2003.

(17) A aetas kantiana e o problema de Jacobi. O Que nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, n. 19, p. 29-60, 2006.

(18) Existe um conceito incompatibilista de liberdade compatível com o compatibilismo na filosofia de Kant? In: MONTENEGRO, M. A. P.; PINHEIRO, C. V. Q.; AZEVEDO JUNIOR, I. L. (Org.). Natureza e Linguagem na Filosofia. FORTALEZA: EDIÇÕES UFC, 2008, v. 1, p. 257-270.

(19) Analogia e imputabilidade na filosofia prática de Kant. Revista Latinoamericana de Filosofia, v. XXXIV, p. 207-257, 2008.

(20) Kant e o problema da analogia na avaliação das ações humanas. In: Alexandre Travessoni Gomes. (Org.). Kant e o Direito. Belo Horizonte: Mandamentos, v. 1, p. 87-145, 2009.

(21) Antropologia: ciência da natureza humana. In: Leonel Ribeiro dos Santos, Gregorio Piaia, Ubirajara Rancan de Azevedo Marques et al. (Org.). Que é o Homem?/Was ist der Mensch? Antropologia, Estética e Teleologia em Kant. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2010, v. 1, p. 273-287.

(22) ANTROPOLOGIA, CIÊNCIA DA NATUREZA HUMANA POR ANALOGIA. Kant e-Prints (Online), v. 5/3, p. 145-161, 2010.

BORGES, Anselmo

(1) Deus na Crítica da razão pura, Humanística e Teologia, Porto, II, 1981, pp. 249-2725.

(2) Kant e a questão de Deus, Humanística e Teologia, Porto, IV, 1983, pp. 281-319.

BORGES, Bento I.

(1) Os sentidos da Crítica, Educação e Filosofia, Uberlândia, 2, 1987, pp. 61-79.

BORGES, Maria de Lourdes Alves

(1) Le devoir d'amour dans une philosophie de la raison pratique?, In: Droit et Vertu chez Kant. Actes du IIIe Congress de la Societé Internationale d'Études Kantiennes de Langue Française. Athénes, 1997, pp. 177-181.

(2) Hegel and Kant on the ontological argument, The Paideia Project on Line: proccedidngs of the XXth world congress of philosophy, 1998-9 (http://www.bu.edu/wxp/Papers/Mode/ModeBona.htm).

(3) Uma tipologia do amor na filosofia kantiana, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 2000, pp, 19-34.

(4) Une métaphysique des vertus est-elle possible?, in: La metaphysique, son histoire, sa critique, ses enjeux, Langlois, L., Narbonne, M. (org.), Vrin, Paris, 2000.

(5) Sympaty in Kant's moral theory, Akten des IX internationalen Kant-Kongresses, Walter de Gruyter, Berlin, 2000, v. III, pp. 152-158.

(6) Imperativo categórico: modo de usar, in: (c.16), 2001, pp. 29-42.

(7) O modelo das emoções em Kant, in: Simpósio Internacional Principia, 2000, Florianópolis, Linguagem e Filosofia: Anais do segundo simpósio internacional Principia, Florianópolis, 2001, v. 1, pp. 313-323.

(8) O belo como símbolo do bom ou a estetização da moralidade, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, 2001.

(9) Kant on sympaty and moral incentives, Ethic, n. 2, 2002, pp. 183-199.

(10) Felicidade e beneficiência em Kant, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, n. 97, 2003

(11) Psicologia empírica, antropologia e metafísica dos costumes, Kant e-Prints, Campinas, 2003.

(12) Resenha de Kant's impure ethics de Robert Louden, Kant e-Prints, Campinas, 2003.

(13) What can Kant teach us about emotions? The Journal of Philosophy, USA, v. 4 n. 3, 2004, pp. 140-158.

(14) O controle das emoções em Kant. In: Borges, Maria; Heck, José. (Org.). Kant: liberdade e natureza. 1 ed. Florianopolis: Editora da UFSC, 2005, v. 1, p. 199-214.

(15) Kant, Derrida e a Idéia de Universidade. In: Rampinelli, W.J., Alvim, V.; Rodrigues, G.. (Org.). Universidade: a democracia ameaça. 1 ed. São Paulo- SP: Xamã, 2005, v. 1, p. 161-170.

BORGES-DUARTE, Irene

(1) Heidegger, Jonas e Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v. 61, n. 3 e 4, p. 841-862, 2005.

BOSATZKI, Maurício Fernando

(1) A possibilidade de uma ética wittgeinsteiniana a partir do discurso kantiano. V. 1, n.1, 2008

BRANDÃO, Y.

(1) A coisa em si em Kant e as suas atuais ressonâncias, Revista Brasileira de Filosofia, Rio de Janeiro, XXXIII, 1983, pp. 37-50.

BRAZ, Adelino

(1) O conceito de cidadania em Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v.61, n.2, p. 397-414, 2005.

(2) O direito frente ao mal radical: a hipérbole kantiana do povo de demônios. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 13, p. 29-42, 2009.

BRESOLIN, Kleberson

(1) Kant e Hegel: uma discussão sobre o formalismo. Intuitio, v. 1, p. 150-170, 2008.

(2) Aufkärung: dever moral e condição do aprimoramento estatal: resumo da dissertação. Intuitio, v. 1, p. 135-137, 2008.

(3) Kant e a religião nos limites da razão: um breve ensaio. Cultura e Fé (Porto Alegre), v. 124, p. 83-92, 2009.

BRESSAN, Loidemar Luiz

(1) A crítica kantiana ao Idealismo Material. THAUMAZEIN: Revista on-line do Curso de Filosofia, v. 1, p. 1-15, 2007.

(2) A relação entre existência interna e existência externa em Kant. In: Márcio Cênci. (Org.). Filosofia e Interfaces. 1 ed. Santa Maria: Centro Universitário Franciscano, 2010, v. 1, p. 123-142.

BRITO, Adriano Neves de

(1) Referência e regra na analítica dos princípios: leitura para a abordagem da semântica em Kant, Ciências Humanas em Revista, Goiânia, v. 4, n. 1/ 2, 1993, pp. 1-12.

(2) Dedução dos juízos estéticos em Kant, Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 6, n. 18, 1996, pp. 63-72.

(3) Kant e Freud, Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 8, n. 3, 1998, pp. 657-672.

(4) Hume ou Kant? Revista de Filosofia Philósophos, Goiânia, v. 7, n. 2, 2002, pp. 245-253.

(5) Kant e o conceito de fé racional. O Que nos Faz Pensar, v. 19, p. 61-76, 2005.

(6) Objeto e referência em Kant. Theophilos, Canoas - RS, v. 3, n. 1/2, p. 109-124, 2005.

(7) Kant entre os sentimentos, a razão e a barbárie. Cadernos IHU em Formação (UNISINOS), São Leopoldo, v. 1, n. 1, p. 25-27, 2005.

(8) Kant e a orientação no pensamento. In: Maria de Lourdes Borges e José Heck. (Org.). Kant - liberdade e natureza. Florianópolis: Editora da UFSC, 2005, v. , p. 249-262.

(9) Juízos reflexivos telológicos e sua relação com o sentimento de prazer e desprazer. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 30(1), p. , 2007.

(10) Hume e o universalismo na moral: por uma alternativa não kantiana. Ethic@ (UFSC), v. 7, p. 123-136, 2008.

(11) Reflexão, juízo e princípio regulativo. In: Clélia Aparecida Martins, Ubirajara Rancan de Azevedo Marques. (Org.). Kant e o kantismo. 1 ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2009, v. 1, p. 18-32.

BRITO, Antônio José de

(1) Defender Kant contra Hegel, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 15-16, 1998-1999, pp. 23-40.

(2) Breves observações críticas à Crítica da razão prática, Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, t. XLIV/ 4, 1988, pp. 527-551.

(3) Arthur Schopenhauer e Kant, Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, t. XLIV/ 4, 1988, pp. 553-558.

BUENO, Vera Cristina Gonçalves de Andrade

(1) Três formulações Heideggerianas sobre a Crítica da razão pura, O Que Nos Faz Pensar, 1989, pp. 81-92.

(2) Alguns pontos sobre o debate entre a fundamentação kantiana e a frankfurtiana da moralidade, in: Anais do V Encontro Nacional de Filosofia, Diamantina, 1992, pp. 272-278.

(3) Kant e a metafísica: uma longa história contada em dois ou três episódios, in: Verdade, Conhecimento e Ação. Ensaio em Homenagem a Guido Antônio de Almeida e Raul Ferreira Landim filho. Edgar Marques, Ethel Rocha, (org.), Loyola, São Paulo, 1999, pp. 67-79.

(4) Por que a reflexão transcendental é um dever? Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 2, 2000, pp. 35-52.

(5) Kant, Aristóteles e a ciência do ser enquanto ser, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 5, 2004, pp. 27-46.

CABRERA, Júlio

(1) A leitura schopenhauereana da segunda Crítica, Filosofia e Política, Porto Alegre, n. 4, 1987.

(2) Para uma defesa nietzchiana da ética de Kant (á procura do super-homem moral), Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 6, 1999, pp. 31-62.

CADETE, Teresa R.

(1) Religião, âncora do bem-estar? O desafio kantiano em Friedrich Schiller, (c.9), 1994, pp. 229-240.

(2) Jogos de guerra ou a pomba e a serpente: reflexão em torno das batalhas civilizacionais da modernidade, (c.10), 1996, pp. 171-180.

CAIEIRO, Francisco da Gama

(1) Nota acerca da recepção de Kant no pensamento filosófico português, in: AA.VV., Dinâmica do Pensar: Homenagem a Oswaldo Market, Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1991, pp. 59-89.

CAIMI, Mário

(1) A função dos juízos infinitos, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. n. 1. 1998.

CALÁBRIA, Olavo Pimenta

(1) A distinção kantiana entre aparecimento e fenômeno. Kant e-Prints (Online), v. 1, p. 119-126, 2006.

(2) Pela tradução mais literal que liberal e invariabilidade dos termos técnicos em Kant. In: Alessandro Pinzani; Valério Rohden. (Org.). Crítica da razão tradutora. Florianópolis: NEFIPO, 2009, v. , p. 123-140.

CAMPOS, Maria José

(1) Beleza e verdade, (c.12), 1998, pp. 202-212.

CAMPOS, Ronaldo

(1) Arte, forma e natureza - o conceito de natureza como analogonda arte, (c.12), 1998, pp. 101-108.

CANDIOTTO, Cesar

(1) Foucault, Kant e o lugar simbólico da "Crítica da Razão Pura" em "As palavras e as coisas". Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 185-200, 2009.

(2) Ética e dever moral em Kant. Ética: abordagens e perspectivas. 1 ed. Curitiba: Champagnat, 2010, v. 1, p. 71-86.

CAPITANI, Renato

(1) A disposição originária do homem para o bem: uma leitura semântica no contexto d'A religião nos limites da simples razão em Kant. Intuitio, v. 1, p. 4-18, 2008.

CARRILHO, Manuel Maria

(1) Razão e aprendizagem em Kant. Filosofia e Epistemologia, Lisboa, 3, 1981, pp. 177-196.

CARVALHO, Antônio Pinto de

(1) Falsos caminhos para Deus. Kant, Ritschl, Brotéria, Lisboa, XXIII, 1936, pp. 99-108.

(2) A metafísica de Kant, Brotéria, Lisboa, XXVII, 1938, pp. 368-377.

(3) A teologia racional de Kant Brotéria, Lisboa, XXVII e XXVIII, 1938, pp. 481-492 e 505-511.

(4) A religião na filosofia de Kant, Brotéria, Lisboa, XXIX, 1939, pp. 281-288.

CARVALHO, Jairo Dias

(1) A faculdade de julgar estética em Kant, (c.12), 1998, pp. 120-137.

(2) A Fundação da Estética como Dimensão da mente humana em Kant. Revista de Filosofia: Aurora (PUCPR. Impresso), v. 18, p. 11-25, 2005.

(3) O Substrato Supra-Sensível da Humanidade em Kant. Philósophos (UFG) (Cessou em 2000. Cont. ISSN 1982-2928 Revista Philósophos), Goiânia, v. 10, n. 1, p. 45-64, 2005.

(4) O Problema da ÜBERGANG nas duas Introduções da CRÍTICA DA FACULDADE DO JUÍZO de KANT. Crítica (UEL), v. 12, p. 147-166, 2007.

(5) Da Crítica do gosto à Crítica da Faculdade de Julgar: Um estudo sobre a terceira crítica de Kant. Crítica (UEL), v. 13, p. 35-55, 2008.

(6) Comunicabilidade e Juízo Estético em Kant. Trilhas Filosóficas (Impresso), v. 2, p. 2, 2009.

(7) O OBJETO EM GERAL E O CONHECIMENTO EM GERAL EM KANT: O juízo estético e o juízo de conhecimento. Prometeus (São Cristovão), v. 3, p. 1-19, 2010.

(8) A conformidade a fins como princípio transcendental da faculdade de julgar refelexiva em Kant. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 66-80, 2011.

CARVALHO, U. Calmon

(1) O argumento ontológico em Kant e a 1ª via da demonstração de Deus em S. Tomás de Aquino, Revista Brasileira de filosofia, Rio de Janeiro, XXXIII, 1983, pp. 22-42.

CASANAVE, Abel Lassale

(1) Conhecimento simbólico na Investigação de 1764. Analytica (UFRJ), v. 11, n.1, 2007.

CATILHO VEGAS, J. L

(1) Sobre el concepto de liberdad em Immanuel Kant, Crítica, Paraná, v. 3, n. 13, 1998.

CEBOLEIRO, Maria João P.

(1) Natureza em Kant. Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIX/ 4, 1993, pp. 587-599.

CECCHINATO, Giorgia

(1) A dimensão universal e intersubjetiva da felicidade em Kant. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 78-81, 2009.

CENCI, Márcio Paulo

(1) O PRAZER E DESEJO NA ANTROPOLOGIA KANTIANA. Dissertatio (UFPel), v. 22, p. 203-214, 2005.

(2) Uma apresentação dos conceitos de arbítrio e vontade em Kant. Thaumazein (Santa Maria). v. 3, p. , 2008.

CHAGAS, Flávia de Carvalho

(1) Kant, Leitor de Hume: sobre o sentimento moral.  Dissertatio (UFPel), v. 15, p. 87-100, 2003.

(2) O problema da motivação moral em Kant. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 1-15, 2007.

(3) Kant e Henrich: sobre a. Intuitio, v. 1, p. 119/2-136, 2008.

(4) Beck, Guido de Almeida e Loparic: sobre o fato da razão. Veritas (Porto Alegre), v. 55, p. 186-201, 2010.

(5) A solução crítica do fato da razão na KpV. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. , n. 10, p. 51-72, 2010.

CHAVES, Noêmia de Sousa

(1) Santo Agostinho e Kant: Um encontro de pensamentos na categoria da autonomia. Ágora Filosófica (UNICAP. Impresso), v. 1, p. 43-61, 2007.

(2) O conceito de pessoa na antropologia kantiana: uma abordagem prática e pragmática. Revista Polymatheia, v. V, p. 137-154, 2009.

(3) Pontos comuns entre a antropologia pragmática e a antropologia moral kantiana. Intuitio (Porto Alegre), v. 02, p. 138-144, 2009.

(4) Contribuições do pragmatismo kantiano para uma educação bioética. Revista Saberes, v. 2, p. 53-63, 2010.

CHITAS, Eduardo

(1) Kant e o problema da paz, (c.1) 1982, pp. 179-195.

CIDADE, Hernâni

(1) O homem cartesiano e o homem kantiano, Cale, Porto, I, 1966, pp. 51-58.

CITRO, Danilo

(1) Kant e o Gênio na Fillosofia. Kinesis, v. 1, p. 13-21, 2009.

(2) Gênio e o sistema de faculdades na crítica do juízo. Guairacá, v. 26, p. 18-26, 2010.

(3) Introdução à Crítica da Faculdade do Juízo e o abismo na filosofia. Ensaios Filosóficos, v. 3, p. 43-53, 2011.

(4) Gênio e Natureza na Crítica do Juízo. Revista Argumentos, v. 3, p. 155-163, 2011.

CLEMENTE, Isabel

(1) A intuição (intelectual) de Kant e Fichte, (c.1), 1982, pp. 119-131.

CODATO, Luciano Nervo

(1) Extensão e forma lógica na Crítica da Razão PuraDiscurso, São Paulo, v. 34, 2004, pp. 145-202.

(2) Lógica formal e transcendental: Kant e a questão das relações entre intuição e conceito no juízo. Analytica (UFRJ), v. 10, p. 125-145, 2006.

(3) Kant e o fim da ontologia. Analytica (UFRJ), v. 13, p. 39-64, 2009.

(4) Descartes em Kant. Discurso - Departamento de Filosofia da FFLCH DA USP, v. 39, p. 195-222, 2009. 

COHEN-HALIMI, Michèle

(1) L'amphibologie des concepts de la réflexion: appendice ou pièce maîtresse de laCritique de la raison pure? Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 23, 2002, pp. 149-160.

COIMBRA, Leonardo

(1) A crítica do sublime em Kant, A Águia, Lisboa, VI, 1914, pp. 19-24.

CONCEIÇÃO, Jorge Vanderlei da Costa

(1) Resenha: Perez, Daniel Omar (org.). Kant no Brasil. São Paulo: Editora Escuta, 2005. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 117-125, 2007.

(2) Resenha do livro: KRASSUSKI, Jair Antônio. Crítica da religião e sistema em Kant: um modelo de reconstrução racional do Cristianismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. Revista de Filosofia (PUCPR), v.19, p. 211-214, 2007.

(3) Kant e a Biologia: A brincadeira do insondável e do indesmentível.. Tabulae (Faculdade Vicentina), v. V, p. 83-103, 2010.

CORDEIRO, Renato Valois

(1) O Conceito Kantiano de Motivação Moral no 'Cânon da Razão Pura'. Ítaca (Rio de Janeiro), v. 1, p. 150-165, 1999.

(2) A Concepção Kantiana de Motivação Moral na Fundamentação da Metafisica dos Costumes. Ethica (Rio de Janeiro), v. 8, p. 33-56, 2001.

(3) O Conceito de Boa Vontade e o Rigorismo na Fundamentação de Kant. Ítaca (Rio de Janeiro), v. 3, p. 217-232, 2002.

 (4) A antinomia do juízo teleológico e o princípio da causalidade natural, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, n. 5, 2003, pp. 129-146.

(5) Mecanismo e Teleologia no Contexto das Antinomias de Kant. O Que nos Faz Pensar (PUCRJ), v. 19, p. 153-179, 2005.

(6) O conceito kantiano de máxima e a solução da antinomia da faculdade de julgar teleológica na terceira Crítica. Kalagatos (UECE), v. 4, p. 143-171, 2007.

(7) O conceito kantiano de máxima e a solução da antinomia da faculdade de julgar teleológica na terceira Crítica. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 30, p. 135-149, 2007.

(8) O Conceito Kantiano de Máxima e a Solução da Antinomia da Faculdade de Julgar Teleológica. Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP), v. 10, p. 19-37, 2007.

(9) A insuficiência da teoria da afinidade transcendental relativamente ao problema da sistematização empírica do conhecimento. O Que nos Faz Pensar (PUCRJ), v. 25, p. 175-192, 2009.

(10) A Antinomia da Faculdade de Julgar Teleológica. Analytica (UFRJ), v. 14, p. 139-171, 2011.

COROA, Pedro Paulo da Costa

(1) Hermenêutica kantiana, Humanitas, Belém, v. 17, ns. 1/ 2, 2001, pp. 31-44.

CORREIA, Adriano

(1) Kant e o mal radical. Phronesis (PUCCAMP), Campinas-SP, v. 6, n. 1, p. 41-56, 2004.

(2) O conceito de mal radical. Trans/Form/Ação, v. 28, p. 83-94, 2005.

CORREIA, Carlos João

(1) O mal radical e a visão mítica do mundo, (c.9), 1994, pp. 49-64.

CORTES, Rafael da Silva

(1) A interpretação do Sumo Bem kantiano por Frederick C. Beiser. Intuitio - Revista eletrônica dos discentes do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUCRS, v. 2, p. 16-23, 2009.

COSSETIN, Vânia Fischer

(1) Do Absoluto ao Indizível: a crítica de Hegel à Coisa-em-si kantiana. Humanidades em Revista, v. 9, p. 51-71, 2009.

(2) Do alto da razão hegeliana um olhar sobre os limites do saber e da linguagem em Kant. Perspectiva Filosófica (UFPE). v. III, n.32-33. 2009-2010.

COSTA, Maria Letícia de Paula.

(1) Tomás de Aquino e Kant: fontes inspiradoras da subjetividade e objetividade na ética contemporânea. Revista Ágora Filosófica, v. 1, n.1, 2007. 

COSTESKI, Evanildo

(1) A questão do sentido em Kant segundo Eric Weil. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 32, p. 91-99, 2009.

CRAIA, Eladio Constantino Pablo

(1) Entre a ontologia e o transcendental: Deleuze, uma apropriação de Kant. Kant e-Prints (Online), v. 04, p. 307-321, 2009.

CREDER, Fábio

(1) Kant e Qohelet: teodicéia e niilismo. Analógos (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. VIII, p. 120-131, 2007. 

CRUZ, José Humberto de Brito

(1) Os “limites da mera razão” autonomia e juízo individual na concepção kantiana das relações entre moral e religião. Discurso - Departamento de Filosofia da FFLCH DA USP, v. 34, p. 33-86, 2004.

CULINI, Beatriz

(1) Kant e a possibilidade da educação, Leopoldianum, Santos, V, 1978, pp. 29-44.

CUNHA, João Geraldo Martins

(1) Os deslocamentos operados pela crítica de Hegel aos postulados da filosofia moral de Kant. Existência e Arte, v. 5, p. 14, 2010.

CUNHA JÚNIOR, Adenílson Souza

(1) Immanuel Kant: Educação, Moral e Esclarecimento (Aufklarüng). Revista Pesquisa em Foco em Educação e Filosofia, v. 04, p. 01-07, 2011.

CUSTER, Olivia

(1) O reconhecimento constitutivo: operação de inteligibilidade? Notas sobre o esquematismo kantiano, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do conhecimento, Lisboa, 20, 1998, pp. 91-112.

DALBOSCO, Cláudio Almir

(1) "Círculo vicioso" e idealismo transcendental na Grundlegung. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6/7, p. 207-235, 2008.

(2) Subjetividade e intersubjetividade a partir de Kant e considerando Fichte e Hegel. IJUI - RS: UNIJUI, 2009. (Tradução/Artigo).

(3) Educação e maioridade em Kant e Adorno. IJUI: UNIJUI, 2009. (Tradução/Artigo).

(4) Foucault-Kant e a questão da Aufklärung como minoridade pedagógica. ETD: Educação Temática Digital, v. 12, p. 202-223, 2010.

DALL’AGNOL, Darlei

(1) Problemas da filosofia kantiana, Chronos, Caxias do Sul, v. 23, n. 2, 1989, pp. 192-201.

(2) Poderia Hare ter sido um kantiano? Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, 2003, pp. 105-127.

(3) Proposições fulcrais: as observações de Wittgenstein sobre seguir regras e a semântica transcendental. Kant e-Prints, Campinas, v. 4, p. 1-17, 2006.

DE BLASI, Luigi. Kant

(1) Heidegger e o problema da metafísica. Philosophica (São Cristovão), v. 6, p., 2005.

DEJEANNE, Solange de Moraes 

(1) Kant, a fundamentação transcendnetal da ética e o facto da razão. Vidya (Santa Maria), Santa Maria/RS, 1998.

(2) O "limite extremo de toda filosofia prática" e a defesa da liberdade. In: Selvino Malfatti. (Org.). Dimensões do agir humano. Curitiba: CRV, 2009, v. , p. 15-42.

(3) Sobre a interpretação semântica do facto da razão. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 60-77, 2009.

(4) A questão da existência de Deus na Filosofia Crítica kantiana. Revista Litterarius (Santa Maria), v. 9, p. 09-28, 2010.

(5) A fundamentacão da moral em Kant. In: RitaGoncalves; Maria Alice Coelho Ribas;Marcio Paulo Cenci. (Org.). Filosofia e Interfaces. Santa Maria: Centro Universitário Franciscano, 2010, v. , p. 141-157.

DIAS, Carvalho, J.

(1) A faculdade de julgar estética em Kant, (c.12), 1998, pp. 120-137.

DIAS, Manuel Peixe

(1) Cassirer/Heidegger. O encontro de Davos ou o debate sobre Kant e a modernidade, Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa, 10, 1997, pp. 121-144.

DIAS, M. C.

(1) Os argumentos transcendentais, O Que Nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, n. 2, 1990, pp. 32-41.

DINIS, Alfredo

(1) A religião nos limites da simples razão, Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, t. XLIX/ 4, 1993, pp. 497-509.

(2) Kant: objectividade e causalidade na segunda analogia da experiência, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIX/4, 1993, pp. 627-634.

DÖRFLINGER, Bernd

(1) A relação entre Estado e religião no pensamento de Kant. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 8, 2009.

DRUCKER, C.

(1) Significado e certeza em Kant, O Que nos Faz Pensar, n. 2, 1990, pp. 17-31

DUARTE, Pedro

(1) Reconduzir Nietzsche a Kant? Sobre o desinteresse. Morpheus, v. 06, p. 18-30, 2005.

(2) O que ficou perdido entre Kant e Hegel?. Alter (Rio de Janeiro), v. 13, p. 7, 2009.

(3) Românticos, os seres anfíbios: entre a crítica de Kant e a síntese de Hegel. Princípios (UFRN. Impresso), v. 1, p. 4, 2010.

DUARTE, Rodrigo

(1) Sobre o feio e o repulsivo de Kant a Schopenhauer, (c.12), 1998, pp. 213-228.

(2) O esquematismo kantiano e a crítica à indústria cultural, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, 2003, pp. 85-105

DUQUE, Félix Pajuelo

(1) Kant: a expressão do mundo como terapia do espírito, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do conhecimento, Lisboa, 8, 1987 pp. 45-66.

DURÃO, Aylton Barbieri 

(1) A Síntese da Apreensão em Kant. Boletim. Centro de Letras e Ciências Humanas (UEL), Londrina: EDUEL, v. 25, p. 33-52, 1993.

(2) Kant e o suposto direito de mentir por filantropia, Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa, 12, 1998, pp. 97-128.

 (3) La crítica de Kant a la razón de Estado, Crítica, UEL, Paraná, v. 3, n.13, 1998.

(4) O conceito de opinião pública em Kant. Revista Cultural Fonte, Londrina, v. 2, p. 55-60, 1999.

(5) Comentários à Sobre um Suposto Direito por Filantropia de Kant. In: Angelo Cenci. (Org.). Temas Sobre Kant. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000, v. , p. 125-165.

(6) A Tensão entre Política e Direito do Conceito de Auto-Legislação de Kant e Habermas. In: Maria Cristina Müller; Elve Miguel Cenci. (Org.). Ética, Política e Linguagem: Confluências. Londrina: Edições Cefil, 2004, v. , p. 244-259.

(7) A Fundamentação Kantiana do Estado de Direito. Philosophica (Lisboa), Lisboa, v. 24, p. 5-20, 2004.

(8) Sobre a imputabilidade das ações segundo Kant. In: MARTINS, C. A.; MARQUES, U. R. A. (Org.). (Org.). Kant e o kantismo: heranças interpretativas. São Paulo: Brasiliense, 2009, v. , p. 181-195.

(9) O direito real de Kant. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 33, p. 77-94, 2010.

DURÃO, Fabio Akcelrud

(1) Uma iniciativa a ser emulada, (c.17), 2004.

DUTRA, Elias Sergio

(1) O problema da aparência empírica e a produção do erro em Kant. Ítaca (UFRJ), v. 13, p. 66-75, 2009.

ERICKSON, Glenn W. 

(1) Antinomias kantianas, Temas de História da Filosofia, III/1, 1996.

(2)Resenha de Kant e o problema da coisa em si no Idealismo Alemão, por Jean Adolfo Bonaccini. Princípios (UFRN. Impresso), v. 12, p. 224-225, 2005.

ESTEVES, Anderson Alves

(1) Liberdade e Esclarecimento: da esperança kantiana à aporia segundo Horkheimer e Adorno. Intuitio, v. 2, p. 30-55, 2009.

ESTEVES, Júlio César Ramos

(1) O parágrafo 16 da dedução transcendental da C.R.P., ITHACA.Cadernos de Pós-Graduação, IFCS, UFRJ, Rio de Janeiro, 1995, pp. 90-94.

(2) A dedução transcendental no § 16 da Crítica da razão pura, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 23, n. 22, 1996, pp. 13-36.

(3) Kant tinha de compatibilizar tese e antítese da terceira antinomia da Crítica da razão pura?, Analytica, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 1997, pp. 123-173.

(4) A refutação kantiana do argumento ontológico, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 26, n. 85, 1999, pp. 249-258.

(5) Kant e o mal radical, Ethica Cadernos Acadêmicos, Editora Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, 1999, pp. 34-50.

(6) Kant tinha de compatibilizar natureza e liberdade no interior da filosofia crítica?, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 2000, pp. 53-70.

(7) A racionalização da natureza e a naturalização da razão na Crítica da faculdade de julgar, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, 2001, pp. 91-124.

(8) Kants Widerlegung des ontologischen Beweises, Akten des IX. Internationalen Kant-Kongresses, ed. Volker Gerhardt, Rolf-Peter Horstmann und Ralph Schumacher, Walter de Gruyter, Berlin, 2001, pp. 662-669.

(9) A Dedução do imperativo categórico na Fundamentação III,Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v, 5. n. 1, 2003, pp. 79-104.

(10) Musste Kant Thesis und Antithesis der dritten Antinomie der Kritik der reinen Vernunftvereinbaren?, Kant-Studien, Berlin, v. 95 Heft 2, Walter de Gruyter, 2004, pp. 146-170.

(11) Kant e a possibilidade de intuição intelectual para seres finitos. O Que nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, v. 19, p. 77-86, 2005.

(12) Sobre a inevitável Antinomia entre Liberdade e Natureza. In: Maria de Lourdes Borges e José Heck. (Org.). Kant: Liberdade e Natureza. Florianópolis: Editora da UFSC, 2005, v. , p. 165-180.

(13) Kant, Santos e Heróis. Síntese (Belo Horizonte), v. 35, p. 341-360, 2008.

(14) A teoria kantiana do respeito pela lei moral e da determinação da vontade. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 32, p. 75-89, 2009.

(15) A Liberdade no Cânon da Razão Pura: uma interpretação alternativa. Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 43-65, 2009.

(16) Kant, Chomsky e Rawls: sobre o Método de A Theory of Justice. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 66-92, 2010.

ESTRELA CANTO, Rafael

(1) Experiência interna e experiência externa na Crítica da Razão Pura. Ítaca (UFRJ), v. 12, p. 93-100, 2009.

(2) Porque não há intuições intelectuais no sistema kantiano. Ítaca (UFRJ), v. 15, p. 76-84, 2010.

FAGGION, Andrea Luisa Bucchile

(1) Comentários à dedução transcendental do princípio moral na Fundamentação da metafísica dos costumes, Kant e-Prints, Campinas, v. 1, n. 3, 2002.

(2) O Imperativo Categórico como Realização da Necessidade Lógica da Razão. Revista de filosofia, Curitiba/PR, v. 15, n. 17, p. 43-53, 2003.

(3) A dedução da possibilidade da posse jurídica na Doutrina do direito de Kant, Kant e-Prints, Campinas, v. 3, n 4, pp. 1-18, 2004.

(4) O imperativo do direito em relação à distinção entre Imperativos Hipotéticos e Categóricos. Poiesis, Montes Claros-MG, v. 5, n. 1, p. 15-25, 2006.

(5) Uma crítica semântica à interpretação de Allison para a validade objetiva na Crítica da razão pura. Kant e Prints, Campinas, v. 1, n. 2, 2006.

(6) Facto da Razão: uma doutrina Crítica?. Crítica (UEL), v. 12, p. 271-284, 2007.

(7) A Doutrina do Facto da Razão no Contexto da Filosofia Crítica Kantiana. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6/7, p. 236-263, 2008.

(8) O conceito de Objeto Transcendental na Dedução A: revolução ou queda pré-crítica?. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 31, p. 143-152, 2008.

(9) Dedução Transcendental das Categorias de Entendimento: um embate entre ceticismo e criticismo. Sképsis (Salvador. Online), v. 2, p. 119-138, 2008.

(10) A função do esquematismo transcendental na prova da realidade objetiva das categorias: uma abordagem do suposto problema do círculo. In: Martins, Clélia A.; Marques, Ubirajara R. A. (Org.). Kant e o kantismo: heranças interpretativas. Marília; São Paulo: Oficina Universitária; Humanitas, 2009, v. , p. 33-43.

(11) O Soberano Bem e a Possibilidade dos Fins Morais. O Que nos Faz Pensar (PUCRJ), v. 25, p. 141-155, 2009.

(12) "Eu julgo sobre muita coisa que não decido": o problema da objetividade dos juízos em Kant. Analytica (UFRJ), v. 13, p. 65-93, 2009.

(13) Objetividade, subjetividade e intersubjetividade em Kant. In: Cesar Augusto Battisti. (Org.). Às voltas com a questão do sujeito: posições e perspectivas. Ijuí/Cascavel: Unijuí/Edunioeste, 2010, v. 34, p. 165-178.

(14) Apontamentos sobre a necessidade de um princípio teleológico para o conhecimento humano da causalidade. In: Leonel Ribeiro dos Santos; Ubirajara Rancan de Azevedo Marques; Gregoio Piaia; Ricardo Pozzo. (Org.). Was ist der Mensch?/Que é o homem? - Antropologia, estética e teleologia em Kant. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2010, v. , p. 379-390.

FALABRETTI, Ericson Savio

(1) Kant e Merleau-Ponty: passagens sobre o espaço. Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 165-183, 2009.

FARHI NETO, Leon

(1) Homem-objeto: o lugar da Antropologia no pensamento de Kant. Kant e-Prints (Online), v. 1, p. 13-39, 2006.

FELLINI, Juliano

(1) O Construtivismo na Teoria Moral Kantiana. Ethic@ (UFSC), v. 8, p. 115-123, 2009.

(2) O Desenvolvimento Crítico da Vontade em Kant. Veritas (Porto Alegre), v. 53, p. 92-102, 2008.

(3) A Liberdade no Domínio da Razão em seu Uso Teórico. Dissertatio (UFPel), Pelotas - RS, v. 01, n. 15 - 16, p. 103-120, 2002.

(4) O Princípio da Moralidade em Kant. Diálogos (UNOESTE), Xanxerê - SC, v. 01, p. 67-79, 2002.

FERRACINE, Luis

(1) O formalismo apriorístico de E. Kant, Convivium, Petrópolis, 3, 1981, pp. 184-202.

FERRAZ, Carlos Adriano 

(1) O conceito de liberdade na Crítica da faculdade de juízo, Dissertatio, Pelotas, n. 6, 1997, pp. 159-170.

(2) Aspectos antropológicos da filosofia kantiana: Notas introdutórias concernentes ao dualismo do homem. Ou: Do homem enquanto Ser sensível dotado de razão. In: Paviani, Jayme. (Org.). Educação, ética e epistemologia - I Congresso Internacional: Filosofia, Educação e Cultura. Caxias do Sul: Editora da Universidade de Caxias do Sul - Educs, 2004, v. 1, p. 141-162.

(3) Da passagem de um juízo de percepção am um juízo de experiência: Considerações sobre a objetividade do conhecimento em Kant. Conjectura: filosofia e educação (UCB), v. 9, p. 73-92, 2005.

(4) Acerca do papel do Juízo Teleológico na realização do Sumo Bem Moral em Kant. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 88-117, 2009.

FERREIRA, Manuel J. do Carmo

(1) A crítica de Hegel à doutrina dos postulados de Kant, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XXXII/1, 1976, pp. 47-62.

(2) O socratismo de Kant (c.1), 1982, pp. 13-39.

 (3) Maimon, crítico de Kant, in: AA.VV., Dinâmica do Pensar: Homenagem a Oswaldo Market, Dep. de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1991, pp. 101-110.

(4) O prazer como expressão do absoluto em Kant. No 2ºCentenário da Crítica do Juízo, in: AA.VV., Pensar a Cultura Portuguesa: Homenagem a Francisco da Gama Caeiro, Departamento. de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa, 1993, pp. 391-402.

(5) O projeto de uma nova religião, (c.9), 1994, pp. 241-266.

(6) Kant: interesse é aquilo pelo qual a razão se torna prática, Arquipélago, Centro de Estudos Filosóficos? Univ. dos Açores, Ponta Delgada, 4, 1995, pp. 299-309.

(7) Actualidade da justiça: Rawls e Kant em convergência, Communio, Revista Internacional Católica, UCP, Lisboa, XVII/5, 2000, pp. 426-437.

(8) A intersubjetividade em Kant, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, XLIX,/ 4, pp. 571-585.

(9) Kant e a Constituição Européia. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v.61, n.2, p. 441-451, 2005.

FERRER, Diogo

(1) A Idéia de Sistema em Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v. 61, n. 3 e 4, p. 687-705, 2005.

FIGUEIREDO, Vinícius Berlindes de

(1) Associação das idéias em Kant, Insight, São Paulo, v. 6. 1991, pp. 22-23.

(2) Pressupostos da dedução transcendental (B), Discurso, São Paulo, n.19, 1992, pp. 123-134.

(3) O idealismo atento de Kant, Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 46, 1996, pp. 176-180.

(4) A natureza conivente: a importância transcendental do gosto para o conhecimento em Kant, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, 2001, pp. 161-193

(5) O dualismo da crítica. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 15, 2001, pp. 125-130.

(6) Le souci de la réalité dans la politique kantienne, Les Études Philosophiques, n.1, 2001, pp. 19-29.

(7) Mundo inteligível e analogia na moral de Kant, in: Modernidade e a Idéia da História, Edmilson Menezes, Marisa Donatelli (orgs.), Ilhéus, 2003, pp. v. 1, 106-125.

(8) A reconstrução da moral na Crítica da razão pura, Discurso, São Paulo, v. 34, 2004, pp. 87-108.

(9) Apresentação. In: Figueiredo, V. (Org.). Escritos pré-críticos. São Paulo: Edunesp, 2005, v. 1, p. 7-21.

(10) Jacobi versus Mendelssonh: um debate kantiano? O Que nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, v. 19, p. 87-108, 2005.

(11) Immanuel Kant. Crítica da razão prática. Edição bilíngue, de Valério Rohden. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6/7, p. 266-268, 2007 (Resenha).

(12) Kant e Goethe - uma aproximação. In: Marco Aurélio Werle; Pedro Fernandes Galé. (Org.). Arte e filosofia no idealismo alemão. São Paulo: Barcarolla, 2008, v. 1, p. 25-52.

(13) Reflexão e determinação práticas em Kant. Discurso - Departamento de Filosofia da FFLCH DA USP, v. 38, p. 119-144, 2008.

(14) Kant e a liberdade de pensar publicamente. In: Jairo Marçal. (Org.). Antologia de textos filosóficos. Curitiba: SEED, 2009, v. 1, p. 399-404.

(15) Esclarecimento e crítica em Kant. In: Altmann, S.; Wolf, E. (Org.). Lições de história da filosofia. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura: IEL, 2010, v. 1, p. 143-169.

(16) Opinião pública e desinteresse em Kant. In: Menezes, Edmilson; Oliveira, Everaldo de. (Org.). Modernidade filosófica: um projeto, múltiplos caminhos. São Cristovão: Editora UFS, 2010, v. 1, p. 231-264.

(17) Crítica e antropologia em Kant. In: Leonel R.  dos Santos; Ubirajara R. de A. Marques; Gregorio Piaia; M. Sgarbi; R. Pozzo. (Org.). Que é o Homem? Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2010, v. 1, p. 125-138.

(18) Ciência e finalidade no discurso kantiano. In: Eliane Maria de Lara. (Org.). Escola da Coisa Freudiana - Cadernos no 1. Curitiba: Juruá Editora, 2010, v. 1, p. 55-68.

FIGUEIREDO, Virgínia de Araújo

(1) Observações sobre a estética de Kant, (c.12), 1998, pp. 252-262.

(2) Duas ou três coisas que eu sei sobre a reflexão, in: Verdade, Conhecimento e Ação. Ensaios em homenagem a Guido A. de Almeida e Raul Ferreira Landim Filho. Marques, E. da Rocha, Menezes Rocha E. et al. (orgs.), Loyola, São Paulo, 1999, pp. 161-173.

(3) Le génie kantien ou l'otage de la nature, Akten des IX. internationalen Kant-Kongresses, Walter de Gruyter, Berlin, 2000, v. III, pp.

(4) Kant e a mimese, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, 2001, 195-230. 

(5) Os três aspectos de Kant, O Que Nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, v. 18, 2004, pp. 65-100.

(6) O gênio kantiano ou o refém da natureza, (c. 17), 2004.

(7) Kant e a Arte contemporânea. Especiaria (UESC), v. 11, p. 25-43, 2008.

(8) Kant: Liberdade da forma e Forma da liberdade. In: Rafael Haddock Lobo. (Org.). Os Filósofos e a Arte. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2010, v. , p. 59-78.

FONSECA, Fábio François Mendonça da

(1) Luz e sombras - Da determinação completa aos juízos infinitos. Analytica (UFRJ), v. 13, p. 5, 2009.

(2) O Princípio Universal do Direito na Metafísica dos Costumes de Immanuel Kant. Ítaca (Rio de Janeiro),v. 7, p. ,2007

FONTOURA, Cesar Tadeu

(1) Interpretação jurídica da história em Kant, Dissertatio, Pelotas, v. 15-16, 2002, pp. 121-140.

FÖRSTER, Eckard

(1) Strawson sobre o juízo estético em Kant. Analytica (UFRJ), v. 13, 2009.

FRACALOSSI, Ivanilde Aparecida Vieira Cardoso

(1) O homem como ser livre e social. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 63-72, 2007.

(2) O papel da linguagem na Gesellschaft kantiana. Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 285-296, 2009.

FRANGIOTTI, M. A.

(1) Considerações preliminares sobre os princípios transcendentais, Manuscrito, Campinas, v. 14, 1991, pp. 41-51.

(2) Aspectos metodológicos da filosofia especulativa kantiana, Reflexão, v. 57, 1993, p. 82-102.

(3) The ideality of time, Manuscrito, Campinas, v. 17, n. 2, 1994, pp. 135-148.

(4) Transcendental idealism and phenomenalism, Crítica, Revista Hispoamericana de Filosofia, Cidade do México, v. 26, n. 78, 1994, pp. 73-95.

(5) Refuting Kant's Refutation of Idealism, Idealistic Studies, Worcester, Massachsetts, v. 25, n.1, 1995, pp. 93-106.

(6) Skepticism, metaphysical realism and transcendental arguments, Dialogos, v. 66, 1995, pp. 88-99.

(7) The kantian ‘I think', the cartesian soul and the humean mind, in Internal Kant Congress, 8, Proceeding, Milwaukee, Usa, v. 2, pp. 207-215.

(8) Argumentos transcendentais e ceticismo, in: Nos Limites da Epistemologia Analítica, Dutra, L. H., (org.) Florianópolis, NEL/UFSC, 1999, pp. 81-101.

FREIRE, Sônia Barreto

(1) A possibilidade de uma história universal na perspectiva filosófica kantiana, Anotações de Aula, João Pessoa, v. 2, n. 1, 1992, pp. 25-31.

(2) Tempo e finitude em Kant e Heidegger, Philosophica, Aracaju, v. 1, 2000, pp. 9-31.

(3) Husserl e a significação do ego Cogito puro nas Meditações cartesianas. Anais do seminário de filosofia do séc. XVII, Sergipe, v. 01, n. 01, p. 33-39, 2000. 

(4) História, sentimento e dignidade em Kant, Philosophica, Aracaju, v. 2, 2001, pp. 165-167.

(5) A semântica do belo na Crítica da faculdade do juízo,Anais do Segundo Seminário de Pesquisa de Nephen, Aracaju, v. 1, 2001, pp. 25-38.

(6) Heidegger e a questão do ser como ofício dos filósofos. Philosophica, São Cristovão, v. 03, n. 01, pp. 77-95, 2002. 

(7) A determinação fundamental do tempo na teoria kantiana do juízo, Philosophica, Aracaju, v. 4, 2003, pp. 57-76

(8) Hemenêutica, Metafísica e Modernidade em Ser e Tempo. Anais do II Seminário de Filosofia do século XVII: Descartes e a Modernidade, p. 19-46, 2003. 

(9) Desconstrução e Semântica dos Existenciais. Anais do III Seminário de Filosofia do Século XVII, Aracaju, p. 39-58, 2005.

(10) Kant, Heidegger e o problema da metafísica (TRADUÇÃO). Philosophica (São Cristovão), v. 6, p. 101-127, 2005.

(11) Do co-pertencimento das duas metafísicas de Kant na implementação do seu projeto pedagógico. Revista do Mestrado em Educação, v. 10, p. 43-50, 2005.

(12) Esquematismo transcendental e ontologia fundamental: Heidegger intérprete de Kant. In: Antonio Carlos dos Santos. (Org.). História, Pensamento e Ação. Aracaju: Editora da Universidade Federal de Sergipe, 2006, v. p. 321-334.

(13) Da Semântica Transcendental à Semântica Existencial: Kant e Heidegger (Estudo). Philosophica (São Cristovão), v. 7, p. 93-110, 2006.

(14) O esquematismo transcendental: da sensibilização dos conceitos à semântica transcendental. In: SALLES, João Carlos (Org.). (Org.). Pesquisa e Filosofia - Coleção Ensaios de Filosofia Contemporânea. Salvador: Editora Quarteto, 2007, v. , p. 333-358.

(15) Existência e Modalidade em Kant e Heidegger. Philosophica (São Cristovão), v. 8, p. 39-62, 2007.

(16) Ética, técnica e natureza: a herança kantiana em Heidegger e Hans Jonas. In: SANTOS, Antonio Carlos (Org.). (Org.). Filosofia & Natureza: debates, embates e coneções. São Cristovão: Editora da Universidade Federal de Sergipe, 2008, v. 01, p. 77-92.

(17) Notas sobre Educação e espaço público em Kant. Revista tempos e espaços em Educação, v. 01, p. 23-34, 2009.

(18) DANTAS, L. T. F. Ética e Ontologia na era tecnológica. Revista da FESP-Periódico de diálogos científicos, v. 6, p. 7-16, 2009.

(19) Civilização e reino moral em Kant. Revista da Fes. Periódico de Diálogos Científicos, v. 1, p. 41-55, 2010.

(20) Elementos para a formação da cidadania: Direito e Política nas lições Sobre a pedagogia de Kant. In: SANTOS, Antonio Carlos. (Org.). Entre acruz e a espada: reflexões filosóficas sobre a religião e a política. São Cristóvão: Editora da Universidade Federal de Sergipe, 2010, v. , p. 237-252.

(21) As lições Sobre a Pedagogia como referenial da Filosofia Política de Kant. In: BERGER, M.A. (Org.). (Org.). A Pesquisa Educacional e as questões da Educação Contemporânea. Maceió: EDUFAL, 2010, v. , p. 211-228.

(22) A espacialidade em Ser e tempo: a passagem do categorial kantiano ao ontológico heideggeriano. In: Menezes, Edmilson; Oliveira, Everaldo de. (Org.). Modernidade filosófica: um projeto, múltiplos caminhos. São Critóvão: Edotora UFS, 2010, v. , p. 281-313.

(23) Das leis segundo as quais tudo deve acontecer: observações sobre a filosofia prática de Kant. In: Menezes, Edmilson; Oliveira, Everaldo de. (Org.). Modernidade filosófica: um projeto, múltiplos caminhos. São Critóvão: Editora UFS, 2010, v. , p. 207-229.

(24) Ética, técnica e natureza: a herança kantiana em Heidegger e Hans Jonas. In: SANTOS, Antonio Carlos dos. (Org.). Filosofia e Natureza. 2ª ed. Aracaju: Editora UFS, 2010, v. , p. 77-92.

FREITAS, Manuel da Costa

(1) Elementos para uma cristologia kantiana, (c.9), 1994, pp. 25-34; 

(2) O Ser e os seres: itinerários filosóficos, Verbo, Lisboa, 2004, vol. I, pp. 681-688.

FREITAS, Romero Alves

(1) O belo como analogia, (c.12), 1998, pp. 148-160.

FREITAS, Verlaine

(1) A Beleza como símbolo da moralidade na Crítica da faculdade de juízo de Kant, (c.12), 1998, pp. 90-100.

(2) O interesse mimético da imaginação na Crítica da faculdade do juízo. In: Rodrigo Duarte; Romero Alves Freitas. (Org.). Deslocamentos na arte. Belo Horizonte: Associação Brasileira de Estética, 2011, v. , p. 451-460.

FRICKE, Christel

(1) Esquematizar sem conceitos: a teoria kantiana da reflexão estética. Cadernos de Filosofia Alemã, n. 7, São Paulo, 2001, pp. 5-14.

FULGENCIO, Leopoldo

(1) Apresentação e comentário do documento "Convocação para a fundação de uma sociedade para a filosofia positivista" (assinado por Freud, Einstein e Mach), Natureza Humana - Revista Internacional de Filosofia e Práticas Psicoterápicas, v.II, nº. 2, 2000, pp. 429-438.

(2) Freud-Naturforcher e a apresentação do poema A natureza, Percurso - Revista de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae, São Paulo, Ano XIII, n. 24, 2000, pp. 69-75.

(3) Comentários críticos das referências textuais de Freud a Kant, Psicologia USP, São Paulo, v.12, nº.1, 2001, pp. 49-75.

(4) As especulações metapsicológicas de Freud, Natureza Humana - Revista Internacional de Práticas Psicoterápicas, v. 5, nº.1, 2002. pp. 129-173.

(5) Kant e as especulações metapsicológicas em Freud, Kant e-Prints (eletronic version ISSN 1677-163X; printed version ISSN 1677-1621), v. 2 nº. 9, 2003. 

(6) O lugar da psicologia empírica no sistema de Kant. Kant E-prints, Campinas, v. 4, n. 1, p. 89-119, 2006.

(7) Fundamentos Kantianos da Psicanálise Freudiana e o Lugar da Metapsicologia no Desenvolvimento da Psicanálise. Psicologia USP, v. 18, p. 37-56, 2007.

GALEFFI, Romano

(1) A Propósito de alguns juízos sobre a filosofia de Emmanuel Kant, Revista Brasileira de Filosofia, Rio de Janeiro, II, 1952, pp. 107-118.

(2) Atualidade de Kant, Arquivos da Universidade da Bahia, Bahia, II, 1953, pp. 41-48.

(3) Kant: personalidade e obra, Arquivos da Universidade da Bahia, Bahia, IV, 1955, pp. 81-90.

GAMA, José

(1) Kant no pensamento filosófico português. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v. 61, n. 3 e 4, p. 1039-1047, 2005.

GERHARDT, Volker

(1) Arte e vida, trad. de António Marques, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, vol.II, ns. 3-4,1992, pp. 67-82.

GIACÓIA, Júnior Oswaldo

(1) Reflexões sobre a noção de mal radical, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 1, n.1 pp. 183-202.

(2) Kant, Schopenhauer e o direito de mentir. Em Tempo, Marília, v. 3, n. 1, 2001, pp. 103-109.

(3) Sobre o Filósofo como Educador em Kant e Nietzsche. In: Zuin, A. S.; Pucci, B.; Ramos de Oliveira, N. (Org.). Ensaios Frankfurtianos. São Paulo: Cortez Editora, 2004, v. 1, p. 97-116.

(4) Sobre o Filósofo como Educador em Kant e Nietzsche. Dois Pontos (UFPR), v. 2, p. 77-96, 2005.

GIANOTTI, José Arthur

(1) Kant e o espaço da História universal, in: Idéia de uma História Universal de um Ponto de Vista Cosmopolita. Ricardo R. Terra Edição/Tradução: Rodrigo Naves e Ricardo R. Terra, Brasiliense, São Paulo, 1996.

(2) Desvendando o sentido. Dois Pontos (UFPR), v. 2, p. 13-33, 2005.

GIL, Fernando

(1) Um caso de inovação conceptual. A formação da teoria kantiana do espaço (1746-1768), Cultura: Revista de História e Teoria das Idéias, Centro de História da Cultura/UNL, Lisboa, II, 1983, pp. 7-23.

(2) Kant e a Controvérsia, in Fernando Gil, Provas, Lisboa, 1986, pp. 157-170.

(3) Como pensa a língua, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 12, 1989, pp. 179-199.

(4) Exemplo e pedra-de-toque em Kant, Análise, Ver. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 15, 1990, pp. 3-36.

GIROTTI, Márcio Tadeu

(1) A Juventude Kantiana e a virada crítica. Revista de Iniciação Científica da FFC, v. 7, p. 258-273, 2007.

(2) Kant e o criticismo da década de 1760. Revista Eletrônica de Pesquisa na Graduação em Filosofia - FILOGENESE, v. 1, p. 113-125, 2008.

(3) Kant e a as 'Grandezas Negativas': uma crítica ao racionalismo dogmático e a oposição real como possibilidade da existência do simples possível. Revista de Iniciação Científica da FFC, v. 8, p. 274-288, 2008.

(4) Os limites do conhecimento humano na filosofia kantiana: Beweisgrund e os Sonhos de um visionário. Revista Eletrônica de Pesquisa na Graduação em Filosofia - FILOGENESE, v. 2, p. 06-15, 2009.

(5) Kant e os "Sonhos de um Visionário": um escrito pré-crítico de cunho crítico? KÍNESIS: Revista de Estudos dos Pós-Graduandos em Filosofia da Unesp, v. 1, p. 160-178, 2009.

(6) A Crítica de Hegel ao Dualismo Sujeito-Objeto de Kant. Simbio-Logias: Revista Eletrônica de Educação, Filosofia e Nutrição, v. 3, p. 1-16, 2010.

GIUSTI, Ernesto Maria

(1) Definições genéticas e matemática no Preisschrift kantiano, Revista de Filosofia, Curitiba, v. 14, n. 14, 2002, pp. 28-36.

(2) Existência e predicação: sobre alguns problemas contemporâneos e sua origem kantiana, Integração, São Paulo, v. 8, n. 28, 2002, pp. 34-40.

(3) Signos e sentido interno no desenvolvimento da filosofia da matemática de Kant, in: Bicentenário da Morte de Kant, Ubirajara Rancan de Azevedo Marques (org.), São Paulo, 2005.

(4) Signo e sentido interno na filosofia da matemática pré-crítica. Dois Pontos (UFPR), Curitiba e São Carlos, v. 2, n. 2, p. 61-76, 2005.

GOETZÉ, N.

(1) Tendências filosóficas no tempo de Kant e o problema do conhecimento, Kriterion, Belo Horizonte, II, 1948/49, pp. 55-62.

GONÇALVES, Joaquim Cerqueira

(1) Experiência, existência de Deus e religião em A Religião nos limites da simples razão de Kant, (c.9), 1994, pp. 11-24.

GONÇALVES, Rosa Gabriela de Castro

(1) A especificidade do belo artístico. Discurso. Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, São Paulo, v. 34, p. 203-224, 2004. 

GOULART, Luiz Otávio Luciano

(1) Sobre a universalidade do gosto na Crítica do Juízo. Revista Exagium, v. 2, p. 1-10, 2008.

GOUVEIA, A.

(1) Vultos e idéias da história da filosofia: Kant, O Diabo, Lisboa, n. 298, 1940, p. 3.

GOUVEIA, Helena Ferro de

(1) O Filósofo dos direitos humanos, Público, Lisboa, 12/2/2004, p. 2.

GREIMANN, Dirk

(1) A derivação kantiana do imperativo categórico do seu mero conceito. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 41-59, 2009.

GRÜNEWALD, Bernward

(1) Veracidade, direito e mentira. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6-7, p. , 2008.

(2) Kant e os fundamentos das ciências humanas. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 10, p. , 2010.

GUERREIRO, Antônio

(1) Kant, o Moisés da nossa nação, Expresso, Lisboa, 7/2/2004, pp. 14-15.

GUERREIRO, Mario Antônio de Lacerda

(1) Argumentando contra Kant: em defesa da mentira dentro de especiais condições. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 159, p. 56-66, 2005

GUERZONI, J. A. Durry

(1) Semântica transcendental, modalidade e demonstrabilidade, O Que nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, n. 4, 1991, pp. 37-55.

(2) Algumas observações acerca do parágrafo 19 da dedução transcendental (B), Analytica, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, 1998, pp. 129-156.

(3) A caracterização preliminar das aptidões cognitivas: intuição e conceito, in: Verdade, Conhecimento e Ação. Ensaios em Homenagem a Guido A de Almeida e Raul Ferreira Landim Filho. Marques, E. da Rocha, Menezes Rocha E. et al. (org.), Loyola, São Paulo, 1999, pp. 199-208.

GÜNTER, Zöller

(1) Sobre pensamentos vazios e intuições cegas. A resposta de Kant a McDowell. Trans/Form/Ação (Marília), v. 33, n. 1, p. 65-96, 2010.

HAHN, Alexandre

(1) A colocação da problemática semântica na Doutrina da Virtude Kantiana, in: Anais do II Encontro de Pesquisa em Ciências Humanas da Unicamp, Campinas, 2003.

(2) A história a priori kantiana e a importância do dever de participação (Teilnehmung) nesta história, Ideação, Feira de Santana, n. 12, 2004, pp. 59-79.

(3) Como são possíveis deveres de virtude em Kant?. Trans/Form/Ação, São Paulo, v. 29, p. 115-121, 2006.

(4) Aspectos Fundamentais da Problemática Semântica na 'Doutrina da Virtude' de Kant. Kant e-Prints (Online), Campinas, v. 1, n. 1, p. 57-88, 2006.

(5) Acerca da solução crítica do problema da possibilidade da idéia transcendental de liberdade em Kant. Kant e-Prints (Online), v. 5, n.3, p. 93-108, 2010.

(6) Estudo Introdutório à "Das diferentes raças humanas" de Immanuel Kant. Campinas, Série 2, v. 5, n. 5: Kant e-Prints, 2010 (Estudo Introdutório).

(7) Kant, Immanuel. Das diferentes raças humanas: para o anúncio das preleções de geografia física do semestre de verão de 1775. Campinas: Kant e-Prints, 2010. (Tradução/Artigo).

HAMM, Christian Viktor

(1) A atualidade da estética kantiana, in: 200 Anos da Crítica do Juízo, EDUFRGS/Instituto Goethe, Porto Alegre, 1992, pp. 106-120.

(2) O mistério do prazer estético e a possibilidade do belo: reflexões sobre a estética de Kant, in: Dialética e Liberdade, Ernido Stein, Luis de Boni (orgs.), Vozes, Porto Alegre, 1993, pp. 58-75.

(3) Moralidade - um factum da razão? Dissertatio, Pelotas, n. 7, 1998, pp. 57-76.

(4) Gadamer, Leitor de Kant: experiência estética versusexperiência da arte, Studia Kantiana, São Paulo, v. 1, n. 1, 1998, pp. 9-28.

(5) Liberdade na aparência: anotações sobre Schiller e sua complementação da estética kantiana, In: Filosofia: Diálogos de Horizonte, Cirne-Lima/Feltes/Moraes/Zilles (orgs.), Caxias do Sul, Editora da UCS, 2001.

(6) Sobre o direito da necessidade e o limite da razão, Studia Kantiana, São Paulo, v. 4, n. 1, 2003, pp. 61-84.

(7) Natureza em Kant, Ciência e Ambiente, Santa Maria, v, 28, 2004, pp. 41-52.

(8) Princípios, motivos e móbeis da vontade na filosofia prática kantiana. In: Napoli, Ricardo Bins de; Rossatto, Noeli; Fabri, Marcelo. (Org.). Ética e justiça. Santa Maria-RS: Editora Pallotti, 2003, v. 1, p. 67-82.

(9) Sobre a sistematizabilidade da filosofia da história de Kant. Veritas (Porto Alegre), Porto Alegre-RS, v. 50, n. 1, p. 67-88, 2005.

(10) Estética Negativa: possibilidades de aplicação. In: Bruno Pucci; Pedro Goergen; Renato Franco. (Org.). Dialética Negativa, Estética e Educação. 1 ed. Campinas - SP: Editora Alínea, 2007, v. 1, p. 31-48.

(11) Kant. In: Rossano Pecoraro. (Org.). Os Filósofos. Clássicos da Filosofia. Petrópolis, Rio de Janeiro: Editora Vozes, PUC Rio, 2008, v. 2, p. 9-33.

(12) Experiência estética em Kant e Schiller. In: Marco Aurélio Werle, Pedro Fernande Galé. (Org.). Arte e Filosofia no Idealismo Alemão. São Paulo: Editora Barcarolla, 2009, v. 1, p. 53-75.

(13) A fusão de campos semânticos: o exemplo de 'einsehen' - 'verstehen' - 'begreifen'. In: Alessandro Pinzani, Valerio Rohden. (Org.). Crítica da razão tradutora: sobre a dificuldade de traduzir Kant. Florianópolis - SC: NEFIPO (Nefiponline), 2009, v. 1, p. 53-74.

(14) Divinação, profecia e a realidade do progresso. Sobre o "signo histórico" na filosofia da história de Kant. In: Róbson Ramos dos Reis, Andréa Faggion. (Org.). Um filósofo e a multiplicidade de dizeres: homenagem aos 70 anos de vida e 40 de Brasil de Zeljko Loparic. 1 ed. Campinas - SP: UNICAMP, Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (Coleção CLE, n.57), 2010, v. 1, p. 287-298.

(15) Filosofar nos limites da razão: sobre o conceito de Filosofia em Kant. Intuitio, v. 3, p. 3-19, 2010.

(16) Idéias estéticas e o jogo das faculdades do ânimo. In: Ribeiro dos Santos, Leonel, Marques, Ubirajara Rancan de Azevedo, Piaia, Gregorio, Sgarbi, Marco, Pozzo, Ricardo. (Org.). Was ist der Mensch - Que é o homem: Antropologia, Estética e Teleologia em Kant. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2010, v. 1, p. 477-484.

(17) Há progresso na história? Sobre o "signo histórico" na Filosofia da História de Kant. In: Gallina, Albertinho Luiz, Sartori, Carlos Augusto, Schneider, Paulo Rudi. (Org.). Conhecimento, Discurso e Ação. Ijuí - RS: Editora Unijuí, 2010, v. 1, p. 71-84.

HAX JUNIOR, Breno

(1) Reflexões acerca de Kant e Inhalt. Dissertatio (UFPel), v. 30, p. 293-314, 2009.

HECK, José Nicolau

(1) Liberdade a questão da objetividade: considerações sobre o eixo científico entre Popper e Kant, Revista Brasileira de Filosofia, Rio de Janeiro, XXX, 1980, pp. 180-200.

(2) Kant e o jovem Pierce. A teoria dos signos e a idéia de Indivíduo, Síntese-Nova Fase, v. XX, n. 60, 1993, pp. 35-50.

(3) Da teoria e da prática do Bem: uma abordagem filosófica do clamor por mais ética na política, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 22, n. 70, 1995, pp. 351-65.

(4) Contratualismo e resignação político-constitucional, Philósophos, Goiânia, v. 1, n. 2, 1996, pp. 44-53.

(5) Direito e lei em I. Kant, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 25, n. 80, 1998, pp. 43-72.

(6) Estado e propriedade na doutrina do direito de Kant, Veritas, Porto Alegre, v. 42, n. 1, 1998, pp. 169-179.

(7) Moral e direito racional. Um estudo comparativo entre Kant, Rousseau e Hobbes, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 25, n. 82, 1998, pp. 369-90.

(8) O Princípio do amor-próprio em Kant, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 26, n. 85, 1999, pp. 165-186.

(9) As Recepções de Tugendhat e Habermas da doutrina kantiana do direito, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 27, n. 89, 2000, pp. 349-374.

(10) O Normatismo uniforme de Tungendhat e o elogio a Aristóteles, Veritas, Porto Alegre, v. 45, n. 4, 2000, pp. 527-546.

(11) Tópicos da doutrina do direito em Kant, Philósophos, Goiânia, v. 4, n. 1, 1999, pp. 67-86.

(12) A Coerção em Kant e Kelsen. Um estudo preliminar, Philósophos, Goiânia, v. 5, n. 1, 2001, pp. 95-118. (S. Silva - co-autor).

(13) Autonomia, sentimento de respeito e direito, Veritas, Porto Alegre, v. 46, n. 4, 2001, pp. 527-542.

(14) Direito subjetivo e dever jurídico interno em Kant, Kant e-Prints, Campinas, v. 1, n. 4, Campinas, 2002.

(15) Direito racional e direito positivo: um estudo sobre a ciência kantiana e kelseniana do direito, Revista da Faculdade de Direito de Goiânia, Goiânia, 2002, v. 21/22, pp. 73-97.

(16) Iluminismo e coerção. Um estudo sobre a moral e direito em Kant, Philósophos, Goiânia, v. 7, n. 1, pp.13-31, 2002.

(17) Por que obedecer a leis que desaprovamos, Síntese, Belo Horizonte, v. 29, n. 95, 2002, pp. 323-346.

(18) A dupla legislação e a classificação dos deveres em Kant, in: Justiça e Política: Homenagem a Otfried Höffe. Oliveira e Souza (org.), Porto Alegre, Edipucrs, 2003, pp. 181-204.

(19) O cosmopolitismo kantiano e uma nova ordem mundial, in:IV Encontro de Ética e Filosofia Política da UCG. Questões em Torno do Poder e da Soberania, Goiânia, Editora da UCG, v. 1. 2003, pp. 20-27.

(20) O cosmopolitismo kantiano e uma nova ordem mundial, Fragmentos de Cultura, v. 13, Goiânia, 2003, pp. 2-28.

(21) Direito subjetivo e dever jurídico interno em Kant, Veritas, Porto alegre, v. 48, n. 1. 2003, pp. 59-75.

(22) Contratualismo e sumo bem político: a paz perpétua, Kant e-Prints, Campinas, v. 2, n. 6, 2003.

(23) As diferentes fases do direito natural, Revista Jurídica, Anápolis, v. 5, n. 6, 2003, pp. 121-140.

(24) Contratualismo e sumo bem político: Um estudo preliminar sobre a pax kantiana, Veritas, Porto Alegre, v, 49, n. 1. 2004, pp. 71-92.

(25) Deveres de virtude e razão prática, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 31, n. 99, 2004, pp. 27-44.

(26) Gerechtigkeit as Vereinbarung. Kant und der Moderne Kontraktualismus, Kant e-Prints, Campinas, v, 3, n. 1, 2004.

(27) Contrato e justiça. A virtualidade do contratualismo kantiano, Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 14, 2004, pp. 2029-2050.

(28) Direito e dever de resistência ou o progresso para o melhor. Política, Direito e História em I. Kant, Veritas, v. 49, n. 4, 2004, pp. 803-824.

(29) Globalização e cosmopolitismo - controvérsia kantiana do direito dos povos. Síntese (Belo Horizonte), Belo Horizonte, v. 32, n. 103, p. 239-258, 2005.

(30) A destinação do homem: um estudo kantiano. in: maria de lourdes borges; josé nicolau heck. (Org.). Kant: liberdade e natureza. 1 ed. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, 2005, v. 1, p. 135-158.

(31) Direito racional e filosofia política em kant. Tempo da Ciência (UNIOESTE), Cascavel - Parana, v. 11, n. 22, p. 57-80, 2005.

(32) O suicídio como violação de um dever de virtude. Filosofia Unisinos, São Leopoldo - RS, v. 6, n. 1, p. 71-84, 2005.

(33) Estado, propriedade e trabalho em I. Kant. Síntese (Belo Horizonte), v. 33, p. 355-371, 2006.

(34) Razão prática: uma questão de palavras? a controvérsia Habermas/Kant sobre moral e direito. Kant e-Prints (Online), v. 1, p. 1-15, 2006.

(35) A liberdade e o direito em Kant. Revista da Faculdade de Direito da UFGO, v. 30, p. 117-131, 2006.

(36) O destino da justiça em Kant. In: Nythamar de Oliveira; Draiton Gonzaga de Souza. (Org.). Justiça global e democracia. homenagem a John Rawls. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009, v. 1, p. 329-352.

(37) Kant e os princípios de ulpiano. A erradicação da doutrina do direito natural. Ethic@ (UFSC), v. 1, p. 20-35, 2009.

(38) O princípio kantiano da publicidade na moral e no direito. Sintese (Belo Horizonte. 1974), v. 36, p. 285-300, 2009. 

(39) Razão teórica, cosmopolitismo e paz perpétua. Kant e-Prints (Online), v. 3, p. 51-66, 2009.

(40) Razão prática, moral e direito. Revista Philósophos (UFG). v. 13, p. 67-107, 2010.

HEGENBERG, L.

(1) Um Prefácio de Kant, Kriterion, Belo Horizonte, XIII, 1960, pp. 54-76.

HELFER, Inácio

(1) Kant crítico de Herder, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 2000, pp. 71-85.

(2) Antagonismo natural e história em Kant, Barbarói, Santa Cruz do Sul, v. 1, n. 16, 2002, 33-55.

(3) O caos em Kant, in: Dialética, Caos e Complexidade, Inácio Helfer, Carlos Cirne Lima, Luiz Rohden (org.), São Leopoldo, v. 1, 2004, pp. 177-207.

HENRIQUES, Fernanda

(1) A significação crítica de le volontaire et l'involontaire (Ricoeur e Kant), Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLVI/ 1, 1990, pp. 49-84.

(2) Paul Ricoeur leitor e herdeiro de Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v.61, n.2, p. 593-607, 2005.

HERRERO, Jesús

(1) Ortega frente a Kant e a Unamuno, Brotéria, Lisboa, CXVIII, 1984, pp. 418-430; 523-540.

HERRERO, X.

(1) Teoria da história em Kant, Síntese Política, Econômica, Social, Rio de Janeiro, VIII, 1981, pp. 17-33.

(2) Teoria e história em Kant, Síntese-Nova Fase, Belo Horizonte, v. VIII, n. 22, 1981, pp. 17-33.

(3) A razão kantiana entre o logos socrático e a pragmática transcendental, Síntese-Nova Fase, Belo Horizonte, v. XVIII, n. 52, 1991, pp. 35-57.

HÖFFE, Otfried

(1) O ser humano como fim terminal. Kant, Crítica da faculdade do juízo, §§ 82-84. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 8, p. , 2009.

HORN, Cristoph

(1) Qual é o fundamento da filosofia política de Kant. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 8, p. , 2009.

HUSSEINI, M. Marta Guerra

(1) Anotações à margem das duas introduções à Crítica da faculdade de julgar, com vistas à identificação dos pressupostos da arte não figurativa, Princípios, v. 2, n. 3, 1995, pp. 119-139.

IANSEN, B.

(1) O problema da metafísica sob o ponto de vista histórico-filosófico, de Aristóteles a Kant, Brotéria, Lisboa, XXX, 1940, pp. 101-103.

JORDÃO, Francisco Vieira

(1) Natureza, sentido e liberdade em Kant, Revista Filosófica de Coimbra, Inst. de Estudos Filosóficos/FL, Coimbra, v. I, n. 1, 1992, pp. 63-82.

(2) Criticismo kantiano e pressupostos racionais da fé religiosa (Wittgenstein e Kant), Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XXXVII/1, 1981, pp. 13-27.

JORGE FILHO, Edgar J.

(1) Virtude e imortalidade em Kant, in: Verdade, Conhecimento e Ação. Ensaios em Homenagem a Guido A de Almeida e Raul Ferreira Landim Filho. Marques, E. da Rocha, Menezes Rocha E. et al. (orgs.), Loyola, São Paulo, 1999, pp. 219-232.

(2) O mal radical e a possibilidade de conversão ao Bem, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 2000, pp. 87-104.

KAHLMEYER-MERTEN, Roberto Saraiva

(1) Interpretação da "ciência de todos os princípios da sensibilidade a priori" em Kant, Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 8, n. 16, 2001, pp. 35-43.

KAMINSKI, Luciano Ezequiel

(1) O ESTATUTO DA QUESTÃO SOBRE A NATUREZA HUMANA EM KANT. CADERNOS UFS - FILOSOFIA, v. 4, p. 31-46, 2008.

KANGUSSU, Imaculada Maria Guimarães

(1) Twilight zone: o lugar da beleza em Kant e Benjamin, (c.12), 1998, pp. 263-274.

(2) Walter Benjamin e Kant I, in: Leituras de Walter Benjamin, Márcio Seligmann-Silva (org.), FAPESP/AnnaBlumme, São Paulo, 1999, pp. 147-156.

(3) Walter Benjamin e Kant II, in: Leituras de Walter Benjamin, Márcio Seligmann-Silva (org.), FAPESP/AnnaBlumme, São Paulo, 1999, pp. 157-168.

(4) Alice disse. Sobre Kant e as mulheres. In: TIBURI, Marcia; VALLE, Bárbara. (Org.). Mulheres, Filosofia e coisas do gênero. Porto Alegre: Edunisc, v. , p. -,2008.

(5) Sobre a arte e o gosto, bem depois de Kant e Hume. Revista Exagium, v. V, p. , 2009.

(6) Kant, o supra-sensível e o realismo. Revista Exagium, v. VII, p. , 2010.

KAPP, Silke

(1) Pulchritudo Adhaerens - observações sobre uma impureza do juízo de gosto, (c.12), 1998, pp. 229-237.

KAULBACH, Friedrich

(1) Metamorfoses da razão moderna e modernidade, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, v. I, n. 1, 1991, pp. 65-74.

KEINERT, Maurício Cardoso

(1) O problema da causalidade: um desequilíbrio da crítica, Cadernos de Filosofia Alemã, n. 5, 1999, São Paulo, pp. 45-63

(2) Reflexão, autonomia e lei moral. In: Daniel Tourinho Peres. (Org.). Justiça, Virtude e Democracia. 1 ed. Salvador: Quarteto Editora, 2006, v. 1, p. 239-257.

(3) Autonomia e esclarecimento: o projeto crítico enquanto projeto político. Dois Pontos (UFPR), v. 7, p. 127-139, 2010.

KERVEGAN, Jean-François

(1) O estado de direito no idealismo alemão: Kant, Fichte, Hegel. Dois Pontos (UFPR), v. 4, p. 107-135, 2007.

KLAUDAT, André Nilo

 (1) A interpretação externalista de Kant, Principia,Florianópolis, v. 3, n.1, 1999, pp. 101-138.

(2) Os Princípios de Aplicação da Metafísica dos Costumes de Kant. Ethic@ (UFSC), v. 9, p. 77-87, 2010.

KLEIN, Joel Thiago

(1) O conceito de liberdade prática na Crítica da razão pura. Revista Filosofazer, v. 1, p. 127-136, 2006.

(2) A relação entre educação e moral no horizonte da filosofia da história de Kant. Revista Filosofazer, v. 32, p. 121-134, 2008.

(3) O conceito kantiano de metafísica dos costumes. Revisa Peri de Filosofia, v. 1, p. 57-72, 2009.

(4) As diferenças entre a história empírica e o projeto kantiano de uma História universal. In: Antônio C. dos Santos; Cecília Pires; Inácio Helfer. (Org.). História e Barbárie. Aracajú: Editora UFS, 2009, v. , p. 167-189.

(5) A resposta kantiana a pergunta: que é esclarecimento? Ethic@ (UFSC), v. 8, p. 211-227, 2009.

(6) Os fundamentos teóricos e práticos da filosofia kantiana da história no ensaio Idéia de uma história universal com um propósito cosmopolita. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 161-186, 2009.

(7) O conceito de filosofia em kant. Analytica (UFRJ), v. 13, p. 165-196, 2009.

(8) Início conjectural da história humana, 2009. (Tradução/Artigo).

(9) A relação de Kant com J. H. Lambert. Rio de Janeiro: Studia Kantiana, 2009. (Tradução/Artigo).

(10) Análise dos fundamentos da distinção kantiana entre noumenon e fenômeno. Argumentos revista de filosofia, v. 3, p. 25-35, 2010.

(11) Considerações em torno da tradução de Bedürfnis na obra kantiana. In: Alessandro Pinzani; Valerio Rohden. (Org.). Crítica da razão tradutora: sobre a dificuldade de traduzir Kant. Florianópolis: Nefiponline, 2010, v. , p. 89-108.

KLEMME, Heiner F. 

(1) A discreta antinomia da razão pura prática de Kant na Metafísica dos Costumes. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 11, p. 11-32, 2008.

(2) Razão (prática) e natureza na Crítica da faculdade do juízo. Trans/Form/Ação (Marília), v. 32, p. , 2009.

(3) Filosofia política de Kant – Moral e Direito. Kant e-Prints (Online), v. 5, n.4, p. 7-61, 2010.

KLOTZ, Hans Christian

(1) Dieter Henrich, leitor de Kant: sobre o fato legitimador na dedução transcendental das categorias. Kriterion, v. 115, p. 145-165, 2007.

(2) As concepções kantianas do ceticismo acerca do mundo externo nas duas edições da Crítica da razão pura. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6/7, p. 121-134, 2008.

(3) Moralidade e Teleologia em Kant e Fichte. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 25-40, 2009.

 (4) A ética kantiana e a possibilidade do altruismo (Thomas Nagel). Goiânia: Revista Philósophos, 2010. (Tradução/Artigo).

KRASSUSKI, Jair Antônio

(1) A prioridade da liberdade: John Rawls intérprete de Kant. Humanidades em Revista, v. 7, p. 95-110, 2008.

(2) Ética, política e diferença - Filosofia crítica, formação moral e educação em Kant. In: TREVISAN, Amarildo L.; TOMAZETTI, Elizete M.; ROSSATTO, Noeli, D. (Org.). Diferença, cultura e educação. 1a ed. Porto Alegre, RS: Sulina, 2010, v. 1, p. 285-298.

 (3) Significado Moral da Religião na Filosofia Crítica Kantiana. In: Albertinho Luiz Gallina, Carlos Augusto Sartori, Paulo Rud Schneider. (Org.). Conhecimento, Discurso e Ação. Ijui: Unijui, 2011, v. 32, p. 99-116.

KULENKAMPFF, Jens

(1) A estética kantiana entre antropologia e filosofia transcendental, (c.12), 1998, pp. 36-53.

LANDIM FILHO, Raul Ferreira

(1) Descartes: idealista empírico e realista transcendental?, Síntese-Nova Fase, Belo Horizonte, v. 23, n. 74, 1993, pp. 313-343.

(2) Idealismo ou realismo na Filosofia Primeira de Descartes. Análise da crítica de Kant a Descartes no Quarto Paralogismo da CRP (A), in: Idéias de Subjetividade. Fátima Évora e Oswaldo Giacóia (orgs.), ANPOF, Campinas, 1997, pp. 11-51.

(3) Idealismo ou realismo na Filosofia Primeira de Descartes. Análise da crítica de Kant a Descartes no quarto paralogismo da CRP (A), Analytica, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, 1997, pp.129-159.

(4) Do eu penso cartesiano ao eu penso kantiano, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1998, pp. 263-289.

(5) Juízos predicativos e juízos de existência. A propósito da crítica kantiana ao argumento ontológico cartesiano, Analytica, Rio de Janeiro, v. 5, nºs. 1-2, 2000, pp. 83-108.

(6) Verdade e transcendência: questões sobre a validade do argumento ontológico, in: Saber filosófico, História e Transcendência. João Mac Dowell (org.), v. 1, São Paulo, 2002, pp. 71-86.

(7) A crítica Kantiana à versão cartesiana do argumento ontológico, in: O Filósofo e sua História: uma Homenagem a Oswaldo Porchat. Michel B. Wringley e Plínio J. Smith (orgs.), Coleção CLE, Campinas, v. 36, 2003, pp. 437-456.

(8) Juízo, conceito e existência na Crítica da razão purade Kant, Cadernos de Filosofia, Instituto de Filosofia da Linguagem, Lisboa, 14, 2003, pp. 7-34.

(9) LANDIM FILHO, Raul Ferreira. Kant: Predicação e Existência. Analytica (UFRJ), Rio, RJ, v. 9, n. 1, p. 185-198, 2005.

LEBRUN, Gérard

(1) O aprofundamento da Dissertação de 1770 na Crítica da razão pura, (c.2), 1984, pp. 39-50.

(2) Uma escatologia para a moral, in: Idéia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita, ed. de Ricardo R. Terra, trad. de Rodrigo Naves e Ricardo R. Terra, São Paulo, Brasiliense, 1996.

LEPARGNEUR, François Hubert

(1) O direito da história para Kant, Convivium, Petrópolis, I, 1962, pp. 40-50.

(2) O espaço e o tempo em Kant, Revista Brasileira de Filosofia, Rio de Janeiro, X, 1960, pp. 103-114.

LICHT DOS SANTOS, Paulo Roberto

(1) A teoria do objeto transcendental. O Que nos Faz Pensar, v. 19, p. 109-148, 2005.

(2) O Idealismo Crítico e o Sistema do Idealismo: um problema sem fundamento? Dois Pontos (UFPR), v. 4, p. 11-26, 2007.

 (3) Algumas observações sobre a Dialética Transcendental: o fim da Crítica da razão pura. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6/7, p. 135-179, 2008.

(4) Conceito de Mundo e Conceito na Dissertação de 1770 - Parte 1. Analytica (UFRJ), v. 11, p. 59-116, 2008. 

(5) Conceito de mundo e conceito na Dissertação de 1770 - Parte 2. Analytica (UFRJ), v. 12, p. 43-98, 2008.

(6) Representação, objeto e unidade da consciência no Idealismo Crítico. In: Clélia Aparecida Martins, Ubirajara Rancan de Azevedo Marques. (Org.). KANT E KANTISMO - HERANÇAS INTERPRETATIVAS. São Paulo: Editora Brasiliense, 2010, v. 1, p. -.

LIMA, Carlos R. V. Cirne

(1) O dever-ser - Kant e Hegel, Filosofia e Política, Porto Alegre, n. 4, 1987.

LIMA, Erick Calheiros de

(1) Kant e a sistemática Filosófica: o projeto da terceira Crítica. In: Castilho, Fausto. (Org.). Modernos e Contemporâneos. 1 ed. Campinas: IFCH/UNICAMP, 2000, v. 1, p. 62-140.

(2) Observações sobre a Fundamentação Moral do Direito em Kant. Ethic@ (UFSC), v. 4, p. 141-155, 2005.

LIMA, Francisco Jozivan Guedes de

(1) As condições de possibilidade de efetivação da paz perpétua segundo Kant. Intuitio (Porto Alegre), v. 3, p. 100-115, 2010.

(2) As condições de possibilidade de efetivação da paz perpétua segundo Kant. Revista Opinião Filosófica, v. 1, p. 118-133, 2010.

LINHARES, Orlando Bruno

(1) O projeto kantiano das relações entre razão e sensibilidade nas cartas a Herz de 1771 e 1772, Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 8, n. 16, 2001, pp. 45-52.

(2) A dedução transcendental no Duisburg Nachlass, Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 10, n. 19 e 20, 2003, pp. 207-225.

(3) O despertar do sonho dogmático. Trans/Form/Ação, São Paulo, v. 28. n. 2. pp. 53-81, 2005.

(4) As deduções objetiva e subjetiva na primeira edição da Crítica da razão pura. Kant e-Prints, Campinas, v. 1, n. 2, pp. 41-55, 2006.

(5) Ciência e Metafísica na Dissertação de 1770. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 143-163, 2007.

(6) Realismo e idealismo transcendentais na "Dissertação de 1770". In: Martins, Clélia A.; Marques, Ubirajara R.A. (Org.). Kant e o kantismo: heranças interpretativas. São Paulo: Editora Brasiliense, 2009, v. , p. 56-87.

(7) O silêncio de Kant: esboço da analítica transcendental na década de 1770. Kant e-Prints (Online), v. Único, p. 14-35, 2010.

LINO, Alice de Carvalho

(1) Considerações Kantianas sobre os Gêneros. Padê: Estudos em Filosofia, Raça, Gênero e Direitos Humanos, v. 2, p. 97-106, 2007.

(2) Da Representação dos Aspectos Morais através dos Sentimentos do Belo e do Sublime. Exagium, v. 1, p. 1-16, 2008.

(3) A Relação dos Conceitos do Belo e do Sublime na Representação dos Gêneros. Kant e-Prints (Online), v. 3, p. 27-39, 2008.

(4) Alice disse: sobre Kant e as mulheres. In: Márcia Tiburi; Bárbara Valle. (Org.). Mulheres, filosofia ou coisas do gênero. 1 ed. Santa Cruz do Sul: Editora da UNISC, 2008, v. 1, p. 136-145.

LOPARIC, Zeljko

(1) Heurística kantiana, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, n. 5, 1983, pp. 73-89.

(2) Sobre o conceito de pesquisa em filosofia, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, n. 5, 1983, pp. 135-137.

(3) Kant's Dialectic, NOUS, n. 21, 1987, pp. 573-593.

(4) System-Problems in Kant, Synthese, v. 74, n. 1, 1988, pp, 107- 140.

(5) Kant e o ceticismo, Manuscrito, Campinas, v. 11, nº. 2, 1988, pp. 67-83.

(6) The Logical Structure of the First Antinomy, Kant-Studien, Berlin/New York, v. 81, n. 3, 1990, pp. 280-303.

(7) Kant e a filosofia analítica, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, v. 2, n. 1, 1990, pp. 27-32.

(8) La finitud de la razón: observaciones sobre el logocentrismo kantiano. In: Sobrevilla, David (org.) 1991: Filosofia, política y estética em la Crítica del Juízio de Kant. Lima (Peru), Instituto Goethe, pp. 29-47.

(9) Kant on Indirect Proofs, O Que Nos Faz Pensar, n. 4, 1991, pp. 56-60.

(10) Kant's philosophical method (I), Synthesis philosophica, v. 6, n. 2, 1991, pp. 467-483.

(11) Finitude of Reason, Synthesis Philosophica, v. 6, n. 1, 1991, pp. 215-229. (Tradução inglesa de (8).)

(12) Konacnost uma,Filozofska istrazivanja, v. 9, n. 1, 1991, pp. 39-51. (Tradução croata de (8).)

(13) A finitude da razão: observações sobre o logocentrismo kantiano. In: Rohden, Valério (org.) 1992: 200 Anos da Crítica da Faculdade do Juízo de Kant. Porto Alegre, Instituto Goethe, pp. 50-64. (Versão original portuguesa de (8).)

(14) Kant's Philosophical Method (II), Synthesis Philosophica, v. 7, n. 1, 1992, pp. 361-381.

(15) Kantova filozofska metoda, Filozofska istrazivanja, v. 13, n. 2, 1993, pp. 397-415. (Tradução croata de (10).)

(16) Iluminismo, um projeto vencido? Boletim de Novidades, n. 58, 1994. São Paulo, Ed. Livraria Pulsional, pp. 68-79.

(17) Sobre a interpretação de Rawls do fato da razão. In: Sônia T. Felipe (org.) 1998: Justiça como Equidade. Fundamentação e Interlocuções Polêmicas (Kant, Rawls, Habermas). Florianópolis, Ed. Insular, pp. 73-85.

(18) O conceito de Triebna psicanálise e na filosofia alemã. In: Jorge A T. Machado (org.) 1999: Filosofia e Psicanálise. Um diálogo. Porto Alegre, Edipucrs, pp. 97-157.

(19) O fato da razão - uma interpretação semântica, Analytica, v. 4, n. 1, 1999, pp. 13-55.

(20) O princípio de bivalência e do terceiro excluído em Kant, Studia kantiana, Rio de Janeiro, n. 2, 2000, pp. 105-137.

(21) Is the Enlightenment an Outdated Program?Proceedings of the Twentieth World Congress of Philosophy. Bowling Green, Bowling Green State University, Philosophy Documentation Center, v. 7, 2000, pp. 211-220.

(22) Das Faktum der Vernunft - eine semantische Auslegung, Akten des IX. Internationalen Kant-Kongresses. Berlin, v. 3, 2001, pp. 63-71.

(23) Acerca da sintaxe e da semântica dos juízos estéticos, Studia kantiana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, 2001, pp. 49-90. 

(24) Semântica kantiana das idéias práticas, Actas Del X Congresso Nacional de Filosofia. Córdoba, Associación Filosófica Argentina (AFRA), 2002, CD ROM.

(25) As duas metafísicas de Kant. In: Oliveira, Nythamar F. e Souza, Draiton G. (orgs.) 2003: Justiça e Política. Homenagem a Otfried Höffe. Porto Alegre, Edipucrs, pp. 305-318.

(26) O problema fundamental da semântica jurídica de Kant. In: Michel B. Wrigley e Smith, Plínio J. (orgs.) 2003: O Filósofo e sua História: uma Homenagem a Oswaldo Porchat. Campinas, Coleção CLE, pp. 477-520.

(27) De Kant a Freud: um roteiro, Natureza humana, v. 5, n. 1, 2003, pp. 231-245.

(28) Dizendo a verdade podemos ser intolerantes? Atas do XV Congresso Inter-Americano de Filosofia. Lima (Perú), 2004, CD ROM.

(29) Kant, uma revolução ainda em curso, A Tarde, Suplemento Cultural, Salvador, 2004, pp. 11-12.

(30) Kant e o pretenso direito de mentir. In: Marques, José Oscar (org.) 2005: Verdades e Mentiras: 30 ensaios em torno de Jean-Jacques Rousseau. Juí. Ed. Unijui.

(31) A linguagem objetificante de Kant e a linguagem não-objetificante de Heidegger, Natureza humana, v. 6, n. 1, pp. 9-27.

(32) Os problemas da razão pura e a semântica transcendental, Dois pontos, v. 1 n. 3, 2005.

(33) Os problemas da razão pura e a semântica transcendental. In: Salles, João Carlos (org.) 2005: Conferências da ANPOF. São Leopoldo, Unisinos/ANPOF. (Reedição de (32).)

(34) Os princípios de bivalência e do terceiro excluído em Kant. (c. 18), 2005, pp. 215-248. (Edição revisada de (20)).

(35) Acerca da sintaxe e da semântica dos juízos estéticos, (c. 18), 2005, pp. 249-290. (Edição revisada de (23)). 

(36) O problema fundamental da semântica jurídica de Kant, (c. 18), 2005, pp. 291-316. (Edição revisada de (26)).

(37) Da representação das coisas às coisas elas mesmas. Representaciones (Córdoba), Cordoba, v. 1, n. 1, p. 37-58, 2005.

(38) Os problemas da razão e a semântica transcendental. In: Daniel Omar Perez. (Org.). Kant no Brasil. São Paulo: Editora Escuta, 2005, v. 1, p. 213-229.

(39) Os problemas da razão e a semântica transcendental. In: ANPOF. (Org.). Plenárias da ANPOF. Salvador: Quarteto, 2006, v, p. 239-258. LOPARIC, Zeljko. Kant e o pretenso direito de mentir. Kant e-Prints (Online), v.1, n.2, 2006.

(40) Natureza humana como domínio de aplicação da religião da razão. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 73-91, 2007.

(41) Solução kantiana do problema fundamental da religião. Tensões e Passagens - Filosofia crítica e Modernidade. São Paulo: Singular / Esfera Pública, 2008, v. , p. 87-120.

(42) Kant entre o ficcionalismo de Vaihinger e a fenomenologia de Heidegger. In: Marguerita Cepeda e Rodolfo Arango. (Org.). Alteridad y amistad. Homenaje a Carlos B. Gutiérrez. Bogota: Universidad de los Andes - CESO, 2009, v. 1, p. 503-521.

(43) Kant entre o ficcionalismo de Vaihinger e a fenomenologia de Heidegger. Aprender (Vitória da Conquista), v. 10, p. 73-100, 2009.

(44) Os juízos de gosto sobre a arte na terceira Crítica. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 119-141, 2010.

(45) Os juízos de gosto sobre a arte na terceira Crítica. In: Marques, Ubirajara Rancan de Azevedo. (Org.). Kant e a música. 2010, v. , p. -.

LOPES, C.

(1) Crítica da razão pura: o tema da dialética transcendental, Sofia, Vitória, v. II, n. 3, pp. 77-110.

LOTZ, João Batista

(1) A diferença ontológica em Kant, Hegel, Heidegger e Tomás de Aquino, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XXXIII/1; 4, 1977, pp. 21-36; 270-284.

LOUREIRO, Manuel

(1) Immanuel Kant: textos pré-críticos, Crítica da razão prática, Crítica da razão pura, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, vol. III, ns. 1-2, 1989, pp. 239-245.

LOUZADO, Gerson Luiz

(1) O paradoxo das coisas em si mesmas. O Que nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, v. 19, p. 149-164, 2005.

(2) O Realismo Transcendental e os Fundamentos da Terceira Antinomia da Crítica da Razão Pura. Analytica (UFRJ), v. 12, p. 13-30, 2008.

 (3) Kant e o melhor dos mundos possíveis: grandezas intensivas versus grandezas extensivas. Analytica (UFRJ), v. 14, 2010.

MACEDO, Fabrício Borges. 

(1) Os Limites da Tese de Kant sobre o Ser e o Caráter Analógico do Conceito de Reflexão: uma discussão através de Heidegger. Analógos (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. XI, 2010. 

MACEDO, U. de

(1) O problema da liberdade em Kant, Concilium, Petrópolis, XVII, 1974, pp. 395-414.

MACHADO, G. Pinheiro

(1) Filosofia brasileira do direito. Kant e a liberdade, Veredas, São Paulo, ns. 102-103, 1983/ 1984, pp. 86-94.

MADRID, Núria Sanchez

(1) Dos obstáculos da Natureza aos obstáculos da razão. Uma leitura das “Preleções de Pedagogia” de Kant em Seis Passos. Kant e-Prints (Online), v. 5, n.2, p. 81-100, 2010.

MARCUCCI, Silvestro

(1) Samuel T. Coleridge e Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v. 61, n. 3 e 4, p. 773-797, 2005.

MARGUTTI, P. R.

(1) As categorias de Kant e a lógica das pressuposições, Kriterion, Belo Horizonte, XXV, 73, 1984, pp. 91-102.

(2) Aspectos do problema da causalidade em Kant, Síntese-Nova Fase, Belo Horizonte, v. 27, n. 87, 2000, pp. 5-15.

MARKENSON, Roberto

(1) Ética e modernidade, Revista de Filosofia, UFPB, João Pessoa, n. 2, 1993, pp. 3-7. 

MARKET, Oswaldo

(1) Multiplicidade e imaginação, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, v. I, n. 1, 1985, pp. 7-18.

(2) Kant e a recepção da sua obra até aos alvores do século XX, (c. 5, prefácio), 1992, pp. VII-LXI.

MARQUES, Antônio

(1) O construtivo e o regulador em Kant do ponto de vista da teoria do esquematismo, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 3, 1985, pp. 95-128.

(2) Organismo e sistema na terceira Crítica de Kant, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, v. I, n. 1, 1985, pp. 19-33.

(3) As nações como mediação entre o racional e o natural, Prelo, Revista da Imprensa Nacional Casa da Moeda, Lisboa, 1985, pp. 25-34.

(4) A teoria da causalidade na terceira Crítica de Kant, Cultura: Revista de História e Teoria das Idéias, Centro de História da Cultura, UNL, Lisboa, V, 1986, pp. 523-543.

(5) A corporeidade como esquematismo da razão em Kant e Nietzsche, in AA .VV., Nietzsche. Cem anos após o projecto Vontade de Poder transmutação de todos os valores (actas do colóquio), org. de António Marques, Veja, Lisboa, 1989, pp. 91-110.

(6) A Crítica da faculdade do juízo como alargamento da revolução copernicana de Kant, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, vol. II, ns. 3-4, 1992, pp. 55-66.

(7) Immanuel Kant: Practical philosophy, Cadernos de Filosofia, Instituto de Filosofia da Linguagem/FCSH-UNL, Lisboa, 3, 1998, pp. 157-168.

(8) O enigma de uma filosofia vencedora, Mil Folhas, suplemento do Público, Lisboa, 14/ 2/ 2004, p. 18.

MARQUES, Ubirajara Rancan de Azevedo

(1) Kant e o problema da origem das representações elementares: apontamentos, Trans/form/ação, São Paulo, n. 13, 1990, pp. 41-72.

(2) Notas sobre o esquematismo na Crítica da razão purade Kant, Trans/form/ação, São Paulo, n. 18, 1995, pp. 121-40.

(3) Notas sobre o múltiplo na primeira Crítica. Dois Pontos (UFPR), Curitiba, PR, v. 2, n. 2, p. 145-156, 2005.

(4) "Inato", "a priori", "aquisição originária": alhos e bugalhos. Crítica (UEL), v. 12, p. 463-477, 2007.

(5) A propósito do "gênio" como "inata-disposição-de-ânimo". In: Marco Aurélio Werle; Pedro Fernandes Galé. (Org.). Arte e filosofia no idealismo alemão. 01 ed. São Paulo: Editora Barcarolla Ltda., 2008, v. , p. 123-140.

(6) Kant e a epigênese: a propósito do inato . Scientiae Studia (USP), v. 5, p. 453-468, 2008.

(7) Sobre o "inato" em Kant. Analytica (UFRJ), v. 12, p. 101-161, 2008.

(8) Considerações sobre a "epigênese" em Kant. In: RANCAN DE AZEVEDO MARQUES, Ubirajara. (Org.). Kant e a biologia. São Paulo: Editora Barcarolla, v. , p., 2011.

MARTÍNEZ, Horacio Luján

(1) A recusa de Schopenhauer ao livre-arbítrio da moral kantiana. Revista de Filosofia (PUCPR), Curitiba, v. 18, n. 21, p. 45-68, 2005.

MARTINS, Clélia Aparecida.

 (1) Temporalidade e auto-intuição na doutrina do sentido interno de Kant, Cadernos de Subjetividade, 1999.

(2) Autoconsciência pura, identidade e existência, Trans/Form/Ação Marília, v. 22, 1999, pp. 67-89.

(3) Algumas considerações sobre direito e estado em Kant, Perspectiva Filosófica, v. 5, n. 11, 1999, pp. 59-92.

(4) Objeto em geral, objeto transcendental e sujeito transcendental na teoria da autoconsciência de Kant, Síntese-Nova Fase, Belo Horizonte, v. 27, n. 87, 2000, pp. 59-86.

(5) O autoconhecimento na psicologia empírica de Kant, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, v. 11, n. 2, 2001, pp. 59-88.

(6) A psicologia racional de Kant e alguns de seus principais conceitos, Revista Brasileira de Filosofia, São Paulo, v. LI, n. 203, 2001, pp. 376-390.

(7) Sentimento moral de respeito, Presença Filosófica, Rio de Janeiro, v. XXIV, ns. 1-2, p. 2001, 109-132.

(8) Sobre a personalidade na filosofia prática de Kant, Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, t.LVIII/ 1, 2002, pp. 101-116.

(9) A teoria kantiana da afecção. Revista Latinoamericana de Filosofia, Buenos Aires, v. XXVII, 2002, pp. 81-105

(10) Em defesa de uma ética universal, Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, t. LIX/ 1, 2003, pp. 221-238.

(11) Virtude, dever, matéria e forma, Veritas, Porto Alegre, v. 48, n. 1. 2003, pp. 137-148.

(12) O conceito de sujeito em Kant, Veritas, Porto Alegre, v. 50, n. 2, 2004, pp. 195-204.

(13) Temporalidade e auto-intuição na doutrina do sentido interno de Kant. Crítica (UEL), Londrina, v. 09, p. 123-132, 2004.

(14) A natureza humana na Antropologia. In: Maria de Lourdes Borges; José Heck. (Org.). Kant: natureza e liberdade. 1 ed. Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina, 2005, v. 1, p. 51-70.

(15) Felicidade: inclinações e determinação. In: Clélia Aparecida Martins; Ubirajara Rancan de Azevedo Marques. (Org.). Kant e o kantismo: heranças interpretativas. São Paulo: Brasiliense; FAPESP, 2009, v. 01, p. 231-248.

(16) O belo e a música. In: Ubirajara Rancan de Oliveira Marques. (Org.). Kant e a música. São Paulo: Barcarolla, 2010, v. 01, p. 75-91.

(17) O que é o Homem? Um paralelismo entre a 'Anthropologie' e a filosofia teórica de Kant. In: Leonel Ribeiro dos Santos; Ubirajara Rancan de Azevedo Marques; Gregorio Piaia; Marco Sgarbi; Ricardo Pozzo. (Org.). Was ist der Mensch? Antropologia, estética e teleologia em Kant (no prelo). Lisboa: Centro de Filosofia da Univ. de Lisboa, 2010, v. 01, p. 77-100.

(18) A Rechtslehre e a filosofia da história. Revista de Filosofia: Aurora (PUCPR. Impresso), v. 1, p. 15-30, 2011.

(19) Organismo no Opus Postumum (no prelo). In: Azevedo Marques, Ubirajara Rancan. (Org.). Kant e a biologia. São Paulo: Barcarola, 2011, v. 1, p. 15-30.

MARTINS, Estevão de Resende

(1) O moralismo escocês do séc. XVIII e a concepção de liberdade no Kant pré-crítico, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XXXIX/ 2, 1983, pp. 294-311.

(2) O moralismo escocês do séc. XVIII e a concepção de liberdade no Kant pré-crítico: Hutcheson e Kant, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XL/ 2, 1984, pp. 225-247.

(3) Crisius e Kant: crítica do racionalismo, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t.L/ 1-3, 1994, pp. 253-260.

MATTOS, Fernando Costa

(1) Kant e o problema da coisa em si. Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, n. 5, 1999, pp. 27-44.

(2) Da 'crença racional' à 'crença em si mesmo': hipóteses para um paralelo entre Kant e Nietzsche. In: Daniel Tourinho Peres. (Org.). Justiça, Virtude e Democracia. 1 ed. Salvador: Quarteto, 2006, v. , p. 81-100.

(3) Pensando Nietzsche a partir de Kant: uma radicalização do projeto crítico? Cadernos de Filosofia Alemã, v. 10, p. 51-68, 2007.

(4) Em torno da velha questão: seria Kant um metafísico? Analytica (UFRJ), v. 13, p. 95-133, 2009.

(5) Sobre uma possível metafísica da modernidade. Ou: os herdeiros tardios de um certo legado kantiano.. Dois Pontos (UFPR), v. 7, p. 87-103, 2010.

MEIRELLES, Agostinho de Freitas,

(1) O conceito de História em Kant como problema da razão pura, Revista Trans/Form/Ação, Marília, 2004.

(2) "Kant semântico: interpretações de Loparic e Hanna". Kant e-Prints (Online), v. 1, p. 73-92, 2006.

(3) "Esquematismo analógico na terceira parte da Religião nos limites da simples razão". In: Clélia Aparecida Martins e Ubirajara Racan de Azevedo Marques. (Org.). Coletânea Kant e o Kantismo: heranças interpretativas. São Paulo: Brasiliense, 2010, v. 1, p. -.

MELO, Adélio

(1) Kant e a questão dos paradigmas, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 10, 1993, pp. 85-126.

(2) O tempo e o espaço curvo do sujeito kantiano, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 14, 1997, pp. 175-210.

MELO, Rúrion Soares

(1) Autonomia, construtivismo e razão pública: Rawls leitor de Kant. Dois Pontos (UFPR), v. 7, p. 127-149, 2010.

MENDONÇA, Wilson P.

(1) Der Psychophysische Materialismus in der Perspective Kants und Witgensteins, Kant-Studien, Berlin, n. 81, 1990, pp. 277-297.

(2) Die Person als Zweck an sich, Kant-Studien, Berlin, n. 84, 1993, pp. 167-184.

(3) Is threre a way of making the right prior to the good?, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1998, pp. 323-340.

MENEGONI, Francesca

(1) O senso comum como a priori da comunicação, trad. de Maria José Festas, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, vol. II, ns. 3-4, 1992, pp. 21-36.

MENESES, Ramiro Délio Borges

(1) A privação do bem, segundo Kant e Ricoeur: pelo caminho da negligência. Revista Ágora Filosófica, v. 1, n.1, 2007. 

MENEZES, Antônio Basílio Novaes Thomaz

(1) Foucault e Kant: considerações em torno da ética e do Aufklarung. Princípios (UFRN. Impresso), v. 12, p., 2005.

(2) Breves notas sobre "A Paz Perpétua": Ética, Política e Devir. Princípios (UFRN. Impresso), v. 16, p. 157-169, 2009.

MESQUITA, António Pedro

(1) O conflito das racionalidades: a propósito da crítica kantiana do argumento ontológico, (c.9), 1994, pp. 125-146.

(2) Rousseau, Kant e António Sérgio: em torno do conceito de vontade geral (c.10), 1996, pp. 95-122.

MIRAGLIA, C. A

(1) Imaginação e hipótese em Kant, Dissertatio, Pelotas, n. 6, 1997, pp. 145-157.

MOLDER, Maria Filomena

(1) A questão estética e a função metonímica na Condição humana de Magritte (supostos kantianos para uma leitura), Filosofia e Epistemologia, Lisboa, 1, 1978, pp. 277-289.

(2) A voz prometida: sobre a imaginação da Kritik der Urteilskraft, in AA .VV., Dinâmica do Pensar: Homenagem a Oswaldo Market, Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1991, pp. 143-152.

(3) A única comunidade humana, Mil Folhas, suplemento do Público, Lisboa, 14/ 2/ 2004.

MOLINA, Jorge A.

(1) Observações sobre a concepção kantiana de espaço, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, n. 3, 1993, pp. 117-132.

MONTEIRO, João Paulo

(1) Kant, leitor de Hume, ou o bastardo da imaginação, Discurso, São Paulo, n. 14, 1983, pp. 145-158.

MONTENEGRO, Frederico

(1) A essência neo-humanista do transcendentalismo de Kant, Jornal de Letras, Artes e Idéias, Lisboa, 2, 1963, pp. 7 e 10.

MORAIS, Alexander Almeida

(1) Kant e Schopenhauer: uma análise das noções de Espaço e Tempo kantianos na epistemologia schopenhaueriana. Cadernos do PET Filosofia, v. 1, p. 1-21, 2010.

(2) CRÍTICA DE SCHOPENHAUER AO FUNDAMENTO DA MORAL PROPOSTO POR KANT. Revista Kínesis, v. III, p. 183-197, 2011.

MORÃO, Artur

(1) Crítica da razão prática, 1799-1988, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIV/ 4, 1988, pp. 465-474.

(2) A propósito da Crítica da razão pura em português, Jornal de Letras, Artes e Ideias, Lisboa, 29/ 10/ 1985, p. 15.

MORUJÃO, Alexandre Fradique

(1) Sobre a interpretação kantiana do belo e da arte, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XXIII/ 2, 1967, pp. 113-134.

(2) Fenômeno, númeno, coisa em si: notas sobre três conceitos kantianos, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/ FF, Braga, t. XXXVII/ 2, 1981, pp. 225-248.

(3) Sobre a noção de finalidade na crítica kantiana da faculdade de julgar, O Instituto, Coimbra, CXXXVII, 1978, pp. 171-183.

(4) Nota sobre a refutação kantiana do idealismo, Biblos, Coimbra, LXXII, 1986, pp. 167-178.

(5) O sentido da finalidade na filosofia de Kant, in AA.VV., Pensar a Cultura Portuguesa: Homenagem a Francisco da Gama Caeiro, Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa, 1993, pp. 377-389.

MOUROJÃO, Carlos

(1) Karl Leonhard Reinhold e Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v. 61, n. 3 e 4, p. 731-745, 2005.

MÜLLER, Marcos Lutz

(1) Hegel e as duas primeiras antinomias de Kant, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, n. 5, 1983, pp. 59-72.

(2) A crítica de Hegel aos postulados da razão prática como deslocamentos dissimuladores, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1998, pp. 101-150.

(3) A crítica de Hegel aos postulados da razão prática como deslocamentos dissimuladores, Veritas, Número especial sobre dialética, Porto Alegre, v. 43, n. 4, 1998, pp. 927-958.

MÜLLER, Rudinei

 (1) O Formalismo Kantiano. Revista Filosofazer, v. 1, p. 115-125, 2007.

MURCHO, Desidério

(1) Mito e verdade, Público, Lisboa, 12/ 2/ 2004, p. 2

MUSSE, Ricardo

(1) Elementos da crítica de Adorno a Kant. Dois Pontos (UFPR), v. 4, p. 201-215, 2007.

NADAI, Bruno

(1) Da natureza à liberdade: as conjeturas sobre o começo da história e a destinação moral da humanidade. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 13, p. 95-107, 2009. 

(2) Começo conjetural da história humana. São Paulo: Departamento de Filosofia da USP, 2009. (Tradução/Artigo).

(3) Reflexão 1499. São Paulo: Departamento de Filosofia da USP, 2009. (Tradução/Artigo).

NAHRA, Cinara Maria Leite

(1) O agir moral e a tragédia moderna na filosofia de Kant, Princípios, v. 1, n. 1, 1994, pp. 17-37.

(2) O imperativo categórico e o princípio da coexistência das liberdades, Princípios, v. 2, n. 3, 1995, pp. 13-31.

(3) Agindo pelo dever e o incorruptível agente moral ideal. Ethica (Rio de Janeiro), Florianopolis SC, v. 5, n. 2, p. 121-145, 2006.

(4) O Uso do principio teleológico dos seres vivos na filosofia moral de Kant. Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 297-306, 2009.

 (5) Kant e a Sorte Moral. In: Dias, Maria Clara (org). (Org.). Filosofia da Mente, Ética e Meta-ética: Ensaios em Homenagem a Wilson Mendonça. Rio de Janeiro: Multifoco, 2010, v. , p. 47-72.

NAPOLI, Ricardo Bins di

(1) A questão do conflito de deveres no sistema ético kantiano. Ethic@ (UFSC), v. 8, p. 187-210, 2009.

(2) Dever e motivação moral: as críticas de Dilthey à ética kantiana. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 235-256, 2009.

(3) A questão do conflito de deveres no sistema ético kantiano. In: Maria Clara Dias. (Org.). Filosofia da mente, Ética e Metaética. Rio de Janeiro: Multifoco, 2011, v. , p. 263-291.

NASCIMENTO, Luís Fernandes dos Santos. 

(1) Exposição e gênio na Crítica do juízo. Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, n. 4, 1998, pp. 31-42.

(2) Traduzir em imagens - Gênio e exposição simbólica na Crítica do Juízo. Discurso. Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, v. 34, p. 253-269, 2004. 

(3) Intersubjetividade e senso comum em Kant. Dois Pontos (UFPR), v. 5, p. 115-122, 2008.

NAVIA, Ricardo J.

(1) Alguns problemas em torno ao imperativo categórico de Kant, Revista de Filosofia, João Pessoa, n. 2, 1993, pp. 16-30.

(2) Kant e Putnam: Rumo à construção de um realismo crítico. Humanidades em Revista, v. 7, p. 55-72 , 2008.

NODARI, Paulo César

(1) O Sumo Bem e a Relação Moralidade e Felicidade na Crítica da Razão Prática de Kant. Veritas, Porto Alegre - RS, v. 50, n. 2, p. 125-153, 2005.

(2) A lei moral como Fato da Razão e liberdade na Crítica da razão Prática. Conjectura (Caxias do Sul), Caxias do Sul - RS, v. 10, p. 83-96, 2005.

(3) A Noção de Boa Vontade na Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Kant. Revista Portuguesa de Filosofia, Portugal, v. 61, n. 2, p. 533-559, 2005.

(4) Natureza e liberdade na terceira seção da Fundamentação da Metafísica dos Costumes III de Kant. Conjectura (Caxias do Sul), Caxias do Sul - RS, v. 10, p. 53-83, 2005.

(5) Por que para Kant o mal é radical?. In: CESCON, Everaldo; NODARI, Paulo César. (Org.). O mistério do mal. Caxias do Sul: Educs, 2006, v. , p. 245-265.

(6) Educação à liberdade em Kant. In: Federico ALTBACH; Rafael SOTO. (Org.). Libro del Ano del ISEE (Instituto Superior de Estudos Eclesiásticos - Arqudiócesis de México). 1 ed. Ciudad de México: Editorial del Seminario Conciliar de México, A. R., 2007, v. 9, p. 41-53.

(7) Educar à liberdade: uma tentativa de aproximação entre Kant e Levinas. In: Federico ALTBACH; Rodrigo SOTO. (Org.). Libro anual del isee - segunda época. 1 ed. Cidade do México: Editorial del Seminario Conciliar de México, A. R., 2008, v. 10, p. 121-144.

(8) Educação e cultura da paz. À luz do esboço kantiano À paz perpétua (Zum ewigen Frieden), ainda é possível pensar uma cultura da paz? Conjectura: filosofia e educação (UCB), v. 14, p. 11-30, 2009.

(9) Kant: educação e esclarecimento. In: KUIAVA, Evaldo Antonio; STEFANI, Jaqueline. (Org.). Identidade e diferença. Considerações filosóficas. Homenagem a Décio Osmar Bombassaro. Caxias do Sul - RS: EDUCS, 2010, v. 1, p. 207-236.

(10) Educação e cultura da paz: à luz do esboço kantiano À paz perpétua (Zum ewigen Frieden), ainda é possível pensar uma cultura da paz?. In: NODARI, Paulo César; CESCON, Everaldo. (Org.). Filosofia, Ética e Educação. Por uma Cultura da Paz!. 1 ed. São Paulo: Paulinas, 2011, v. 1, p. 15-42.

(11) Da Ideia ao Postulado de Deus em Kant. In: BOMBASSARO, Luiz Carlos; DALBOSCO, Claudio Almir; KUIAVA, Evaldo Antonio. (Org.). Pensar Sensível. 500 ed. Caxias do Sul - RS: Educs, 2011, v. Único, p. 149-164.

(12) Esclarecimento, educação e autonomia em Kant. Conjectura: Filosofia e Educação (UCB), v. 16, p. 133-167, 2011.

NOGUEIRA, Mário de Oliveira

(1) A Educação na Ética Kantiana. Educação e Pesquisa (USP), São Paulo, v. 30, n. nº3, p. 447-460, 2004.

(2) Para inspirar confiança: considerações sobre a formação moral em Kant. Trans/Form/Ação, Marília - SP, v. 29, n. 1, p. 21-30, 2006.

NOYAMA, Samon

(1) O paradigma estético de Kant e o caminho de Schiller. Gama - Revista eletrônica de ética e filosofia, v. 7, p. 4, 2009.

(2) A influência de Kant na Estética de Schiller, ou Schiller contra Kant.. Ítaca (Rio de Janeiro), v. 11, p. 270-276, 2009.

OLIVA, R.

(1) Kant e Freud: metafísica e metapsicologia, Educação e Filosofia, Uberlândia, II, n. 4, 1988, pp. 99-107.

OLIVEIRA, Bernardo B. C. de

(1) O juízo de gosto e a descoberta do outro, (c.12), 1998, pp. 109-119.

OLIVEIRA, Everaldo V. de

(1) Crítica a Kant via Aufklärung: aspectos da filosofia da história e teoria do conhecimento no jovem Benjamin, Philosophica, Sergipe, v. 1, n. 1, 2000, pp. 33-59.

OLIVEIRA, Jelson Roberto de

(1) Kant para Nietzsche, um emblema da modernidade: em torno da questão da natureza. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 101-117, 2010.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de 

(1) Lógica transcendental e lógica especulativa, (c.2), 1984, pp. 7-23.

(2) A concepção de ética e direito na filosofia de Kant. Sintese (Belo Horizonte. 1974), v. 37, p. 351-370, 2010.

OLIVEIRA JÚNIOR, Nythamar Hylário Fernandes de

(1) Moralidade, eticidade e a fundamentação da ética, Reflexão, PUCCAMP, XX/63, 1995, pp. 95-119.

(2) Kant, Rawls e a fundamentação de uma teoria da justiça. In: Justiça como Equidade. Sônia Felipe. (org.), Florianópolis, 1998, v. 1, pp. 67-88.

(3) Kant como árbitro entre Hobbes e Rawls, Filosofia Política - Nova Série, n. 4, 1999, pp. 34-53.

(4) Between aesthetics and ethics, International Studies in Philosophy, XXXI/4, 1999, pp. 83-100.

(5) Resenha: Pierre Kerszberg, Critique and Totality (Albany, NY: SUNY Press, 1998), Studia Kantiana, Rio de Janeiro, n. 2, 2000.

(6) Critique of public reason revisited: Kant as arbiter between Rawls and Habermas. Veritas, Porto Alegre, v. 45, n. 4, 2000, pp. 583-606.

(7) Dialectic and existence in Kant and Kierkegaard. Veritas, Porto Alegre, v. 46, n. 2, 2001, pp. 231-253.

(8) Ética e estética na terceira crítica. Veritas, Porto Alegre, v. 46, n. 4, 2001, pp. 522-531.

(9) Kant, Rawls, and the foundations of a theory of justice. In: Volker Gerhardt; Rolf-Peter Hostmann; Ralph Schumacher. (org.). Kant und die Berliner Aufklärung: Akten des IX. Internationalen Kant-Kongresses. Berlin, 2001, v. 4, pp. 286-295.

(10) Kant, Rawls, and the moral foundations of the political, Kant und die Berliner Aufklärung: Akten des IX Internationalen Kant-Kongresses, (org.), Volker Gerhardt et al., Berlin, W. de Gruyter, 2001, pp. 286-295.

(11) Ética e estética na terceira crítica. Veritas, 45/4, 2001, pp. 312-321.

(12) Teoria e práxis: uma concepção kantiana de igualdade. Dissertatio, Pelotas, v. 15, n. 16, 2002, pp. 61-74.

(13) Teoria ideal e teoria não-ideal: Rawls entre Platão e Kant. in: Ética e Justiça, Ricardo Bins de Napoli; Noeli Rossato; Marcelo Fabri. (orgs.). Santa Maria, 2003, v. 1, pp. 95-116.

(14) O Problema da Fundamentação Filosófica dos Direitos Humanos: Uma Abordagem Semântico-Transcendental do Cosmopolitismo. In: O.A. Aguiar; C.M. Pinheiro; K. Franklin. (Org.). Filosofia e Direitos Humanos. Fortaleza: Editora da UFC, 2006, v. 1, p. 123-142.

(15) A concepção normativa de pessoa e sociedade em Kant e Rawls: uma interpretação semãntico-transcendental. Dissertatio (UFPel). V. 24, p. , 2006.

(16) O Problema da Fundamentação Filosófica dos Direitos Humanos: Por um Cosmopolitismo Semântico-Transcendental. Ethica (Rio de Janeiro), Florianopolis, v. 5, n. 1, p. 21-31, 2006.

(17) Democracia e Educação: Kant, Dewey, Habermas. Revista Filosofazer, v. 17, p. 19-33, 2008.

PACHECO, José António L.C. de Matos

(1) Kant, Weil: duas leituras do mal radical, Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Colibri, Lisboa, 1996, pp. 39-46.

PACHECO, Maria António

(1) Acerca da crítica em Kant e Marx, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, vol. I, n. 3, 1986, pp. 34-51.

PAMPLONA, Fernando de

(1) Kant, Fichte, Adolfo Hitler perante a verdade, Bandarra, Lisboa, 1, 1935, p. 5.

PANARRA, Pedro Miguel. 

(1) Immanuel Kant. Ensaio sobre as doenças da cabeça. (Tradução). Revista Filosófica de Coimbra. V. 19, n. 37, 2010.

PARRET, Herman

(1) Kant sobre a música, trad. de Maria Luísa Alves Lopes, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, vol. II, ns. 3-4, 1992, pp. 93-113.

PASCHOAL, Antonio Edmílson

(1) Nietzsche crítico de Kant, ou: a filosofia como sedução da moral. Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 323-340, 2009.

(2) Nietzsche e Kant: aproximações, usos e afastamentos. In: Luiz César Oliva; André Martins Villar de Carvalho; Homero Santiago. (Org.). As ilusões do eu. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, v. 1, p. 23-35.

PASSOS, Jorge Roberto C.

(1) Belo musical e juízo de gosto, (c.12), 1998, pp. 138-147.

PAVÃO, Aguinaldo Antônio Cavalheiro

(1) Caráter inteligível e imputabilidade moral na Crítica da razão pura, Crítica, Londrina, v. 1, n. 4, 1996, pp. 343-362

(2) A leitura de Hannah Arendet da terceira Crítica de Kant,Crítica, Londrina, v. 1, n. 3, 1996, pp. 215-230.

(3) Análise dos quatro exemplos de aplicação do imperativo categórico na Fundamentação da metafísica dos costumes, Dissertatio, Pelotas, n. 6, 1997, pp. 107-132.

(4) A imputabilidade moral na Crítica da razão pura, Cadernos de Filosofia Alemã, n. 6, São Paulo, 2000, pp. 33-50.

(5) A crítica de Kant às concepções eudemonista e ética do Estado, in: Temas sobre Kant: Metafísica, Estética e Filosofia Política. Ângelo V. Cenci (org.), Porto alegre, 2000, pp. 167-187.

(6) O direito em Kant, Dissertatio, Pelotas, n. 13-14, 2001, pp. 115-137.

(7) Resenho do Dicionário Kant de Howard Caygill, Boletim, n. 43, 2002, pp. 135-143.

(8) Liberdade transcendental e liberdade prática na Crítica da razão pura, Síntese, Belo Horizonte, v. 29, n. 94, 2002, pp. 171-190.

(9) Heteronomia e imputabilidade na Fundamentação da metafísica dos costumes, Kriterion, Belo Horizonte, v. XLIII, 2002, pp. 119-135.

(10) Liberdade e fato da razão em Kant, Boletim, Londrina, n. 47, 2004, pp. 101-142.

(11) A dedução dos juízos estéticos puros em Kant. Boletim. Centro de Letras e Ciências Humanas (UEL), Londrina, PR, v. 51, p. 93-120, 2006.

(12) Hobbes e a moralidade: a leitura kantiana. Dissertatio (UFPel), Pelotas, RS, v. 24, p. 79-91, 2006.

(13) O caráter insondável das ações morais em Kant. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 30, p. 101-113, 2007.

(14) Dever e inclinações em Kant. Revista de Estudos Universitárias (Sorocaba), v. 33, p. 17-23, 2007. 

(15) Filosofia da religião e mal radical em Kant. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 171-179, 2007.

(16) O papel das inclinações na filosofia moral de Kant. Veritas (Porto Alegre), v. 53, p. 07-12, 2008.

(17) A crítica de Kant a Hobbes em Teoria e Prática. Philosophica (Lisboa), v. 31, p. 91-101, 2008.

(18) Kant contra Hobbes: moralidade e autoridade política. In: MARQUES, Ubirajara Rancan de Azevedo; MARTINS, Clélia Aparecida. (Org.). Kant e o kantismo: heranças interpretativas. São Paulo: Brasiliense, 2009, v. , p. 290-301.

(19) A liberdade no Cânon da Critica da Razão Pura. Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 121-130, 2009.

(20) Kant e Schopenhauer sobre a natureza da filosofia moral. Dissertatio (UFPel), v. 30, p. 135-148, 2009.

(21) O moralmente bom e o moralmente mau em Kant: Uma discussão com Zeljko Loparic. Kant e-Prints (Online), v. 5, n3, p. 109-131, 2010.

PECORARI, Francesco

(1) O conceito de liberdade em Kant. Revista ética e filosofia política. V. I, n. XII, 2010.

PENEDA, João

(1) Schiller e a estética de Kant, (c.10), 1996, pp. 137-148.

PEQUITO, Maria de Lurdes

(1) O sensível e o racional: Schiller entre Kant e Hegel, (c.10), 1996, pp. 191-202.

PEREIRA, Douglas L.

(1) Ideias da razão na ‘Crítica da razão pura’ de Kant. Analógos (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. X, 2009. 

PEREIRA, José Esteves

(1) Kant e a resposta à pergunta: o que são as Luzes?, Cultura: Revista de História e Teoria das Ideias, Centro de História da Cultura/UNL, Lisboa, III, 1984, pp. 153-168.

PEREIRA, Roberto Horácio de Sá

(1) Argumentação Trancendental Como Prova de Proposições Ontológicas. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, v. 4, n. 3, p. 9-41, 1996.

(2) Teoria Kantiana do Sujeito. Manuscrito, Campinas, v. 27, n. 1, p. 157-179, 1996.

(3) Liberdade, Determinismo e Liberdade. Analytica (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 85-107, 1999.

(4) Referência e juízo em Kant. Analytica (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 6, n. número 2, p. 79-117, 2002.

(5) Dogma versus Fenômeno: Neopirronismo ou Transcendentalismo? Manuscrito, Campinas, v. 36, n. 1, 2003.

(6) Fraqueza da vontade e auto-ilusão. Integração (São Paulo), São Paulo, v. 41, p. 175-190, 2004.

(7) Kant e as duas formas possíveis de ceticismo global. In: Waldomiro J. Silva Filho. (Org.). Ceticismo e a possibilidade da filosofia. Ijuí: Editora Ijuí, 2005, v. , p. 109-134.

(8) Autoconsciência e predicação de si. Analytica (UFRJ), v. 11, p. 121-154, 2007.

(9) Consciência de si como sujeito. Kant e-Prints (Online), v. 4, n.2, p. 229-265,, 2009.

(10) Uma versão mais modesta para os argumentos transcendentais da primeira Crítica. Princípios (UFRN), v. 16, p. 5-26, 2009.

(11) Intuições sensíveis em Kant: nem conceitualismo nem não-conceitualismo. Conteúdos não-conceituais em Kant. Manuscrito (UNICAMP), v. 33, p. ,2010.

(12) Consciência e autonomia em Kant. Índice – Revista Eletrônica de filosofia. v. 2, n.2, 2010.

PERES, Daniel Tourinho

(1) Kant: razão e finitude, Revista de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, v. 3, 1992, p. 141-148.

(2) Imperativo categórico e doutrina do direito. Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, n 4, 1998, pp. 43-64.

(3) Kant e a política como realização do direito, Cadernos de Ética e filosofia Política, São Paulo, v. 1, 1999, pp. 67-78.

(4) Filosofia e Política. In: Eduardo Chagas Oliveira. (Org.). Filosofia Política e Teoria Social. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2001, v. 1, p. 09-26.

(5) O soberano como idéia e a filosofia como uso público da razão, Cadernos de Ética e Filosofia Política, São Paulo, v. 4, 2002, pp. 99-114,

(6) Direito, História e esquematismo prático, Discurso, São Paulo, v. 34, 2004.

(7) Senilidade Kantiana. In: João Carlos Salles. (Org.). Schopenhauer e o Idealismo. Salvador: Quarteto, 2004, v. , p. 35-44.

(8) Notas sobre Hannah Arendt leitora de Kant. In: Adriano Correia. (Org.). Hannah Arednt e a Condição Humana. Salvador: Quarteto, 2006, v. , p. 303-314.

(9) Kant e o sentido de justiça. In: Daniel Touirnho Peres. (Org.). Justiça, Virtude e Democracia. Salvador: Quarteto, 2006, v. , p. 43-52.

(10) Juízo estético, juízo político e imaginação em Kant. In: João Carlos Salles. (Org.). Pesquisa e Filosofia. Salvador: Quarteto, 2007, v. , p. 93-106.

(11) Imaginação e razão prática. Analytica (UFRJ), v. 12, p. 99-130, 2008.

(12) Direito, História e Política em Kant. In: Alexandre Travassoni. (Org.). Kant e o Direito. Belo Horizonte: Mandamentos, 2009, v. , p. 629-649.

(13) A filosofia kantiana da história entre a retórica e o conhecimento objetivo. In: Clélia Martins e Ubirajara Rancan. (Org.). Kant e o kantismo: heranças interpretativas. São Paulo: Brasiliense, 2009, v. , p. 219-230.

(14) Notas sobre Direito, Política e Religião em Kant. In: STORCK, A.; LISBOA, W. B. (Org.). Norma, moralidade e interpretação: temas de filosofia política e do direito. Porto Alegre: Linus, 2009, v. , p. 105-110.

(15) Kant, a natureza humana e os limites da ação. In: Leonel Ribeiro dos Santos. (Org.). Que é o homem? Antropologia, Estéica e Teleologia em Kant. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2010, v. , p. 717-724.

PEREZ, Daniel Omar

(1) El ejercicio de pensar en Kant. Acerca del problema del esquematismo y la posibilidad de significación, Tragaluz, Revista de Filosofia da Facultad de Humanidades y Artes (UNR), 1994. pp. 62-65.

(2) Formulação de problemas e teoria do significado - Parte I (Acerca de sintaxe e semântica nos textos pré-críticos kantianos), Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 4, n. 8, 1997, pp. 65-94.

(3) Formulação de problemas e teoria do significado - Parte II (acerca de sintaxe e semântica nos textos pré-críticos kantianos), Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 5, n. 9, 1998, pp. 73-88.

(4) O sentido na moral kantiana a partir de sua estrutura argumentativa (uma abordagem filosófico-lingüístico), FUNREI: Anais de Filosofia de São João Del Rei, n. 6, 1999, pp. 89-96.

(5) A predicação do ser. A análise kantiana no período pré-crítico. Uma aproximação lógico-semântica do texto Principiorum Primorum Cognitionis Metaphysica e Nova Dilucudatio, Modernos e Contemporâneos, Campinas, n. 1, 2000, pp. 149-184.

(6) (Des-)articulação dos problemas da metafísica. (classificações, transformações e conseqüências da teoria silogística de Kant),Manuscrito, Revista Internacional de Filosofia, Campinas, v. XXIII, n. 1, 2000, pp. 147-184.

(7) Do problema da metafísica à metafísica como problema: uma leitura da filosofia kantiana, Revista Espaço Plural, Cepedal, UNIOESTE-MCRondon, 2001.

(8) Dos problemas da metafísica à metafísica como problema: uma aproximação ao problema do significado dos conceitos em Kant, in: Ensaios de Filosofia Moderna e Contemporânea, Perez, Daniel Omar, (org.), UNIOESTE, Cacavel, Edunioeste, 2001, pp. 79-137.

(9) A ética individual e as relações interpessoais, Revista Expectativa, UNIOESTE, n. 1, 2001.

(10) La ley moral de Freud a Kant, Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 8, n. 16, 2001, pp. 13-25.

(11) O sentimento moral em Kant, Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 8, n. 15, 2001, pp. 25-32.

(12) La ley de Freud a Kant, Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 8, n. 16, 2001.

(13) A lei, in: Ensaios de Ética e Política, Daniel Omar Perez (org.) UNIOESTE, Edunioeste, Cascavel, 2002.

(14) Lei e coerção em Kant, in: Ensaios de Ética e Política, Daniel Omar Perez (org), UNIOESTE, Edunioeste, Cascavel, 2002.

(15) Kant, a filosofia como atividade, Revista Tempo da Ciência, Toledo, v. 9, n. 17, 2002, pp. 9-18.

(16) Vida de Kant, Revista Temas e Matizes, n. 3, 2002.

(17) Resenha crítica A semântica transcendental de Kant de Zeljko Loparic, Revista de Filosofia, Curitiba, v. 15, n. 16, 2003, pp. 87-88.

(18) A questão do sujeito entre Kant e Foucault, Anais da IV Semana de Filosofia, Unicentro, Guarapuava, 2004, v. 1, pp. 11-23.

(19) Dos deveres de virtude e da dialética kantiana como processos de subjetivação foucaultiana, Anais do Seminário Internacional Foucault, Florianópolis, 2004, v. 1, pp. 3375-383.

(20) El análisis del concepto de espíritu entre la filosofia y la literatura. Swedenborg entre Kant y Borges, Anais do XV Congreso Interamericano de Filosofia y II Congreso Iberoamericano de Filosofia, 2004, Disponível on-line in: http:// www. Pucp.edu.pe/eventos/congresos/filosofia/programageneral/miercoles/sesion15-16.30/PerezDAniel.pdf

(21) A leitura entre a filosofia e a literatura. O caso Swedenborg entre Kant e Borges, in Timm de Sousa, R. e Duarte, R., Filosofia e Literatura, Edipucrs, Porto Alegre, 2004, pp. 71-81.

(22) Sobre a origem do conceito kantiano de Arquitetônica (acerca da importância da correspondência Kant-Lambert na gênese dos conceitos da filosofia crítica). Crítica (UEL), Londrina, v. 10, n. 32, p. 153-170, 2005.

(23) Os significados da história em Kant. Philosophica (Lisboa), v. 28, p. 67-107, 2006.

(24) O sentido das proposicoes reflexivas. Crítica (UEL), v. 11, p. 35-96, 2006.

(25) Os significados dos conceitos de hospitalidade en kant e a problemática do estrangeiro. Revista Philosophica, v. 31, p. 43-53, 2007.

(26) A loucura como questão semântica: uma interpretação kantiana. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 32, p. 95-117, 2009.

(27) A antropologia pragmática como parte da razão prática em sentido kantiano. Manuscrito (UNICAMP), v. 32, p. 357-397, 2009.

(28) O Sexo e a Lei em Kant e a Ética do Desejo em Lacan.. Adverbum (Campinas), v. 4, p. 104-112, 2009.

(29) A proposição fundamental da antropologia pragmática e o conceito de cidadão do mundo em Kant. Coleção CLE, v. 57, p. 313-333, 2010.

(30) O significado de natureza humana em Kant. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 75-87, 2010.

PERIN, Adriano

(1) A teoria kantiana da causalidade por liberdade na Crítica da razão pura. Disciplinarum Scientia, Santa Maria, v. 2, p. 15-35, 2004. 

(2) Sobre o argumento da dedução transcendental na segundo edição da Crítica da razão pura. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), São Paulo, v. 06/07, p. 83-119, 2008.

(3) Liberdade entre o phaenomenon e o noumenon: a leitura de Zizek na Crítica da razão pura. In: Guerra, Elizabete O.; Teles, Idete. (Org.). Lacunas do real: leituras de Slavoj Zizek. NEFIPO: Florianópolis, 2009, v. 01, p. 77-104.

(4) Kant sobre o problema do sistema e o método da filosofia. Kant e-Prints, v. 3, p. 15-26, 2009.

(5) Kant e a estratégia metodológica da Crítica da razão prática. Dissertatio (UFPel), v. 29, p. 201-225, 2009.

(6) Kant e Darwin sobre a noção de teleologia em biologia: da autonomia na consideração do organismo à autonomia na consideração das populações. Episteme (Porto Alegre), v. 29, p. 120-138, 2009.

(6) O conceito de filosofia em Kant: uma tradução e um comentário. Analytica (UFRJ), vol 13, n.1, 2010.

(7) Por que Kant escreve duas introduções para a 'Crítica da faculdade do juízo'? Kriterion (UFMG. Impresso), n. 121, p. 129- 147, 2010.

(8) A verdade como um problema fundamental em Kant. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v.33, n.1, p. 97- 124. 2010.

(9) Sobre a gênese da distinção crítica entre Schein e Erscheinung. In: PINZANI, Alessandro; ROHDEN, Valério.. (Org.). Critica da razao tradutora. Sobre a dificuldade de traduzir Kant [no prelo]. Florianópolis: Nefipo, 2010, v. , p. 11-34.

PERINE, M.

(1) A educação como arte segundo Kant, Síntese Política, Econômica, Social, Rio de Janeiro, XV, n. 40, pp. 9-32.

PETITOT, Jean

(1) O retorno a Kant em epistemologia, Análise, Ver. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 15, 1990, pp. 37-76.

PETRY, Franciele Bete

(1) O papel da virtude na ética kantiana. Ethic@ (UFSC), v. 6, p. 57-73, 2007.

PIMENTA, Pedro Paulo Garrido

(1) Entendimento discursivo e entendimento intuitivo no parágrafo 77 da Crítica do juízo, Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, n. 2, 1997, pp. 19-34.

(2) De Shaftesbury a Kant. A ilustração entre a filosofia e o senso comum, Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, n. 4, 1998, pp. 5-30.

(3) Sentimento de prazer e consideração teleológica na Crítica do Juízo. Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 4, 2003.

(4) Entusiasmo e fanatismo na filosofia de Kant. Discurso. Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, São Paulo, v. 34, p. 180, 2005.

(5) O interesse prático da razão em Kant. In: Daniel Tourinho Peres. (Org.). Virtude, justiça e democracia. Salvador: UFBA, 2006, v. , p. -.

(6) A antropologia na encruzilhada. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 09, p. 127-140, 2007. 

(7) A dialética transcendental entre as palavras e as coisas. Dois Pontos (UFPR), v. 04, p. 24, 2007.

(8) Kant e a estrutura orgânica da razão. Dois Pontos (UFPR), v. 4, p. 23, 2008.

(9) Foucault, Wind e a ironia de Kant. Discurso - Departamento de Filosofia da FFLCH DA USP, v. 38, p. 86, 2009.

(10) A finitude da razão na Crítica do Juízo teleológico de Kant. Discurso.Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, São Paulo, v. 32, p. 193-234, 2002.PIMENTA, Pedro Paulo Garrido. A "Gramática saudável" de Kant. Cadernos de Filosofia Alemã, v. XV, p. 03-20, 2010.

PIMENTEL, Manuel Cândido

(1) Amorim Viana e Kant: a fé nos limites da razão, (c.9), 1994, pp. 279-288.

PINHEIRO, Celso de Moraes

(1) A formação do homem ideal em Kant. Anais de Filosofia (UFSJ), São João del Rei, v. 6, p. 63-72, 1999.

(2) As Acepções do Termo Metafísica na Crítica da Razão Pura. Anais de Filosofia (UFSJ), São João del Rei, v. 07, p. 209-218, 2000.

(3) Disciplina, Autoridade e Coação em Kant. Phronesis (PUCCAMP), Campinas - SP, v. 02, n. 02, p. 59-75, 2000.

(4) Sociedade Justa: Palco para o progresso moral do homem em Kant. Ethic@ (UFSC), Florianópolis, v. 3, n. n.2, p. 145-162, 2004.

(5)  A justiça e o dever em Kant. In: Franklin, Karen; Sartori, Giana; Spinelli, José Francisco. (Org.). Lições - tributo a Paulo Reis Franklin da Silva. Erechim: EDIFAPES - Editora da Universidade Regional Integrada, 2006, v. , p. 181-198.

(6) Liberdade e coação no direito de Kant. Veritas (Porto Alegre), v. 52, p. 15-24, 2007.

(7) Sociedade cosmopolita justa: uma finalidade da educação em Kant. In: Nythamar de Oliveira; Draiton Gonzaga de Souza. (Org.). Justiça global e democracia: homenagem a John Rawls. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009, v. , p. 65-76.

(8) A paz perpétua e a educação: uma análise sobre o projeto kantiano. Conjectura : filosofia e educação (UCB), v. 14, p. 31-52, 2009.

(9) A paz perpétua e a educação: uma análise sobre o projeto kantiano. In: Nodari, Paulo César; Cescon, Everaldo. (Org.). Filosofia, ética e educação: Por uma cultura da paz. São Paulo: Paulinas, 2011, v. , p. 43-72.

PINHEIRO, Letícia Machado

(1) O conceito kantiano de intenção <Gesinnung> em "Sobre o mal radical na natureza humana". Revista Portuguesa de Filosofia, Braga - Portugal, v. 61, n. 3-4, p. 1019-1026, 2005.

(2) Pressupostos kantianos da disposição originária para o bem. Phronesis (PUCCAMP), v. 7, p. 221-232, 2005.

(3) Por que o mal é radical em Kant? Tempo da Ciência (UNIOESTE), v. 15, p. 121-133, 2008.

(4) Kant e o mal moral: a insuficiência da lei como móbil para o arbítrio. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 8, p. 141-153, 2009.

(5) Mediania e luta: a virtude em Aristóteles e Kant. Intuitio (Porto Alegre), v. 3, p. 161-176, 2010.

(6) O conceito kantiano de estado de natureza ético. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 1-14, 2010.

PINTO, Silvio

(1) Transcendental analytic as a constructive semantics, Kant e-Prints, Campinas, v. 2, n. 4, 2003.

PINZANI, Alessandro

 (1) Kant revolucionário? In: BORGES, M. L.; HECK, J. (Org.). Kant: Liberdade e natureza. Florianópolis: Editora da UFSC, 2005, v. , p. 37-49.

(2) Os demônios e as facções. Kant e Madison sobre paixões e instituições. Crítica (UEL), v. 11/33, p. 131-152, 2006.

(3) O papel sistemático das regras pseudo-ulpianas na Doutrina do Direito de Kant. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 8, p. 94-120, 2009.

(4) M. Tonetto: Direitos Humanos em Kant e Habermas [In: ethic@, 10/1, jun. 2011, 179-184]. Florianopolis: Nefipo, 2011 (Resenha).

PIPPIN, Robert B.

(1) Até que ponto são reflexivos os juízos estéticos de Kant?, trad. de Maria da Encarnação Casquinho, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, vol. II, ns. 3-4, Outubro de 1992, pp. 115-135.

PIRES, Celestino

(1) Os pressupostos de Kant na solução do problema da metafísica, (c.2), 1984, pp. 55-70.

PIZA, Suze de Oliveira

(1) Aquisição de conceitos e aquisição da terra em Kant, Revista Manifesto, São Paulo, v. 1. n. 1, 2002.

(2) As imagens de Kant - sobre o esquematismo e a simbolização na aquisição do conhecimento. Cadernos de Filosofia (Maringá), v. 00, p. 00-01, 2006.

(3) De Kant a Heidegger - da superação da metafísica dogmática à ontologia fundamental. In: Daniel Pansarelli. (Org.). Metafísica, Epistemologia e Linguagem. São Bernardo do Campo: Editora Metodista, 2009, v. , p. 69-80.

(4) As imagens de Kant: metafísica e linguagem. In: Pansarelli, Daniel. (Org.). Curso (in)completo de Filosofia. São Bernardo do Campo: UMESP, 2010, v. , p. 47-68.

PORTA, Mário Ariel Gonzáles

(1) Análisis de la doctrina ética de las Observaciones sobre lo bello e y lo sublime. Thémata Revista de Filosofia, Sevilla, v. 6, 1989, pp. 77-94.

(2) Orígenes y antecedentes de la propuesta metodológica de 1762 en el pensamento kantiano. Reflexión, Espanha, v. 1, 1990, pp. 33-39. 

(3) Cassirer und Kant, Casssirer Forschungen, Berlin, v. 2, 1996, pp. 20-40.

(4) Uma aula sobre Kant, Integração, São Paulo, v. XIX, 1999, pp. 245-251.

PORTELA, Luiz Yanzer

(1) Da ciência especial como Crítica da razão pura e da idéia de sistema da razão pura como ciência. Kant e-Prints (Online), v. 2, p. 181-194, 2007.

PORTELLA, Sérgio Guilherme Santos

(1) WissenGrund - A crítica de Adorno à resposta hegeliana ao formalismo da ética kantiana. Ítaca (UFRJ), v. 13, p. 204-227, 2009.

POSSAMAI, Fábio Valentini

(1) Autonomia e dignidade em Kant e a eutanásia voluntária. Kínesis, v. 1, p. 64-72, 2009.

POZZO, Ricardo

(1) Immanuel Kant sobre propriedade intelectual. Trans/Form/Ação (Marília), v. 29, n. 2, p. , 2006.

PRADO, Lúcio Lourenço

(1) Prefácio do livro: "A filosofia da matemática no Preisschrifitde Kant: um estudo sobre as interpretações de Parsons e Hintikka" de Ernesto Maria Giusti, Educ/FAPESP, São Paulo, 2004.

(2) Frege crítico de Kant. In: Ubirajara Rancan de Azevedo Marques e Clélia Aparecida Martins. (Org.). Kant e o kantismo: heranças interpretativas. 1 ed. São Paulo: Brasiliense, 2009, v. , p. 384-399.

QUEIROZ, Xisto

(1) A posição da história no criticismo kantiano, Kriterion, Belo Horizonte, VII, 1954, pp. 32-37.

RAGGIO, Andrés

(1) A noção de construção em Kant, (c.2), 1984, pp. 51-53.

RAMOS, César Augusto

(1) Kant e a razão prática, Letras da Coisa, Curitiba, v. 1, n. 3, 1986, pp. 43-51.

(2) Aprender a filosofar ou aprender a filosofia: Kant ou Hegel?. Trans/Form/Ação, v. 30, p. 197-217, 2007.

(3) Coação e autonomia em Kant: as duas faces da faculdade de volição. Ethic@ (UFSC), v. 7, p. 45-68, 2008.

RATO, Vanessa

(1) Quatro contributos fundamentais, Público, Lisboa, 12/2/ 2004, p. 2.

RAUER, Constanton

(1) Kant e a Loucura. Kant e-Prints (Online), v. 5, n.1, p. 61-74, 2010.

RAUSCHER, Frederick

(1) Razão prática pura como uma faculdade natural. Ethic@ (UFSC), v. 5, n. 2, p.173-192, 2006.

 (2) Minando ouro: o Nachlab... e as preleções de Kant como fonte  para sua filosofia política. Cadernos de Filosofia Alemã.  v. 14, p. 11-30, 2009. 

REALE, Miguel

(1) A doutrina de Kant no Brasil, Revista da Faculdade de Direito, São Paulo, XLII, 1947, pp. 51-96.

(2) Feijó e o kantismo (a propósito de uma crítica imatura),Revista da Faculdade de Direito, São Paulo, L, 1950, pp. 330-351.

(3) No segundo centenário da Crítica da razão pura de Kant, Revista Brasileira de Filosofia, Rio de Janeiro, XXXI, 1981, pp. 177-183.

RECKI, Birgit

(1) Que posso esperar? A promessa de Bonheur na Crítica da faculdade do juízo, trad. de Maria Helena Rodrigues de Carvalho, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, vol. II, ns. 3-4, pp. 37-53.

REGO, Pedro Costa

(1) O gosto e a fundação estética dos juízos na terceira Críticade Kant, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, 2001, pp. 141-159.

(2) Kant e o objeto do gosto, Ítaca, Rio de Janeiro, v. 3, 2002, pp. 29-41.

(3) A tarefa de uma dedução dos juízos estéticos puros na terceira Crítica de Kant, Discurso, São Paulo, v. 34, 2004, pp. 227-252.

(4) Sobre a improvável unanimidade do belo, Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 159, 2004, pp. 157-166.

(5) A finalidade do gosto: um estudo sobre o papel da Zweckmässigkeitna Crítica da faculdade do Juízo estético de Kant, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 5, 2004, pp. 165-184.

(6) Schiller e a estética de Kant.. In: Maria Borges e José Heck. (Org.). Kant: liberdade e natureza. Florianópolis: Editora UFSC, 2005, v. , p. 215-232.

(7) Reflexão e Fundamento: sobre a relação entre gosto e conhecimento na Estética de Kant. Kriterion, Belo Horizonte MG, v. 112, p. 214-228, 2005.

(8) Conhecimento e prazer na estética de Kant. Analytica (UFRJ), v. 11, p. 33-59, 2007.

(9) Conhecimento, gosto e dedução: uma explicitação comparativa do projeto dedutivo de Kant na Crítica da Razão Pura e na Crítica do Juízo. O Que nos Faz Pensar (PUCRJ), v. 28, p. 169-187, 2010.

(10) Dedução e refutação na Crítica da Razão Pura. In: César Augusto Battisti. (Org.). Às voltas com a questão do sujeito: posições e perspectivas. 1 ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2010, v. 1, p. 179-198.

(11) Ceticismo estético e Dedução da Crítica do Juízo. In: Leonel Ribeiro dos Santos, Ubirajara Rancan de Azevedo Marques. Gregorio Piaia Marco Sgarbi, Riccardo Pozzo. (Org.). Was ist der Mensch - Que é o Homem:? - Antropologia, Estética e Teleologia em Kant. 1 ed. Braga: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2010, v. 1, p. 485-494.

REIS, José Encarnação

(1) A determinação do objeto estético em Kant, Biblos, Coimbra, 62, pp. 179-188.

(2) O tempo em Kant, Revista Filosófica de Coimbra, Inst. de Estudos Filosóficos, Coimbra, v. VIII, n. 16, pp. 341-466.

REIS, Sandra Loureiro de Freitas

(1) O prazer estético na Crítica da faculdade de juízode Kant, (c.12), 1998, pp. 275-284.

RENAUD, Isabel Carmelo Rosa

(1) O fundamento da obrigação e o paradoxo da lei moral numa perspectiva pós-kantiana, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIV/4, 1988, pp. 497-526.

RENAUD, Michel

(1) Subjetividade e desejo na crítica kantiana da razão prática, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIV/ 4, 1988, pp. 475-495.

(2) A questão do mal no livro de Kant sobre a religião, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIX/ 4, 1993, pp. 511-535.

REZENDE MARTINS, E.

(1) Esquema e imagem, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, n. 5, 1983, pp. 29-38

RIBEIRO, Henrique Jales

(1) Rejeição versus aceitação de Kant na filosofia analítica contemporânea. Revista Filosófica de Coimbra. V. 13, n. 26, 2004.

(2) A filosofia analítica e Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v. 61, n. 3 e 4, p. 883-899, 2005.

RICOUER, Paul

(1) Kant e Husserl. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v.61, n.2, p. 355-378, 2005.

RINTELEN, F.-J.

(1) O caminho de Kant e Hegel, Concilium, Petrópolis, XII, 1973, pp. 195-215.

ROANI, Alcione Roberto

(1) As dimensões estruturais no processo de conhecer em Kant. Perspectiva, Erechim, v. 24, n. 85, p. 45-69, 2000.

(2) A aplicabilidade das objeções hegelianas: à ética kantiana e à ética do discurso. Perspectiva (Erexim), Erechim - RS, v. 26, n. junho, p. 55-64, 2002.

(3) O livro de Jó e a questão da Teodicéia: na perspectiva de Hobbes e Kant. Fragmentos de Cultura (Goiânia), Goiânia - GO, v. especi, n. 13, p. 187-196, 2003.

(4) Faktum der Vernunft: uma interlocução polêmica. Revista Filosofazer, Passo Fundo, v. 1, n. 24, p. 59-70, 2004.

(5) A formação do caráter e da autonomia na filosofia da educação de Kant. Revista de Ciências Humanas (Frederico Westphalen), v. 8, p. 13-30, 2007.

(6) A moral kantiana e a questão do agir em conformidade com a norma. Revista Filosofazer, v. 01, p. 41-64, 2008.

RODRIGUES, A. M. M.

(1) A idéia da liberdade em Kant e o livre arbítrio na filosofia escolástica, Presença Filosófica, Rio de Janeiro, 13, 1988, pp. 128-137.

ROHDEN, Valério

(1) Cepticismo versus condições de verdade, Manuscrito, Campinas, 11, 1988, pp. 85-94.

(2) El terminoGemüt em la Critica del juicio, in: Filosofia, Politica y Estetica en la Critica del juicio de Kant, David Sobrevilla (org.), Lima, 1991, pp. 49-64.

(3) Razão prática e Direito, in: Racionalidade e Ação, Valério Rodhen (org.), Porto Alegre, 1992, pp. 124-144.

(4) O sentido do termo Gemüt em Kant, Analytica, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1993, pp. 61-76.

(5) Sociabilidade legal: uma ligação entre Direito e Humanidade na Terceira Crítica de Kant, Analytica, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, 1994, pp. 97-106.

(6) Juízo e reflexão desde um ponto de vista prático. O Que Nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, v. 9, 1995, pp. 40-53.

(7) A paz como questão moral do direito e da política, in: Kant e a instituição da paz, Valério Rohden (org.), Porto Alegre, 1997, pp. 233-237.

(8) Razão prática pura, Dissertatio, Pelotas, n. 6, 1997, pp. 69-98.

(9) O problema metodológico de demonstração da razão prática, Revista IFCH, Porto Alegre, v. 5, 1997, pp. 85-96.

(10) Uma interpretação da relação entre liberdade e razão naCrítica da razão pura, Revista Latinoamericana de Filosofia, Buenos Aires, v. 3, n. 1, 1997, pp. 69-83.

(11) O humano e racional na ética, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1998, pp. 307-321.

(12) Aparências estéticas não enganam. Sobre a relação entre juízo de gosto e conhecimento em Kant, (c.12), 1998, pp. 54-86.

(13) Prefácio a: A teoria do conhecimento de Kant, de Januário Lucas Gaffrée, in: Luís Alberto de Boni (org.), Porto alegre, 2000, pp. 09-18.

(14) Magnaminatas. Um problema de relação entre estética e ética. Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 3, nº. 1, 2001, pp. 29-47.

(15) Kant e Habermas. A reformulação discursiva da moral kantiana, Ethic@, Florianópolis, v. 1, n. 1, 2002, pp. 97-100.

(16) Autonomia da universidade na perspectiva da filosofia política de Kant, in; Idéias de Universidade, Valério Rodhen (org.), Canoas, 2002, pp. 35-55.

(17) Razão prática pura, in: Ética, Política e Cultura, Ivan Domingues, Paulo Roberto Margutti Pinto, Rodrigo Duarte (orgs.), Belo Horizonte, 2002, pp. 181-210.

(18) Atualidade da filosofia moral kantiana, desde a perspectiva de sua crítica a um solipsismo prático. Cadernos IHU Idéias (UNISINOS), São Leopoldo, v. Ano 2, n. 23, p. 1-22, 2004.

(19) PEREZ, D. O.; TERRA, R.; ALMEIDA, G. . O trabalho filológico: O sentido do termo Gemut em Kant / Razão prática pura / Um experimento com a razão prática. In: Daniel Omar Perez. (Org.). Kant no Brasil. São Paulo: Escuta, p. 23-83, 2005.

(20) A ´Crítica da razão prática` e o Estoicismo. Dois Pontos (UFPR), Curitiba, v. 2, n. 2, p. 157-173, 2005.

(21) Somente uma nova fórmula: a propósito das críticas eudemonistas de Tittel à filosofia moral de Kant. Revista Portuguesa de Filosofia, Braga, v. 61, n. 3-4, p. 747-755, 2005.

(22) Kant: o ser humano entre natureza e liberdade. In: CARVALHO, I.C.M.; GRÜN, M.; TRAJBER, R.. (Org.). Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental. 00 ed. Brasília: MEC, UNESCO, v. 26, p. 99-112, 2006.

(23) Anúncio do término próximo de um tratado para a paz perpétua na Filosofia. Florianópolis: UFSC, 2006. (Tradução/Artigo).

(24) Autonomia do sujeito moral em Kant. Cadernos IHU Idéias (UNISINOS), v. 6, p. 1-17, 2008.

(25) Kant: o ser humano entre natureza e liberdade. In: Isabel Cristina de Moura Carvalho; Mauro Grün; Rachel Trajber. (Org.). Pensar o ambiente: bases filosóficas pra a educação ambiental. Brasília: Ministério da Educação/UNESCO, v. 26, p. 111-123, 2009.

(26) Sociabilidade legal - a propósito de uma ligação entre direito e humanidade na terceira Crítica de Kant. In: Alexandre Travessoni. (Org.). Kant e o Direito. 1ª ed. Belo Horizonte: Mandamentos, p. 605-614, 2009.

(27) A função transcendental do "Gemüt" na Crítica da razão pura. In: Clélia Aparecida Martins; Ubirajara Rancan de Azevedo Marques. (Org.). Kant e o kantismo: heranças interpretativas. São Paulo: Brasiliense, p. 111-129, 2009.

(28) A dupla analogia de Kant e Goethe com um experimento químico. In: João Carlos Salles. (Org.). Plenárias da ANPOF 2004-2006. Salvador: Quarteto, p. 225-238, 2009.

(29) A comum analogia com um experimento químico em reflexões morais e estéticas de Kant e Goethe. In: Santos, Leonel Ribeiro dos. (Org.). Kant: Posteridade e Actualidade. Colóquio Internacional. Lisboa: Lentro de Filosofia da Universidade de Lisboa, p. 85-98, 2009.

(30) Representações não-conscientes em Kant: versão preliminar. Adverbum (Campinas. Online), v. 4, p. 3-9, 2009.

(31) A função transcendental do Gemüt na Critica da Razão pura. Kriterion, v. L, p. 07-21, 2009.

(32) Justificação das ilusões da metafísica; considerações sobre KrV B 294-295. In: Alessandro Pinzani; Valerio Rohden. (Org.). Crítica da razão tradutora: sobre a dificuldade de traduzir Kant. 1ª ed. Florianópolis: Nefiponline, p. 161-175, 2010.

(33) Um sentido pré-político da música em Kant. In: Ubirajara Rancan de Azevedo Marques. (Org.). Kant e a música. São Paulo: Editora Barcarollap. p. 61-73, 2010.

(34) Sobre um recentemente enaltecido tom de distinção na filosofia. (Von Einem neuerdings erhobenen vornehmen Ton in der Philosophie). (Tradução). Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 10, p. , 2010.

ROSA, António Machuco

(1) O ideal transcendental da razão em Kant e a gênese das explicações míticas, Phainomenon, Revista de Fenomenologia, Lisboa, 5-6, 2002/ 2003, pp. 389-400.

ROSA, Luiz Carlos Mariano da

(1) Da “revolução copernicana” (do verdadeiro “idealismo transcendental”). Intuitio (Porto Alegre). v. 4, p. 117-133, 2011.

ROSA, Rodrigo Augusto

(1) Leis empíricas e as máximas da razão em Kant. Intuitio, v. 3, p. 139-156, 2010.

ROSALES, Jacinto Rivera de

(1) O fenômeno do mundo e a “Refutação do Idealismo” Heidegger versus Kant. Revista Filosófica de Coimbra. V. 16, n. 31, 2007.

ROSELINO, Luís Felipe Martins de Sales

(1) Movimento da razão especulativa à razão prática em Kant: contribuições de Wilhelm Windelband para interpretação do método crítico. Kant e-Prints (Online), v. 3, p. 67-87, 2008.

ROSENFIELD, Denis

(1) Natureza humana e mal radical em Kant, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 9, 1988, pp. 111-175.

(2) Ética e metafísica, Analytica, v. 1, n. 2, 1994, pp. 67-95.

(3) Ética e metafísica, Analytica, v. 2, n. 1, 1997, pp. 89-121.

ROSSI, P.

(1) O fundamento do conceito filosófico de autonomia em Kant e as suas conseqüências históricas, Concilium, Petrópolis, 1984, 2, pp. 6-14.

ROUANET, Luiz Paulo

(1) A filosofia da natureza de Kant. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 1-13, 2010.

RUFINONI, Priscila Rossinetti

(1) Julgar sem preceptivas, julgar pelo universal: glosas modernistas a Kant. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 33, p. 95-111, 2010.

(2) Mimesis do sublime: a recepção de Kant pelo Romantismo e pelo Expressionismo. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 33, p. 115-126, 2010.

SAÁGUA, João

(1) Notas para uma reflexão sobre o todo e as partes (a propósito da teoria kantiana da constituição), Filosofia e Epistemologia, Lisboa, 5, 1984, pp. 27-66.

SACADURA, Carlos Alexandre Bellino Albuquerque

(1) O diálogo da filosofia actual com o pensamento kantiano,Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIX/ 4, 1993, pp. 601-625.

SALA, Giovanni B.

(1) O problema de Deus nos escritos de Kant, Brotéria, Lisboa, 130, 1990, pp. 385, 394.

(2) A questão de Deus nos escritos de Kant, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. XLIX/4, 1993, pp. 537-569.

SALVADORI, Mateus

(1) Algumas considerações sobre a crítica hegeliana ao idealismo kantiano. Intuitio (Porto Alegre), v. 3, p. 192-203, 2010.

SANTI, Angela

(1) A vocação contemporânea do sublime, Revista Tempo da Ciência, v. 8, n. 16, Toledo, 2001, pp. 27-33

SANTORO, Thiago Suman

(1) De Kant a Fichte: Apercepção como Fundamento. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 9, p. 71-90, 2007.

SANTOS, Edmilson Menezes

(1) Kant e a pedagogia. Educação e Sociedade. Campinas, v. 3, n. 43, 1992, pp. 463-477.

(2) Anotações sobre as noções de espaço e tempo em Kant, Revista Geonordeste, Aracaju, v. 6, n. 2, 1992, pp. 45-55.

(3) Kant: Aufklärung e educação, in: Anais do XIV Encontro de Pesquisa Educacional do Nordeste, Salvador, 1999, pp. 1-17.

(4) Algumas questões sobre a filosofia da história de Kant, Philosophica, Aracaju, v. 1, n. 1, 2000, pp. 61-101.

(5) Filosofia e crítica: Kant e o Brasil do século XIX. Revista do Conselho Municipal de Educação. Aracaju, v. 3, n. 5, 2000, pp. 79-86.

(6) Kant e a Educação das Luzes. Educação e Filosofia. Universidade Federal de Uberlândia, v. 14, n. 27-28, 2000, pp. 113-127.

(7) Notas para a análise do conceito de filosofia segundo Kant, in: Filosofia e Teoria Social, Eduardo Chagas Oliveira (Org.), Feira de Santana, Editora da Universidade Estadual de Feira de Santana, 2001.

(8) Acerca da idéia de providência na filosofia da história kantiana. Philosophica, Aracaju, v. 2, n. 2, 2001, pp. 117-138.

(9) Bossuet, Kant e o tema da história, in: Anais do II Seminário de Pesquisa do NEPHEM (Núcleo de Estudos e Pesquisa em Filosofia da História e Modernidade). Universidade Federal de Sergipe, v. 1, n. 2, 2001, pp. 09-24.

(10) Prismas da filosofia da história kantiana: civilização e finalidade moral. in: Modernidade e a Idéia de História, Editus, Editora da Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2003.

(11) Kant e a concepção de uma educação para o corpo. In: Jorge Carvalho do Nascimento. (Org.). Problemas de Educação Escolar e Extra-Escolar. São Cristóvão: Editora da Universidade Federal de Sergipe, 2005, v. 01, p. 11-26.

(12) Teologia e Progresso em Kant: apontamentos acerca de suas bases transcendentais. In: SANTOS, Antônio Carlos dos. (Org.). História, Pensamento e Ação. 1 ed. São Cristóvão-SE: Editora da Universidade Federal de Sergipe, 2006, v. , p. 293-307.

(13) Dignidade e educação em Kant. In: BERGER, Miguel André. (Org.). A pesquisa educacional e as questões da educação na contemporaneidade. 1 ed. Maceió: Editora da Universidade Federal de Alagoas, 2010, v. 1, p. 200-211.

SANTOS, José Henrique 

(1) O lugar da Crítica da faculdade de juízo na filosofia de Kant, Kriterion, Belo Horizonte, v. XXXVIII, n. 95, 1997, pp. 73-91.

(2) O lugar da Crítica da faculdade de juízo na filosofia de Kant, (c.12), 1998, pp. 15-35.

(3) De Kant a Schelling. Resenha: VETÖ, Miklos. Nouvelles études sur l’idealism allemand. Paris: L’Harmattan, 2009. KRITERION, BELO HORIZONTE, v. 121, p. , 2010.

SANTOS, Leonel Ribeiro dos

(1) A interpretação kantiana de Leibniz, (c. 1), 1982, pp. 99-117; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 99-116.

(2) Ler a Crítica da Razão Prática em português, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, v. 1, n. 1, 1985, pp. 62-73; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 159-169.

(3) A Crítica da razão pura ou a revolução kantiana, Jornal de Letras, Artes e Idéias, Lisboa, 29/10/1985, pp. 14-15; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 143-157.

(4) Immanuel Kant: os progressos da metafísica, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, v. 1, n. 3, 1986, pp. 131-137; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 171-176.

(5) Kant e o ensino da filosofia, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, v. II, ns. 1-2, 1988, pp. 166-178; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 177-187.

(6) Kant e a filosofia como análise e reinvenção da linguagem da metafísica, in AA VV., Homenagem a Vieira de Almeida (colóquio do centenário, 1888-1988), Colibri/Departamento de Filosofia da FLUL, Lisboa, 1991, pp. 199-223; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 39-67.

(7) A revolução da razão ou o paradigma político do pensamento kantiano, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 16, 1992, pp. 21-33; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 69-84.

(8) Sentimento do sublime e vivência moral em Kant, Arquipélago, Centro de Estudos Filosóficos/ Univ. dos Açores, Ponta Delgada, 2-3, 1992, pp. 73-89; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Lisboa, Lisboa, 1994, pp. 85-98.

(9) O retorno ao mito: Nietzsche, a música e a tragédia, Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da FLUL/ Colibri, Lisboa, 1993, pp. 89-112; Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível, Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 117-140.

(10) A razão sensível. Reflexão acerca do estatuto da sensibilidade no pensamento kantiano, in AA. VV., Pensar a Cultura Portuguesa: Homenagem a Francisco da Gama Caeiro, Lisboa, Colibri/ Dep. de Filosofia da FLUL, 1993, pp. 403-426.

(11) O estatuto da sensibilidade no pensamento kantiano: lógica e poética do pensamento sensível, in: Leonel Ribeiro dos Santos, A razão sensível. Estudos Kantianos, Colibri, Lisboa, 1994, pp. 13-37.

(12) Educação estética, a dimensão esquecida, (c.10), 1996, pp. 203-220.

(13) Kant e a ética da linguagem, (c.14), 2000, pp. 61-82.

(14) O eurocentrismo crítico de Kant, in AA. VV., A Idéia Romântica de Europa. Antigos Caminhos, Novos Rumos, Fernanda Gil Costa e Helena Gonçalves da Silva (org), Colibri, Lisboa, 2002, pp. 147-171.

(15) O filósofo enquanto homem, Mil Folhas, suplemento do Público, Lisboa, 14/ 2/ 2004, p. 19.

(16) A ideia de Europa no pensamento de Kant. In: Viriato Soromenho Marques. (Org.). Cidadania e construção europeia. Lisboa: Ideias e Rumos, 2005, v. , p. 137-162.

(17) Da experiência estético-teleológica da Natureza à consciência ecológica. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 29, p. 7-30, 2006.

(18) Kant e a idéia de uma "História Filosófica da Filosofia". Crítica (UEL), v. 11, p. 11-38, 2006.

(19) Kant e o regresso à Natureza como paradigma estético. In: Leonel Ribeiro dos Santos. (Org.). Kant em Portugal: 1974-2004. Lisboa: CFUL, 2007, v. , p. 387-412.

(20) Kant e a ideia de uma poética da Natureza. Philosophica (Lisboa), v. 29, p. 19-34, 2007.

(21) A teologia de Job segundo Kant: ou a experiência ético-religiosa entre o discurso teodiceico e a estética do sublime. In: Vários. (Org.). Convergências & Afinidades. Homenagem a António Braz Teixeira. Lisboa: CEFi/CFUL, 2008, v. , p. 919-945.

(22) Actualidade e inactualidade da Ética kantiana. Philosophica (Lisboa), v. 31, p. 127-160, 2008.

(23) "Técnica da Natureza". Reflexões em torno de um tópico kantiano. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 118-160, 2009.

(24) Analogia e conjectura no pensamento cosmológico do jovem Kant. Kant e-Prints (Online), v. 4, p. 131-163, 2009.

(25) O pensamento kantiano e o seu ritmo. In: Ubirajara R. Azevedo Marques. (Org.). Kant e a Música. São Paulo: Barcarolla, 2010, v. , p. 143-178.

(26) As metáforas da Razão e a razão das metáforas na filosofia de Kant. In: Róbson Ramos dos Reis; Andrea Faggion. (Org.). Um filósofo e a multiplicidade de dizeres. Homenagem a Zeljko Loparic. Campinas: CLE/UNICAMP, 2010, v. , p. 229-254.

(27) Kant e o Republicanismo Moderno. In: Ernesto Castro Leal. (Org.). Republicanismo, Socialismo, Democracia. Lisboa: Centro de História da Universidade de Lisboa, 2010, v. , p. 11-38.

(28) A concepção kantiana da experiência estética: novidades, tensões e equilíbrios. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), v. 33, p. 35-76, 2010.

(29) A formação do pensamento biológico de Kant. Trans/Form/Ação (UNESP. Marília. Impresso), 2011.

SANTOS, Ricardo Machado.

(1) O Problema da exequibilidade do Direito Público em Kant. Revista Índice - Revista Eletrônica de Filosofia, v. 2, p. 76-85, 2010.

 (2) O Status Epistemológico da Concepção Teleológica do Mundo na Ideia de uma história Universal de um Ponto de Vista Cosmopolita de Kant. Idéias - Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - Unicamp, v. 1, p. 111-127, 2011.

SANTOS, Rone Eleandro dos

(1) Sobre o lugar do Juízo de Gosto na Estética Kantiana. Existência e Arte, v. 03, p. 01-12, 2008.

SATTLER, Janyne

(1) A tarefa positiva da ética tractariana. Dissertatio (UFPel), v. 23, p. 115-135, 2006.

SAUTTER, Frank Thomas

(1) Thomas. Uma expressão formal da noção kantiana pré-crítica de oposição. Filosofia Unisinos, v. 9, n. 3, p. 214-227, 2008.

(2) As Regras Supremas dos Silogismos. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 15-26, 2010.

SCHERER, Fábio César

(1) O conflito da faculdade filosófica com a faculdade de direito sob a ótica do método de análise e síntese. Kalagatos (UECE), Fortaleza, v. 2, p. 33-62, 2005.

(2) Esboços de categorias no direito privado kantiano. Princípios (UFRN. Impresso), v. 16, p. 211-228, 2009.

(3) Problema semântico fundamental do direito privado solucionado pelo método combinado. Filosofia Unisinos, v. 11, p. 85-105, 2010.

(4) Quanto ao caráter crítico da Rechtslehre de Kant. Argumentos, v. 2, p. 95-102, 2010.

(5) Teoria dos juízos a priori do direito do estado conforme o método de análise e síntese. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 36-56, 2010.

(6) Observações aos prolegômenos da teoria kantiana dos juízos jurídicos a priori em Rechtslehre. Princípios (UFRN. Impresso), v. 18, p. 99-128, 2010.

(7) Teoria kantiana dos juízos a priori do direito dos Estados segundo o método de análise e síntese. Kant e-Prints (Online), v. 5, p. 118-134, 2010.

(8) Notas sobre a efetividade da doutrina kantiana do direito. Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP), 2011.

SCHÖNECKER, Dieter

(1) O amor ao ser humano como disposição moral do ânimo no pensamento de Kant. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 8, p. , 2009.

 (2) Kant, sobre a possibilidade de deveres para consigo mesmo (Tugendlehre §§ 1-3). Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 10, p. , 2010.

SCHÜTZ,  Rosalvo

(1) A concepcao multifacetada de natureza em Kant. Veritas (Porto Alegre), v. 54, p. 238-256, 2009.

SCHWARTZ, Elizabeth

(1) Estruturas e sistema no idealismo kantiano. Dois Pontos (UFPR), v. 5, p. 11-42, 2008.

SENEDA, Marcos César

(1) Conceitos de filosofia na escola e no mundo e a formação do filósofo segundo I. Kant. Kriterion (UFMG. Impresso), v. 50, p. 233-249, 2009.

SERRÃO, Adriana Veríssimo

(1) A razão estética. O conceito de alargamento do pensar naCrítica da faculdade de julgar de Kant, Filosofia, Sociedade Portuguesa de Filosofia, Lisboa, vol. III, ns. 1-2, 1989, pp. 210-212.

SEVERO, Rogério Passos

 (1) Kant, Kuhn e a racionalidade da ciência (Michael Friedaman). Goiânia: UFG, 2010. (Tradução/Artigo).

SGARBI, Marco

(1) A metafísica em Königsberg antes de Kant (1703-1770). Trans/Form/Ação (Marília), v. 33, n. 1, p. 31-64, 2010.

SILVA, André Luiz Olivier da

(1) De Hume a Kant: as determinações da vontade e a ação livre. Intuitio (Porto Alegre), v. 2, p. 54-60, 2009.

SILVA, Franklin Leopoldo e

(1) Bergson e Kant, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, n. 5, 1983, pp. 19-28.

(2) A metafísica na Crítica da razão pura, Trans/form/ação, São Paulo, n.11, 1988, pp. 1-11.

(3) Subjetividade e juízo, Discurso, São Paulo, n. 19, 1992, pp. 29-42.

(4) Dialética e experiência. Dois Pontos (UFPR), Curitiba, v. 2, n. 2, p. 97-112, 2005.

SILVA, Hélio Lopes da

(1) Observações sobre o tema da atemporalidade em Freud, Kant e Bergson. Discurso. Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, v. 36, p. 327-356, 2006.

(2) A Imaginação na crítica kantiana dos juízos estéticos. Artefilosofia (Ouro Preto), v. 01, p. 45-55, 2006.

SILVA, Marco Aurélio Oliveira

(1) Universalismo Estético de Immanuel Kant. Analógos (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. VI, p. 160-169, 2005.

SILVA, S.

(1) A Coerção em Kant e Kelsen. Um estudo preliminar, Philósophos, Goiânia, v. 5, n. 1, 2001, pp. 95-118. (José Nicolau Heck - co-autor).

SIMÃO, Cristina Veiga

(1) As idéias embaraçosas: a natureza da razão e a sua relação com a experiência do sublime, Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosofia da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa, 19-20, 2002, pp. 293-310.

SIMON, Josef

(1) O juízo. A faculdade de julgar como conceito-chave na filosofia de Kant, trad. José Miranda Justo, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, v. II, n. 3-4, 1992, pp. 9-20.

SIQUEIRA, Antônio Carlos 

(1) Arte, educação em Kant e Schiller, (c.12), 1998, pp. 182-192.

(2) Notas sobre as categorias Tempo e Espaço na Estética Transcendental de Kant. REVISTA DÊ-ELIELI, v. 3, p. 1-10, 2008. 

(3) Notas sobre a analítica do Belo de Kant. Revista Saberes. Letras (Vitória), v. 7, p. 166-183, 2009.

SMITH, Plínio Junqueira

(1) As respostas de Kant ao ceticismo cartesiano, in: O Filósofo e sua História: Homenagem a Oswaldo Porchat. Michel B. Wringley e Plínio J. Smith (orgs.), Coleção CLE, Campinas, v. 36, 2003, pp. 397-435.

SOARES, Maria Luísa Couto

(1) Immanuel Kant, Vom Inneren Sinne: notícia histórica, Análise,Revista Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 16, 1992, pp. 149-155.

SOROMENHO-MARQUES, Viriato 

(1) Razão prática e progresso em Kant, (c. 1), 1982, pp. 63-97.

(2) Kant e paz como tarefa européia, Logos, Lisboa, ns. 7-8, 1987, pp. 75-84.

(3) Nietzsche e Kant: em torno ao niilismo, in AA. VV., Nietzsche.Actas do Colóquio Cem anos após o Projecto Vontade de Poder Transmutação de Todos os Valores, António Marques (org), Lisboa, Vega, 1989, pp. 65-89.

(4) Da teodiceia à filosofia da história: em torno das implicações filosóficas do terremoto de Lisboa de 1755, in AA. VV., Vieira de Almeida (colóquio do centenário), Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, 1991, pp. 127-136.

(5) Vida e republicanismo em Kant, Argumento, Revista Quadrimestral de Filosofia, Ed. Cosmos, Lisboa, vol. II, ns. 3-4, 1992, pp. 83-92.

(6) Notas para uma leitura política da Religion, (c. 9), 1994, pp. 97-104.

(7) A concepção kantiana de relações internacionais em Para a paz perpétua, (c.10), 1996, pp. 67-84.

(8) Kant perante o federalismo norte-americano, (c.14), 2000, pp. 83-98.

(9) Como contemporâneo político, Mil Folhas, suplemento do Público, 14/ 2/ 2004, p. 18.

(10) Kant: OFederalismo visto da História. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v.61, n.2, p. 415-439, 2005.

SOUSA, Heloisa Helena Lira de

(1) Sobre Kant e a pedagogia, (c.17), 2004.

SOUSA, Maria Carmelita Homem de 

(1) Kant e o problema da antropologia, Filosofia, Lisboa, VIII, 1961, pp. 173-188.

SOUZA, Fabiane Marques de Carvalho

(1) A distinçâo entre o empírico e o transcendental na tematização kantiana da subjetividade. Analógos (PUCRJ), Rio de Janeiro, v. VII, 2006.

SOUZA, Jairo José

(1) O princípio de universalização em Kant e em Habermas, Veritas, Porto Alegre, v. 38, n. 152, 1993, pp. 597-607.

(2) A universalização na ética kantiana, Cadernos da FAFIMC, Viamão, n. 10, 1994, pp. 18-24.

(3) A questão da metafísica em Kant, Veritas, Porto Alegre, v. 39, n. 154, 1994, pp. 173-186.

(4) Sobre a relação Feuerbach e Kant, in: Nós e o Absoluto, Carlos Cirme-Lima e Custódio Almeida (org.), são Paulo, 2001, pp. 67-78

(5) Feuerbach und die Ethik Kants, in: Kant und die Berliner Aufklärung. Akten des IX. Internationalen Kant-Kongresses, Volker Gerhardt, Rolf-Peter Horstmann (org.) Berlin, 2001, pp. 600-608.

SOVERAL, Eduardo Abranches

(1) O problema das influências de Locke e de Hume em Kant, Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Baga, t. XXIII/2, 1967, p. 161- 183.

SPLETT, Jörg

(1) Serviço racional e serviço da razão. Sobre religião no pensamento (com Immanuel Kant e Emmanuel Levinas), Revista Portuguesa de Filosofia, UCP/FF, Braga, t. LI/ 1, 1995, pp. 25-42.

SUCUPIRA, N.

(1) Tobias Barreto e o kantismo, Revista Brasileira de Filosofia, Rio de Janeiro, XXXII, 1982, pp. 135-163.

SUZUKI, Márcio

(1) A palavra como invenção. Heurística e linguagem em Kant. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6/7, p. 29-61, 2008.

TAMBOSI, Orlando

(1) Kant contra Hegel e Marx: a questão da dialética no debate do pós-guerra, in: Modernos e Contemporâneos, Campinas, 2000, pp. 185-225.

TEIXEIRA, Célia

(1) A objectividade na filosofia moral de Immanuel Kant, Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa, 1999, pp. 91-110.

TEMPLE, Giovana Carmo

(1) Aufklärung e a crítica kantiana no pensamento de Foucault. Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP), v. 14, p. 1-306, 2009.

TERNAY, H. de 

(1) O impacto da Bíblia na ética kantiana: alguns traços nas fronteiras, Síntese Política, Econômica, Social, Rio de Janeiro, XV, 1987, n. 39, pp. 11-24.

(2) Kant e a Revolução Francesa, Síntese, Belo Horizonte, XVI, 1989, pp. 13-28.

(3) A relação ética e política em Kant e em Hegel: ruptura e/ou integração?, Síntese-Nova Fase, Belo Horizonte, v. XVII, n. 49, 1990, pp. 55-70.

TERRA, Ricardo Ribeiro

(1) O idealismo político kantiano, Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, n. 5, 1983, pp. 39-57.

(2) A doutrina kantiana da propriedade, Discurso, São Paulo, v. 14, 1983, pp. 113-157.

(3) A constituição como idéia e desígnio histórico em Kant, in: A Constituinte em Debate, L.R. Salinas Fortes e M. Meira do Nascimento (ed.) SEAF/ Sofia editora, São Paulo, 1986, pp. 337-347.

(4) Algumas questões sobre a filosofia da história em Kant, in: Im. Kant. Idéia de uma história universal do ponto de vista cosmopolita,Ricardo Ribeiro Terra (ed.), Brasiliense, São Paulo, 1986, pp. 43-74.

(5) A distinção entre o direito e ética na filosofia kantiana, Filosofia e Política, Porto Alegre, v. 4, 1987, pp. 49-65.

(6) Kant: entusiasmo e revolução, Revista USP, São Paulo, n. 1, 1989, pp. 37-43.

(7) La politique comme Üebergang chez Kant, L'etat. Philosphie Morale et Politique, Les Cahiers de Fontenay, n. 67-68, 1992, pp. 197-207.

(8) Kant. Juízo estético e reflexão, in: A. Novaes, Artepensamento, Companhia das Letras, São Paulo, 1994, pp. 113-126.

(9) Reflexão e sistema: as duas introduções à Crítica do juízo, in: Ricardo Ribeiro Terra (org.) Duas Introduções à Crítica do Juízo, Iluminuras, São Paulo, 1995, pp. 11-27.

(10) Algumas questões sobre a filosofia da história em Kant, in: Idéia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita, Ricardo R. Terra, (ed.)/tradução: Rodrigo Naves e Ricardo R. Terra, São Paulo, Brasiliense, São Paulo, 1996.

(11) Détermination et réflexion dans l'évaluation des relations internationales: une réinterprétation de Vers la Paix Perpétuelle, in: L'éthique de l'espace politique mondial, Métissages disciplinaires, Klaus-Gerd Giesen (org), É. Bruylant, Bruxelles, 1997, pp. 335-355.

(12) Foucault lecteur de Kant: de la anthropologie à la ontologie du présent, in: L'année 1798. Kant et la Naissance de L'anthropologie au Siècle des Lumières: Actes du Colloque de Dijon, 9-11 mai 1996, J. Ferrari (org.), Vrin, Paris, 1997, pp. 159-171.

(13) Foucault leitor de Kant: da antropologia à ontologia do presente, Analytica, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 1997, pp. 73-87.

(14) Juízo político e prudência em A paz perpétua, in: Kant e a instituição da paz, Valério Rohden (org), 1997, pp. 222-232.

(15) La souveraineté populaire chez Kant: de l'idealisme politique au procéduralisme, in: Doit et vertu chez Kant (Kant et la philosophie grecque et moderne), Actes du IIIe Congress de la Societé Internationele D'études Kantiennes de Langue Française, Athénes, 1997, pp. 14-17.

(16) A arquitetônica da filosofia prática kantiana, Studia Kantiana, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1998, pp. 291-305.

(17) Notas sobre o conceito de passagem (Übergang) no pensamento kantiano, in: Verdade, Conhecimento e Ação. Ensaios em Homenagem a Guido Antônio de Almeida e Raul Ferreira Landim Filho, Marques, E. da Rocha, Menezes Rocha E. et al. (orgs.), Loyola, São Paulo, 1999, pp. 401-408.

(18) Notas sobre sistema e modernidade - Kant e Habermas, Revista de Filosofia Política, Nova Série, 1999, pp. 58-64.

(19) História universal e direito em Kant, Discurso, São Paulo, v. 34, 2004, pp. 9-32.

(20) Notas sobre o conceito de passagem (Übergang) no pensamento kantiano. In: Daniel Omar Perez. (Org.). Kant no Brasil. 1 ed. São Paulo: Editora Escuta Ltda., 2005, v. 1, p. 109-119.

(21) Juízo político e prudência em À paz perpétua. In: Daniel Omar Perez. (Org.). Kant no Brasil. São Paulo: Editora Escuta Ltda., 2005, v. 1, p. 121-133.

(22) A distinção entre direito e ética na filosofia kantiana. In: Daniel Omar Perez. (Org.). Kant no Brasil. São Paulo: Editora Escuta Ltda., 2005, v. 1, p. 87-107.

(23) Propriedade e constituiçao civil na filosofia kantiana. In: Alexandre Travessoni. (Org.). Kant e o Direito. Belo Horizonte: Mandamentos, 2009, v. , p. 377-415.

(24) Kant racista? Coleção CLE, v. 57, p. 299-312, 2010.

(25) Pode-se falar de uma estética kantiana? In: Ubirajara Rancan de Azevedo Marques. (Org.). Kant e amúsica. São Paulo: Barcarolla, 2010, v. , p. 15-28.

TIBAJI, Alberto

(1) Imaginação e o belo em Kant - uma visão heideggeriana, (c.12), 1998, pp. 193-201.

TIBURI, Márcia

(1) Kant, o sublime e a natureza ou o sonho da razão, (c.12), 1998, pp. 238-251.

TONETTO, Milene Consenso

(1) Kant: Liberdade e Natureza (Resenha). Ethic@ (UFSC), v. 05, p. 241-245, 2006.

(2) O direito humano à liberdade e a fundamentação dos direitos em Kant. In: LUNARDI, G. M.; SECCO, M. (Org.). Fundamentação filosófica dos direitos humanos. Florianópolis: EDUFSC, 2010, v. , p. 219-239.

(3) A dignidade da humanidade e os deveres em Kant. Revista de Filosofia: Aurora (PUCPR. Impresso), v. , p. , 2011.

TORRES, João Carlos Brum

(1) Pressuposições do projeto normativo kantiano. In: Kant e a Instituição da Paz, 1995, Porto Alegre. Kant e a instituição da Paz. Porto Alegre : Editora da UFRGS/Instituto Goethe, 1995. p. 242-246.

(2) Cognição intuitiva e pensamento de re. In Analytica, vol. 4, nº 2, Rio de Janeiro, 1999. Publicado também em João Carlos Brum Torres, Transcendentalismo e Dialética – Ensaios sobre Kant, Hegel, o Marxismo e outro estudos, L&PM, Porto Alegre, 2004 

(3) Kant, Kelsen, Carl Schmitt und die Theorie der Verfassungsgründung. In: Heinz Eidam; Frank Hermenau; Draiton de Souza. (Org.), Metaphysik und Hermeneutik Festschrift für Hans-Georg Flikinger zum 60. Beburtstag. 1ª ed. Kassel: Kassel University Press, 2004, v. 01, p. 253-268 

(4) Kant e a noção de crime irremissível. In: Fátima Évora; Paulo Faria; Andréa Loparic; Luiz Henrique L. dos Santos; Marco Zingano. (Org.). Lógica e Ontologia Ensaios em homenagem a Balthazar Barbosa Filho. 1ª ed. São Paulo: Discurso Editorial, 2004, v. 01, p. 443-459.

(5) Kant et la notion de crime inexpiable, in Jean-François Kervegan (ed.) Kant. Droit et politique. (Em preparação)

(6) Kant e o selvagem da Nova Holanda, in João Carlos Brum Torres, Transcendentalismo e Dialética – Ensaios sobre Kant, Hegel, o Marxismo e outros estudos, L&PM, Porto Alegre, 2004. 

(7) Intuições e conceitos: a diferença de forma, in Abel Lassalle Casanave (org.) Intuição Conceito Idéia, Imprensa Universitária UFSM. Santa Maria, 2001. Publicado também em João Carlos Brum Torres, Transcendentalismo e Dialética – Ensaios sobre Kant, Hegel, o Marxismo e outro estudos, L&PM, Porto Alegre, 2004.

(8) Determinação categorial e síntese da apreensão, in Studia Kantiana, nº6/7 (no prelo)

(9) Détermination catégorielle et synthèse de l’appréhension, in Proceedings of the 10th International Kant Congress, Walter de Gruyter, Berlin.

(10) Determinação categorial e síntese da apreensão. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6/7, p. 62-81, 2008.

(11) Algumas discussões contemporâneas sobre o conceito de Objeto e a concepção kantiana das categorias como conceitos de um Objeto em geral. Kant e-Prints (Online), v. 4/Nº2, p. 207-228, 2009.

(12) Sobre os pressupostos lógico-transcendentais da teoria kantiana dos conceitos empíricos. Manuscrito (UNICAMP), v. 33, p. 497-529, 2010.

TORRES FILHO, Rubens Rodrigues

(1) Dogmatismo e antidogmatismo: Kant na sala de aula, Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 91, 1987, pp. 11-27

(2) Respondendo à pergunta: quem é a ilustração?, Discurso, São Paulo, n. 14, 1983, pp. 101-112. 

(3) Dogmatismo e antdogmatismo: Kant na sala de aula. Cadernos de Filosofia Alemã, São Paulo, n. 7, 2001, pp. 67-86.

TORRIANI, Tristan

(1) Da intersubjetividade transcendental à intersubjetividade prática: uma abordagem sócio-psicológica da estética musical kantiana. Trans/Form/Ação (Marília), v. 33, n. 1, p. 125-154, 2010.

TUNHAS, Paulo

(1) A culpa da alma: da possibilidade da imaginação ao facto de estilo, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 14, 1990, pp. 29-66.

(2) Acontecimento e dissimulação na filosofia da história de Kant, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 16, 1992, pp. 35-56.

(3) Kant entre Fichte e Maïmon: coisa em si e inteligibilidade, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 20, 1998, pp. 143-168.

USCATESCU, Jorge

(1) Aniversário de Immanuel Kant, Concilium, Petrópolis, XVII, pp. 497-509.

UTTEICH, Luciano Carlos

(1) Apontamentos sobre a "Dedução transcendental". Revista de Iniciação Científica da FFC, Marília, v. 4, n. 3, p. 158-172, 2004.

(2) A Carta de Kant a Marcus Herz de 21 de fevereiro de 1772. Revista de Iniciação Científica da FFC, Marília, v. 4, n. 2, p. 104-114, 2004.

(3) Os Limites da Época. A Resposta de Fichte à objeção de Kant: "Declaro Insustentável!”. Humanidades em Revista, v. 6, p. 93-115, 2009. 

VACCARI, Ulisses Razzante

(1) Kant e a admiração da natureza. Trans/Form/Ação, v. 32, p. 85-94, 2009.

VALEIRÃO, Kelin

(1) Foucault e o Projeto Moderno: algumas reflexões acerca do kantismo de Foucault. Revista Pesquisa em Foco em Educação e Filosofia, v. 3, p. 40-52, 2010.

VALENTIM, Marco Antônio

(1) Sobre a concepção kantiana de existência: a filosofia transcendental como niilismo. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 201-226, 2009.

VEIGA, Gláucio

(1) Kant e o Brasil, Revista Brasileira de Filosofia, Rio de Janeiro, I, 1951, pp. 86-97.

VELLOSO, A. Versiani

(1) A propósito do sesquicentenário de Kant, Kriterion, Belo Horizonte, VII, 1954, pp. 18-24.

(2) Doutrina ético-jurídica de Kant, Kriterion, Belo Horizonte, XXII, 1976, pp. 52-91.

VIEGAS, Pedro

(1) Da teleologia à teologia ética: em busca do sentido radical da pergunta ‘o que é o homem'?, (c.8), 1994, pp. 173-184.

(2) O tema da existência na Nova Dilucidatio de Kant,Philosophica, Revista do Departamento de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa/Colibri, Lisboa, 3, 1994, pp. 111-127.

VIEIRA, Leonardo Alves

(1) A herança kantiana da concepção hegeliana do direito e da moral, Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 27, n 77, 1997, 163-179.

(2) Direito e justiça em Kant e Schelling: uma controvérsia paradigmática, Anais do Simpósio internacional sobre a justiça, 1997, Florianópolis, 1997, pp. 175-196.

(3) coerção em Kant e Schelling: fundamentação e conseqüência, Véritas, Porto Alegre, v. 43, n. 4, 1998, pp. 843-871.

VILA-CHÂ, João J. 

(1) O Inevitável Kant. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v.61, n.2, p. 347-354, 2005.

(2) O Efeito Kant: Constãncia e Transformações. Revista Portuguesa de Filosofia (Lisboa), v. 61, n. 3 e 4, p. 651-666, 2005.

VOLPATO DUTRA, Delamar José

(1) Motivação e imputação moral na Crítica da razão pura,Dissertatio, Pelotas, n. 6, 1997, pp. 99-106.

(2) O conceito de sensus communis e os fundamentos de uma teoria da intersubjetividade em Kant. In: FELTES, Heloísa Pedroso Morães; ZILLES, Urbano. (Org.). Filosofia: diálogos de horizontes. Festschrift em homenagem a Jayme Paviani. Caxias do Sul, Porto Alegre: EDUCS/EDIPUCRS, 2002, v. 1, p. 387-402.

(3) Propriedade e ajuda aos pobres na Doutrina do Direito de Kant. In: BORGES, Maria de Lourdes, HECK, José. (Org.). Kant: liberdade e natureza. Florianópolis: Editora da UFSC, 2005, v. , p. 71-98.

(4) A conexão entre moral e direito em Kant. In: FELDHAUS, Charles. (Org.). Direito e moral: três estudos a respeito da filosofia prática de Kant. Florianópolis: Apolodoro, 2007, v. 1, p. 08-19.

(5) Perspectivas de moralização do direito: Kant e Habermas. Crítica (UEL), v. 12, p. 337-356, 2007.

(6) Os fundamentos jurídicos e filosóficos da paz: uma leitura de 'A paz perpétua: um projeto filosófico' de Kant. Revista de Estudos Universitárias (Sorocaba), v. 33, p. 25-36, 2007.

(7) Lex permissiva e propriedade privada na Dotrina do direito de Kant. In: SPICA, Marciano Adílio; BILIBIO, Evandro. (Org.). Filosofia: reflexões contemporâneas. Guarapuava: Editora UNICENTRO, 2010, v. , p. 147-164.

(8) Um novo Kant: homenagem a Valério Rohden. Ethic@ (UFSC), v. 9, p. 157-162, 2010.

(9) Grotius: pré-história da teoria kantiana da virtude. In: HOBUSS, João. (Org.). Ética das virtudes. Florianópolis: EDUFSC, 2011, v. 1, p. 157-169.

(10) Grotius: pré-história da teoria kantiana da virtude. Dissertatio, vol. 33, p.439-453, 2011.

WELLAUSEN, Saly da Silva

(1) Foucault leitor de Kant: Was ist Aufklärung?. Kant e-Prints (Online), v. 5, n.2, p. 15-30, 2010.

WELTER, Nelsi Kistemacher

(1) Vida, liberdade e propriedade: Rawls e Kant a partir da perspectiva de Paul Guyer. Ethic@ (UFSC), v. 9, p. 133-153, 2010.

WERLE, Marco Aurélio

(1) O lugar de Kant na fundamentação da estética como disciplina filosófica. Dois Pontos (UFPR), Curitiba/São Carlos, v. 2, n. 2, p. 129-143, 2005.

WILLASCHEK, Marcus

(1) Confiança condicional. Certeza metafísica em um mundo contingente. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 6-7, p. , 2008.

WOOD, Allen W.

(1) A boa vontade. Studia Kantiana (Rio de Janeiro), v. 9, p. 7-40, 2009.

XAVIER, Leyserée Adriene Fritsch

(1) Immanuel Kant: la utopía moral como emancipación del azar (Roberto Rodriguez Aramayo). Revista Aurora (Curitiba), v. 18, p., 2005 (Resenha).

(2) Considerações sobre a natureza humana em Kant e Freud. Adverbum (Campinas), v. 3, p. 168-178, 2008.

XAVIER, Maria Leonor

(1) O argumento ontológico: Kant e Santo Anselmo, (c. 9), 1994, pp. 107-123.

ZANELLA, Diego Carlos

(1) O imperativo categórico kantiano. Revista Litterarius (Santa Maria), v. 05, p. 49-60, 2006.

(2) Moral e religião em Kant. Intuitio, v. 01, p. 89-105, 2008.

(3) O conceito de felicidade na fundamentação da moral em Kant. Intuitio, v. 02, p. 96-102, 2009.

(4) Religião moral e analogia em Kant. Sintese (Belo Horizonte. 1974), v. 37, p. 45-55, 2010.

(5) Como é possível a imputabilidade das ações imorais na filosofia prática de Kant? Thaumazein (Santa Maria), v. 06, p. 02-12, 2010.

ZINGANO, Marco

(1) Facto da razão e acto de liberdade em Kant, Análise, Rev. Quadrimestral de Filosofia, Gab. de Filosofia do Conhecimento, Lisboa, 16, 1992, pp. 57-76.

(2) Um relato oblíquo, Filosofia e Política, Porto Alegre, n. 4, 1987.

© Andrea Faggion 2012